Contenido principal del artículo

Teresa Jesus Correia Paulino Santos
Agrupamento de Escolas Gil Vicente - Universidade do Minho
Portugal
Biografía
Maria Palmira Alves
Universidade do Minho
Portugal
Vol. Extr., núm. 10 (2015) - XIII CIG-PP, XIII Congreso Internacional G-P de Psicopedagogía. Área 10: MODELOS Y PRÁCTICAS DE EVALUACIÓN, páginas 069-074
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2015.0.10.437
Enviado: may 14, 2015 Aceptado: ago 16, 2015 Publicado: nov 28, 2015
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

Esta comunicação apresenta os resultados de um estudo, em que se identificam as perspetivas de alunos do 2º e 3º ciclo do ensino básico e de professores sobre a avaliação das aprendizagens. De uma conceção bastante redutora passou-se para uma conceção mais sistémica e abrangente com a sistemática apreciação do mérito e do valor dos objetos avaliados a incluir professores, projetos, currículos, programas, materiais, ensino ou políticas, com vista a uma melhoria sustentada de todos os dispositivos, nomeadamente, os relativos às aprendizagens dos alunos. Na articulação entre a avaliação, ensino e aprendizagem é possível colocar a avaliação ao serviço da aprendizagem. O estudo, de natureza quantitativa (Moreira, 2006) constitui um processo sistemático de recolha de dados observáveis e quantificáveis, tem como objetivo de compreender as relações entre a aprendizagem, a avaliação e o ensino. Realizado num agrupamento de escolas, localizado na região Norte de Portugal, foi elaborado um questionário para os alunos (n=237) e outro para professores (n=53). Para o tratamento dos dados recorremos ao programa estatístico SPSS à estatística descritiva para a sua análise. Os resultados revelam que os alunos sentem que os seus professores desenvolvem formas de organização do trabalho criando um ambiente propício à aprendizagem e incutem nos alunos hábitos de estudo e de trabalho autónomo. Reconhecem que os professores promovem uma autoavaliação organizada dos alunos, informam regularmente os alunos sobre os progressos nas aprendizagens e promovem estratégias diferenciadas através de processos interativos de aprendizagem. Estes resultados mostram que os professores são capazes de construir dinâmicas contextualizadas, valorizando a avaliação formativa.

Detalles del artículo

Referencias

Almeida, L; Vasconcelos, C; & Praia, J. (2003) Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. Psicol. Esc. Educ. (Impr.)[online].vol.7, n.1, 11-19. ISSN 1413-8557. Acedido em 3 de Fevereiro de 2015 em http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572003000100002.

Alves, M. P. (2004). Currículo e Avaliação. Uma perspectiva integrada. Porto: Porto Editora.

Fernandes, J.; Alves, M. & Machado, E. (2008). Perspectivas e Práticas de Avaliação de Professores de Matemática. Braga: CIEd.

Carvalho, R. B. (2013). Avaliação para a aprendizagem. Doutoramento em Área de Especialização em Avaliação em Educação, Universidade de Lisboa. Acedido em 3 de Fevereiro de 2015 em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/10699/1/ulsd067739_td_Rosenei_Carvalho.pdf

Cardinet, J. (1993). Avaliar é Medir? Rio Tinto: Edições Asa.

Coutinho, C. (2011). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas. Teoria e Prática. Coimbra: Edições Almedina.

Scheffler, I, (1973) Reason and Teaching, London.

De ketele, J & Roegiers, X. (1991). Méthodologie du Recueil d'Information. Bruxelas: De Boeck.

Ghiglione, R. & Matalon, B. (2001). O Inquérito. Teoria e Prática. Oeiras: Celta Editora.

Fernandes, D. (2005). Avaliação das aprendizagens: Desafios às teorias, Práticas e Políticas. Porto: Texto Editores.

Fernandes, D. (2008). Para uma teoria da avaliação no domínio das aprendizagens. Estudos em Avaliação Educacional, v. 19, n.º 41, pp. 347-372. Acedido a 3 de Junho de 2013 em http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5526

Fernandes, D. (2011). Articulação das aprendizagens, da avaliação e do ensino: questões teóricas, práticas e metodológicas. In M. P. Alves & J-M. Ketele (Orgs.), Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo. (pp.131-142). Porto: Porto Editora

Figari, G. (1996). Avaliar: que referencial? Porto: Porto Editora.

Moreira, A. M. (2011) Teorias de aprendizagem. São Paulo: EPU

Pinto, J. & Santos, L. (2006) Modelos de avaliação das aprendizagens. Lisboa/Portugal:

Hill, M. & Hill , A. (2009). Investigação por Questionário. Lisboa: Edições Sílabo.

OECD (2013). Synergies for Better Learning: An International Perspective on Evaluation and Assessment, OECD Publishing. doi: 10.1787/9789264190658-en