Contenido principal del artículo

Julia da Fonseca Lopes
Universidade Federal do Rio Grande
Brasil
http://orcid.org/0000-0001-9219-0929
Biografía
Thays Rodrigues Votto
Universidade Federal do Rio Grande
Brasil
http://orcid.org/0000-0002-7595-5165
Biografía
Daniela Delias
Universidade Federal do Rio Grande
Brasil
Biografía
Carla de Felippe
Universidade Federal do Rio Grande
Brasil
Biografía
Vol. Extr., núm. 11 (2017) - XIV CIG-PP, XIV Congreso Psicopedagogía. Área 11: NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES, páginas 119-123
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.11.2566
Enviado: jul 15, 2017 Aceptado: dic 13, 2017 Publicado: dic 17, 2017
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

A pesquisa teve por objetivo conhecer as concepções dos familiares sobre a descoberta da deficiência, bem como os benefícios da estimulação precoce, a partir do relato de três famílias de crianças que utilizam o serviço em uma instituição de um município do Sul do Brasil. 

Detalles del artículo

Referencias

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. (70a ed.). Lisboa

Batista, S. & França, R. (2007). Família de pessoas com deficiência: desafios e superação. Revista de divulgação técnico-científica do ICPG, 10(3), 117-121. http://eduardobarbosa.com/sitedata/filesdt/textos_tecnicos/11/artigosobrefamilia.pdf

Glat, R. (1996). O papel da família na integração do portador de deficiência. Revista Brasileira de Educação Especial, 1(4), 111-118. http://www.abpee.net/homepageabpee04_06/artigos_em_pdf/revista4numero1pdf/r4_art09.pdf

Graça, P., Teixeira, M., Lopes, S., Serrano, A. & Campos, A. (2010). O momento da avaliação na intervenção precoce: o envolvimento da família estudo das qualidades psicométricas do ASQ-2 dos 30 aos 60 meses.Revista Brasileira de Educação Especial, 2(16), 177-196.https://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382010000200003

Goés, F. A. (2006). Um encontro inesperado: os pais e seu filho com deficiência mental. Psicologia: ciência e profissão, 3(26), 450-461. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932006000300009&lng=pt&tlng=pt

Hansel, A. F. (2012). Estimulação precoce baseada em equipe interdisciplinar e participação familiar: concepções de profissionais e pais (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil. http://hdl.handle.net/1884/35387

Hansel, A. F. & Bolsanello, M. A. (2012, julho). As abordagens explicativas do desenvolvimento aplicadas à estimulação precoce. Anais do Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul.Caxias do Sul, 9. http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2012/Educacao_Especial/Trabalho/08_28_14_2632-7319-1-PB.pdf

Klein, M. (1991). Inveja e Gratidão e outros trabalhos (1946-1963). Rio de Janeiro: Imago.

Lebovici, S. (1992). Maternidade. In Costa, G. P.; Katz, G. (Org.). Dinâmica das relações conjugais. (pp. 41-61). Porto Alegre: Artes Médicas.

Mayer, M. G., Almeida, M. A. & Lopes-Herrera, S. A. (2013). Síndrome de Down versus alteração de linguagem: interação comunicativa entre pais e filhos. Revista Brasileira de Educação Especial, 3(19),343-362. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382013000300004

Ministério da Educação. (1995a). Diretrizes educacionais sobre estimulação precoce: o portador de necessidades educativas especiais. MEC, Brasília.

Ministério da Educação. (1995b). Subsídios para organização e funcionamento de serviços de educação especial: área de deficiência mental. MEC, Brasília.

Ministério da Saúde. (2016). Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor. MS. Brasília.

Minuchin, S. (1982). Um modelo familiar. In Minuchin, S. Famílias: funcionamento e tratamento. (pp. 52-69). Porto Alegre: Artes Médicas.

Pichon-Rivière, E. (1998). O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes.

Sá, S. M. & Rabinovich, E. P. (2006). Compreendendo a família da criança com deficiência física. Journal of Human Growth and Development. 1(16), 68-84. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822006000100008&lng=pt&tlng=pt

Silva, C. & Ramos, L. (2014). Reações dos familiares frente à descoberta da deficiência dos filhos. Cad. Terapia Ocupacional. 1(22), 15-23. http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/cto.2014.003

Stern, D. N. (1997). A constelação da maternidade: o panorama da psicoterapia pais/bebê. Porto Alegre: Artes Médicas.

Willrich, A., Azevedo, C. & Fernandes, J. O. (2008). Desenvolvimento motor na infância: influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Revista Neurociências, in press, 1-6. http://services.epm.br/dneuro/neurociencias/226_revisao.pdf

Winnicott, D. W. (2008). A criança e o seu mundo. Rio de Janeiro: LTC.