Contenido principal del artículo

Ricardo Cunha
Universidade Católica Portuguesa, Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais, Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos, Universidade Católica Portuguesa, Faculdade de Teologia, Centro de Investigação em Teologia e Estudos da Religião
Portugal
https://orcid.org/0000-0001-8858-5143
Vol. 9 (2022), Número monográfico XVI CIG-PP, páginas 272-283
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2022.9.0.8913
Enviado: ene 10, 2022 Aceptado: mar 9, 2022 Publicado: abr 29, 2022
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

Na sua prática letiva, o docente de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) é confrontado com a necessidade de articular o Desenho Universal para a Aprendizagem (DUA) e a conceção curricular em espiral, de Jerome Bruner. O objetivo principal deste estudo é aprofundar as práticas pedagógicas dos professores de EMRC na aplicação do DUA. A amostra é constituída por professores desta área curricular em Portugal, num total 181 participantes. Os resultados revelam que os docentes de EMRC estão envolvidos na construção de uma escola inclusiva. Apesar de algumas similaridades entre a conceção curricular de Jerome Bruner e as fases de envolvimento e representação do DUA, os professores de EMRC inquiridos apresentam bastantes dificuldades em incluir todas as fases do DUA na sua prática pedagógica, em especial, a expressão, o que sugere a necessidade de formação contínua nesta área, como forma de promover práticas pedagógicas inclusivas.

Detalles del artículo

Referencias

Bergman, E., & Johnson, E. (1995). Toward Accessible Human-Computer Interatction. In J. Nielsen (Ed.), Advances in Human-Computer interaction. Ablex Publishing Corporation.

Bruner, J. (1960). The Process of Education. Harvard University Press.

Bruner, J. (1999). Para uma teoria da Educação. Relógio d’Água.

CAST. (2018). Universal design for learning guidelines version 2.2. The Universal Design for Learning Guidelines. CAST. https://udlguidelines.cast.org/

CAST. (2021). Universal Design for Learning Guidelines. About Universal Design for Learning. CAST. https://www.cast.org/impact/universal-design-for-learning-udl

Castillo, M., & Acuña, M. (2019). Desde el Diseño Universal para el Aprendizaje: el estudiantado al aprender se evalúa y al evaluarle aprende. Educación, 43(1), 2215-2644. https://doi.org/10.15517/revedu.v43i1.28449

Dinnebeil, L., Boat, M., & Bae, Y. (2013). Integrating principles of universal design into the early childhood curriculum. Dimensions of Early Childhood, 41(1), 3–13.

Giroto, C., Poker, R., & Omote, S. (2012). Educação Especial, formação de professores e o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação: A construção de práticas pedagógicas inclusivas. In C. Giroto, R. Poker, & S. Omote (Eds.), As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Cultura Acadêmica Editora.

Governo de Portugal. (2018). Decreto-Lei 55/2018, de 6 de julho. Diário Da República, 1.a série(129), 2928–2943.

Guimarães, F. (2020). Programa de Educação Moral e Religiosa Católica - 2014. Confessionalidade disciplinar versus laicidade curricular. Universidade Católica Portuguesa.

Hall, E., Meyer, A., & Rose, H. (2012). Universal Design for Learning in the Classroom: Practical Applications. The Guilford Press.

Katz, J. (2013). The three block model of universal design for learning (UDL): Engaging students in inclusive education. Canadian Journal of Education, 36(1), 153–194.

Liubarets, V., & Vasylieva, H. (2021). Educational workers methodological competence formation in the conditions of inclusive learning. Paradigm of knowledge, 1(45). https://doi.org/10.26886/2520-7474.1(45)2021.11

Moreno Díaz, C., Soto González, I., & Oyarzún Maldonado, C. (2021). Procesos argumentativos que conforman las reflexiones del profesorado chileno sobre sus experiencias de colaboración en el marco del Diseño Universal para el Aprendizaje. Revista Educación, 45(2). http://doi.org/10.15517/revedu.v45i1.43500

Orsati, T. (2013). Acomodações, modificações e práticas efetivas para a sala de aula inclusiva. Temas sobre Desenvolvimento, 19(107), 213-22.

Nunes, C., & Madureira, I. (2015). Desenho Universal para a Aprendizagem: Construindo práticas pedagógicas inclusivas, Da Investigação às Práticas, 5(2), 126 - 143.

Pereira, F., Crespo, A., Trindade, R., Cosme, A., Croca, F., Breia, G., Franco, G., Azevedo, H., Fonseca, H., Micaelo, M., Reis, J., Saragoça, J., Carvalho, M., & Fernandes, R. (2018). Para uma Educação Inclusiva: Manual de Apoio à Prática. Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação (DGE).

Prais, J., & Rosa, V. (2018). Revisão Sistemática sobre Desenho Universal para a Aprendizagem entre 2010 e 2015 no Brasil. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, 18(4), 414–423. https://revista.pgsskroton.com/index.php/ensino/article/view/4086

Presidência do Conselho de Ministros. (2018). Decreto-Lei 54/2018. Diário Da República, 129, 2918–2928.

Rodrigues, D. (2014, Março). O que é a Inclusão? Jornal Público. https://www.publico.pt/2014/03/17/sociedade/opiniao/o-que-e-a-inclusao-1628577

Zerbato, A., & Mendes, E. (2021). O desenho universal para a aprendizagem na formação de professores: da investigação às práticas inclusivas. Educ. Pesqui., 47, 1-19. https://doi.org/10.1590/S1678-4634202147233730

Zerbato, A., & Mendes, E. (2018). Desenho universal para a aprendizagem como estratégia de inclusão escolar. Educação Unisinos, 22(2), 147–155. https://doi.org/10.4013/edu.2018.222.04