Contenido principal del artículo

Edith Romano
CEDUC da Universidade Federal de Roraima.
Brasil
Biografía
Jorge Bonito
Universidade de Évora
Portugal
Biografía
Vol. Extr., núm. 11 (2017) - XIV CIG-PP, XIV Congreso Psicopedagogía. Área 11: NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES, páginas 240-244
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.11.2862
Enviado: jul 19, 2017 Aceptado: dic 13, 2017 Publicado: dic 17, 2017
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

Este trabalho apresenta um estudo comparativo entre Brasil e Portugal acerca da formação de professores para a educação especial. Desenvolvido na perspetiva de educação comparada em abordagem sócio-histórica, apresenta resultados decorrentes da análise documental e de entrevistas. Aponta diferenças relevantes na perceção quanto aos sentidos atribuídos à inclusão, que determinam: a quantidade e qualidade dos apoios especializados disponibilizados ao público-alvo da educação especial; as relações dos professores do ensino regular com os seus alunos; e a forma como os professores de educação especial se articulam com os seus colegas do ensino regular nos ambientes escolares dos dois países.

Detalles del artículo

Referencias

Costa, A. (2008). Deliberação da secção formação especializada sobre a acreditação de cursos na área de educação especial. Disponível em: http://www.ccpfc.uminho.pt/uploads/Delibera%C3%A7%C3%A3o%20FE.pdf.

Kassar, M. (2014). A formação de professores para a educação inclusiva e os possíveis impactos na escolarização de alunos com deficiências. Cadernos CEDES 34(93), 207-224. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v34n93/0101-3262-ccedes-34-93-0207.pdf.

Madureira, I. (2016). Pedagogia Inclusiva- Princípios e práticas. In Borges, M., Luísa, C., & Martins, M. (Coords.), II Congresso Internacional de Direitos Humanos e Escola Inclusiva: Múltiplos Olhares (pp. 42- 51). Faro: Universidade do Algarve. Disponível em: https://sapientia.ualg.pt/bitstream/10400.1/8999/6/e-book%20final%2017-05-2017.pdf.

Nunes, C., & Madureira, I. (2015). Desenho universal para a aprendizagem: Construindo práticas pedagógicas inclusivas. Da investigação às práticas, 5(2), 126-143. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2182-13722015000200008&lng=pt&tlng=pt.

Pagnez, K., Prieto, R., & Sofiato, C. (2015). Formação de Professores e Educação Especial: reflexões e possibilidades. Olh@res, 3(1), 32-57. Disponível em: http://www.olhares.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/320/121.

Rodrigues, D., & Lima-Rodrigues, L. (2011). Formação de Professores e Inclusão: como se reformam os reformadores. Educar em Revista, 41, 41-60. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n41/04.pdf.

Rodrigues, D., & Nogueira, J. (2011). Educação Especial e Inclusiva em Portugal: fatos e opções. Revista Brasileira de Educação Especial, 17(1), 3-20. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v17n1/v17n1a02.pdf.

Vidal, M. (2013). O processo de Bolonha e as políticas de formação inicial com vistas à educação inclusiva. Tese Doutoramento (não publicada). Uberlândia, MG: Universidade Federal de Uberlândia. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/13639/1/MARIAHELENA.pdf.