Contenido principal del artículo

Rita Laranjeira
Instituto de Educação, Universidade do Minho
Portugal
http://orcid.org/0000-0002-5843-5395
Ana Serrano
Instituto de Educação, Universidade do Minho
Portugal
Vol. Extr., núm. 11 (2017) - XIV CIG-PP, XIV Congreso Psicopedagogía. Área 11: NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES, páginas 179-183
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.11.2735
Enviado: jul 15, 2017 Aceptado: dic 13, 2017 Publicado: dic 17, 2017
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

Em Portugal, o Ages & Stages Questionnaires já se encontra aferido e adaptado para a população infantil e denomina-se ASQ-PT. A finalidade da nossa investigação é a realização de um estudo qualitativo para conhecer as perceções de profissionais de Intervenção Precoce, de saúde e de educação e de pais sobre a utilização do ASQ-PT para o rastreio e sobre a colaboração dos pais neste processo. Pretende-se sensibilizar os profissionais para a utilização deste instrumento, para colaborarem com as famílias no rastreio de desenvolvimento e perceber o impacto do preenchimento do ASQ-PT pelos pais no conhecimento acerca da sua criança.

Detalles del artículo

Referencias

American Academy of Pediatrics (2001). Committee on Children with Disabilities. Policy Statement: Developmental Surveillance and Screening of Infants and Young Children. Pediatrics, 108, 192-196.

Bairrão, J., & Almeida, I.C. (2003). Questões actuais em intervenção precoce. Psicologia, 17 (1), 15-29.

Bogdan, R.C., & Biklen, S.K. (1994). Investigação Qualitativa em Educação: Uma Introdução à Teoria e aos Métodos. Porto: Porto Editora.

Brassard, M.R., & Boehm, A.E. (2007). Preschool Assessment: Principles and Practices. New York: Guilford Press.

Bricker, D., Squires, J., & Potter, L. (1997). Revision of a parent-completed development screening tool: Ages and Stages Questionnaires. Journal of Pediatric Psychology, 22, 313-328.

Bricker, D., Allen, D., Clifford, J., Pretti-Frontczak, K., Slentz, K., & Squires, J. (2008). The Relationship Between the Ages & Stages Questionnaires (ASQ) and the Assessment, Evaluation, and Programming System for Infants and Children (AEPS). Early Intervention Management and Research Group, White Paper nº1.

Castelo, T.M., & Fernandes, B. (2009). Sinais de alarme em desenvolvimento. Saúde Infantil, 31 (1), 12-17.

Dunkle, M., & Vismara, L. (2004). Developmental checkups: They're good, they're cheap and they're almost never done. What is wrong with this picture? Exceptional Parent, 34, 160-161.

Dunst, C. J., Trivette, C. M., & Deal, A. (1988). Enabling and empowering families: Principles and guidelines for practice. Cambridge, MA: Brookline Books.

Dworkin, P.H. (1989). Developmental Screening – Expecting the Impossible? Pediatrics, 83(4), 619-622.

Glascoe, F.P. (2000). Evidence-based approach to developmental and behavioral surveillance using parents’ concerns. Child Care Health Development, 26(2), 137-49.

Glascoe, F.P. (2005). Screening for Developmental and Behavioral Problems. Mental Retardation and Developmental Disabilities Research Reviews, 11, 173-179.

Graça, P. (2013). Aferição para a população portuguesa da Escala de Desenvolvimento: Ages & Stages Questionnaires (ASQ3) dos 30 aos 60 meses. Tese de doutoramento não publicada. Universidade do Minho,

Portugal.

Lopes, S., Graça P., Teixeira, S., Serrano, A.M. & Squires, J. (2015). Psychometric properties and validation of Portuguese version of Ages & Stages Questionnaires (3rd edition): 9, 18 and 30 Questionnaires. Early Human Development 91, 527–533.

Lopes, S. (2013). Aferição para a população portuguesa da Escala de Desenvolvimento: Ages & Stages Questionnaires (ASQ3) dos 2 aos 12 meses. Tese de doutoramento não publicada. Universidade do Minho, Portugal.

Meisels, S.J. (1989). Can Developmental Screening Tests Identify Children Who Are Developmentally at Risk? Pediatrics, 83(4), 578-585.

Shonkoff, J.P., & Philips, (2000). From neurons to neighborhoods: The science of early childhood development. Washington, DC: National Academy Press.

Squires, J., Twombly, E., Bricker, D., & Potter, L. (2009). ASQ-3 User's Guide. Baltimore, Maryland: Paul H. Brookes Publishing Co.

Stake, R.E. (2003). Case Studies. In Denzin, N.K.; Lincoln, Y. (eds.). Strategies of Qualitative Inquiry (2ª Edição). London: Sage.

Teixeira, S. (2013). Aferição para a população portuguesa da Escala de Desenvolvimento: Ages & Stages Questionnaires (ASQ3) dos 14 aos 27 meses. Tese de doutoramento não publicada. Universidade do Minho, Portugal.

Yin, R.K. (2009). Case Study Research: Designs and Methods (4ª Edição). Thousand Oaks: Sage Publications.