O Cinema na Universidade: da teoria à prática

  • Ana Catarina Santos Pereira

Resumen

Assumidos os propósitos europeus para um Ensino Superior focado em resultados de aprendizagem concretos, questionamos a forma como a teoria e a História devem ser inseridas nos cursos superiores artísticos. Em termos metodológicos, iremos centrar-nos na planificação do programa da unidade curricular “História e Estética do Cinema Português”, lecionada na Universidade da Beira Interior. A aplicação de um modelo pedagógico que reúne a contextualização, a visualização de filmes e a sua análise permitirá ao/à estudante adquirir capacidades cognitivas e práticas, tendo em vista a formação de seres humanos críticos, autónomos, imaginativos e socialmente implicados. 

Referencias

Canudo, R. (1923). Manifeste des sept arts - L’usine aux images. Paris: Séguier et Arte.

Eco, Umberto (2004). Os limites da interpretação. Algés: Difel Editora.

Foucault, M. (1987). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Editora Forense-Universitária.

Grilo, J. M. (2010). As lições do cinema: Manual de filmologia. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa: Edições Colibri.

Gumbrecht, H. U. (2010). Produção de presença. Rio de Janeiro: Contraponto, Editora PUC Rio.

Heidegger, M. (1923 - 2005). Ser e tempo. Petrópolis: Editora Vozes.

Andrade, M. (2016). “Arte: território liberdade – qual é o local das escolas de arte?”. Em: Concinnitas. Ano 17, volume 01, número 28. Rio de Janeiro: Instituto de Artes da UERJ.

Sontag, S. (1966) Against interpretaion. Disponível, na íntegra, em: http://shifter-magazine.com/wp-content/uploads/2015/10/Sontag-Against-Interpretation.pdf

Publicados
2017-12-17
Cómo citar
Santos Pereira, A. (2017). O Cinema na Universidade: da teoria à prática. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, (12), 24-27. https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.12.2308
Sección
XIV Congreso Psicopedagogía. Área 12: POLÍTICAS Y REFORMAS DE LA ENSEÑANZA SUPERIOR