Madurez psicológica e independencia financiera: un estudio con adultos emergentes universitarios || Psychological maturity and financial independence: A study with college emerging adults

  • Claudia Andrade

Resumen

Nas últimas décadas assistiu-se a um conjunto de alterações sociais que exercem influência sobre os modos como a transição para a idade adulta é efetuada, bem como a importância que é dada aos critérios para que se seja considerado adulto. O presente estudo explora os critérios associados à representação de adulto, junto de uma amostra de adultos emergentes a frequentar o ensino superior. O estudo de natureza qualitativa foi efetuado com recurso à técnica dos grupos focais. Os resultados permitiram destacar a importância de dois critérios, um dos critérios de natureza psicológica (maturidade psicológica) e um de caráter instrumental (independência financeira) como sendo os marcadores que aparecem associados à representação do estatuto social de adulto. Outros critérios como competências familiares, transições normativas, adesão às normas e parâmetros biológicas, legais e a acontecimentos sociais, como casar, por exemplo, são, de uma forma geral, percecionados como pouco relevantes na definição da idade adulta. Os resultados são discutidos e analisados no quadro da adultez emergente em estudantes do ensino superior.

Referencias

Almeida, L. S., Santos, A. C., Dias, P. B., Botelho, S. G., & Ramalho, V. M. (1998). Dificuldades de adaptação e de realização académica no Ensino Superior: Análise de acordo com as escolhas vocacionais e o ano de curso. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxia e Educación, 2(2), 41-48.

Almeida, L. S., Soares, A. P., & Freitas, A. C. (2004). Integración y adaptación académica en la universidad: Estudio considerando la titulación y el sexo. Revista Galego-Portuguesa de Psicopedagogía e Educación, 8 (II), 169-182.

Almeida, L., Marinho-Araújo, C., Amaral, A., & Dias, D. (2012). Democratização do acesso e do sucesso no ensino superior: Uma reflexão a partir das realidades de Portugal e do Brasil. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 17(3), 899-920. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772012000300014

Amorim, J. P., Azevedo, J., & Coimbra, J. L. (2010). On the opening of higher education institutions to new publics: the Portuguese case. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, 9, 83-103.

Andrade, C. (2006). Antecipação da conciliação dos papéis familiares e profissionais na transição para a idade adulta: Estudo diferencial e intergeracional. Dissertação de Doutoramento não publicada. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto

Andrade, C. (2010). Transição para a Idade Adulta: das Condições Sociais às Implicações Psicológicas. Análise Psicológica, VIII (2), 255-267.

Andrade, C. (2013). Relações trabalho-família e género: Caminhos para a conciliação. Lisboa: Editora Coisas de Ler.

Arnett, J. J., Ramos, K. D., & Jensen, A. (2001). Ideological views in emerging adulthood: Balancing autonomy and community. Journal of Adult Development, 8, 69-79. http://dx.doi.org/10.1023/A:1026460917338

Arnett, J. (2000) Emerging adulthood: A theory of development from the late teens through the twenties. American Psychologist, 55, 469-480. http://dx.doi.org/10.1037/0003-066X.55.5.469

Arnett, J. (2001) Conceptions of the transition to adulthood: Perspectives from adolescence through midlife. Journal of Adult Development, 8, 133-143. http://dx.doi.org/10.1023/A:1026450103225

Arnett, J. J. (2006). Emerging adulthood: Understanding the new way of coming of age. In J. J. Arnett & J. L. Tanner (Eds.), Emerging adults in America: Coming of age in the 21st century (pp. 3-19). Washington, DC: American Psychological Association.

Arnett, J. J. (2007). Emerging adulthood: What is it, and what is it good for? Child Development Perspectives, 1(2), 68-73. http://dx.doi.org/10.1111/j.1750-8606.2007.00016.x

Barbeira, J. (2015). Universidad y diversidad funcional: Aproximación a la inclusión en el ámbito universitario. Revista de Estudios e Investigación en Psicologia e Educación, 8, A8-034. http://dx.doi.org/10.17979/reipe.2015.0.08.218

Brandão, T., Saraiva, L., e Matos, P. M. (2012). O prolongamento da transição para a idade adulta e o conceito de adultez emergente: Especificidades do contexto português e brasileiro. Análise Psicológica, 15(3), 301-313.

Dias, D., & Sá, M. J. (2011). Do ensino secundário para o superior: O impacto emocional da transição. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxia e Educacion, 19(2), 35-48.

Erikson, E. H. (1976). Identidade: Juventude e crise (2ª ed., trad. A. Cabral). Rio de Janeiro, Brasil: Zahar Editores.

Facio, A., & Micocci, F. (2003). Emerging adulthood in Argentina. New Directions for Child & Adolescent Development, 203, 21-32. http://dx.doi.org/10.1002/cd.72

Ferreira, J. A., Almeida, L. S., & Soares, A. P. (2001). Adaptação académica em estudante do 1º ano: Diferenças de género, situação de estudante e curso. PsicoUSF, 6 (1), 1-10.

Gómez-Juncal, R., Dopico, D., García, S., & Varela, C. (2015). Integración de los graduados universitarios en el mercado profesional. Formación en competencias horizontales. Revista de Estudios e Investigación en Psicologia e Educación, 7, A7-005. http://dx.doi.org/10.17979/reipe.2015.0.07.164

Gordon, T., Holland, J., Lahelma, E., & Thomson, R. (2005). Imagining gendered adulthood: anxiety, ambivalence, avoidance and anticipation. European Journal of Women's Studies, 12, 83-103. http://dx.doi.org/10.1177/1350506805048857

Greene, A. L., & Wheatley, S. M. (1992). “I’ve got a lot to do and I don’t think I’ll have the time”: Gender differences in late adolescents’ narratives of the future. Journal of Youth and Adolescence, 21, 667-686. http://dx.doi.org/10.1007/BF01538738

Guerreiro, M., & Abrantes, P. (2004). Moving into adulthood in southern European country: Transitions in Portugal. Portuguese Journal of Social Science, 3, 191-209.

Guerreiro, M. D., e Abrantes, P. (2007) Transições incertas. Os jovens perante o trabalho e a família. Lisboa: CITE

Hendry, L., & Kloep, F. (2012) Adolescente and adulthood: Transitions and transformations. New York; Palgrave Macmillian.

Levinson, D. (1986). A conception of adult development. American Psychology, 41, 3-13. http://dx.doi.org/10.1037/000

Mayseless, O., & Scharf, M. (2003). From authoritative parenting practices to an authoritarian context: Exploring the person-environment. Journal of Research on Adolescence, 13, 427-457. http://dx.doi.org/10.1046/j.1532-7795.2003.01304002.x

Mendonça, M., Andrade, C., e Fontaine, A. (2009) Transição para a idade adulta e adultez emergente: adaptação do Questionário de Marcadores da Adultez junto de jovens Portugueses. Psychologica, 51, 147-168.

Nilsen, A. (1998). Representações dos jovens acerca da vida adulta. In Maria das Dores Guerreiro (Ed.), Trabalho, família e gerações: Conciliação e solidariedade (p.139-143). Lisboa: Celta Editora.

Reitzle, M. (2006). The connections between adulthood transitions and the self-perception of being adult in the changing contexts of East and West Germany. European Psychologist, 11, 25-38. http://dx.doi.org/10.1027/1016-9040.11.1.25

Santos, P.J., Ferreira, J.A., & Gonçalves, C.M. (2014). Indecisiveness and career indecision: A test of a theoretical model, Journal of Vocational Behavior, 85(1), 106-114. http://dx.doi.org/10.1016/j.jvb.2014.05.004

Sousa, F. (2007). O que e “ser adulto”: As praticas e representações sociais sobre o que e “ser adulto” na sociedade portuguesa. Revista Moçambras: Acolhendo a alfabetizaçãonos países de língua portuguesa (p. 56-69). Consultado em Setembro 2010, http://www.mocambras.org.

Tanner, J. (2006). Recentering during emerging adulthood: A critical turning point in life span human development. In Jeffrey Arnett & Jennifer Tanner (Eds.), Emerging adults in America: Coming of the Age in the 21st century (p.21-25). Washington: American Psychological Association.

Publicados
2016-05-07
Cómo citar
Andrade, C. (2016). Madurez psicológica e independencia financiera: un estudio con adultos emergentes universitarios || Psychological maturity and financial independence: A study with college emerging adults. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, 3(1), 28-35. https://doi.org/10.17979/reipe.2016.3.1.1457
Sección
ARTÍCULOS