Contenido principal del artículo

Patrícia Pinheiro
Instituto da Educação /CIEd - Universidade do Minho
Portugal
Anabela Cruz-Santos
Instituto da Educação /CIEd - Universidade do Minho
Portugal
Maria João Gomes
Instituto da Educação /CIEd - Universidade do Minho
Portugal
Vol. Extr., núm. 11 (2017) - XIV CIG-PP, XIV Congreso Psicopedagogía. Área 11: NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES, páginas 114-118
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.11.2543
Enviado: jul 15, 2017 Aceptado: dic 13, 2017 Publicado: dic 17, 2017
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

As tecnologias de apoio podem ser um interface de comunicação para muitas crianças e jovens com necessidades educativas especiais. Nesta investigação recorremos ao inquérito por questionário como instrumento de recolha de dados. A amostra foi constituída por 85 professores especializados a lecionar em unidades de educação especial. O objetivo foi conhecer a perspetiva dos professores quanto à utilização, potencialidades e condicionantes das tecnologias na comunicação. Concluímos que os professores se preocupam em fazer formação regular na área das tecnologias. Conhecem as soluções tecnológicas apresentadas e utilizam tecnologias de apoio para a comunicação aumentativa e alternativa na sala de aula.

Detalles del artículo

Referencias

Amaral, I. (2002). Characteristics of communicative interactions between children with multiple disabilities and their non-trained teachers: Effects of an intervention process. Tese de doutoramento. Porto: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto.

Correia, L. M. (1999). Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares. Porto: Porto Editora.

Correia, L. M. (2005). Inclusão e necessidades educativas especiais: Um guia para educadores e professores. Porto: Porto Editora.

Faias, J. (2012). Tecnologias de apoio – prestação de serviços. Porto: Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto.

Freixo, A. R. (2013). A importância da comunicação aumentativa/alternativa em alunos com paralisia cerebral no 1º ciclo do ensino básico. Tese de dissertação de mestrado. Lisboa: Escola Superior de Educação João de Deus.

Fontes, G., Abreu, S. (2010). WAACT - Widget Augmentative and Alternative Communication Toolkit. INForum 2010 - II Simpósio de Informática - 9-10 setembro, 353–364. Braga: Universidade do Minho.

Hanline, M., Nunes, M. & Worthy B. (2007). Augmentative and Alternative Communication in the Early Childhood Years. Beyond the Journal: Young Children on the Web, 1–6.

Millar, S. & Scott, J. (1998). What is Augmentative and Alternative Communication? An Introduction, 3–12.. Acedido a 19 de dezembro de 2012 em de http://www.acipscotland.org.uk/Millar-Scott.pdf

Nielsen, L. B. (1999). Necessidades educativas especiais na sala de aula: Um guia para professores. Porto: Porto Editora.

Nunes, C. (2003). Crianças com multideficiência sem linguagem oral expressiva: Formas de comunicação mais utilizadas para fazer pedidos. Tese de dissertação de mestrado. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa.

UNESCO - European Agency for Development in Special Needs Education (2011). ICTs in Education for people with disabilities - Review of innovative practice. Moscovo.

Ribeiro, J. M., Moreira, A. & Almeida, A. M. (2009). Preparing special education frontline professionals for a new teaching experience. eLearning Papers, 16. Acedido a 10 de novembro de 2013 em http://www.openeducationeuropa.eu/en/article/Preparing-special-education-frontline-professionals-for-a-new-teaching-experience.

Rodrigues, C., & Teixeira, R. (2006). Tecnologias em processos de inclusão. Revista Faculdade de Educação, 31(2), p. 261-276. Goiás: Universidade Federal.

Rosell, C., & Basil, C. (1998). Sistemas de signos manuales y sistemas de signos gráficos: características y criterios para su uso. Sistemas de signos y ayudas técnicas para la comunicación aumentativa y la escritura: princípios teóricos e aplicaciones. Barcelona: MASSON.

Santos, L. (2006). A escrita e as TIC em crianças com dificuldades de aprendizagem: Um ponto de encontro. Tese de dissertação de mestrado. Braga: Universidade do Minho.

Silva, M. O. E. da (2009). Da Exclusão à inclusão: Concepções e práticas. Revista Lusófona de Educação, (13), p.135-153. Recuperado em 07 de janeiro de 2015, de http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-72502009000100009&lng=pt&tlng=pt.

Tetzchner, S., & Martinsen, H. (2002). Introdução à comunicação aumentativa e alternativa. Porto: Porto Editora.

Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de janeiro. Ministério da Educação e Ciência. Lisboa.

Decreto-Lei n.º 93/2009 de 16 de abril. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. Lisboa.

Resolução do Conselho de Ministros n.º 110/2003 de 20 de novembro.