Contenido principal del artículo

Liliana Paulos
Universidade do Minho
Portugal
https://orcid.org/0000-0002-9743-9719
Biografía
Sandra Valadas
Universidade do Algarve
Portugal
https://orcid.org/0000-0002-0531-8064
Biografía
Leandro S. Almeida
Universidade do Minho
Portugal
https://orcid.org/0000-0002-0651-7014
Biografía
Vol. 7 Núm. 2 (2020), Artículos, páginas 163-173
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2020.7.2.6994
Enviado: sep 23, 2020 Aceptado: nov 13, 2020 Publicado: dic 1, 2020
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

O presente estudo centra-se nas práticas de seleção de diplomados do Ensino Superior, por parte de empregadores dos setores privados, público e terceiro setor, de duas regiões de Portugal, uma situada no norte e outra no sul. Pretendeu-se conhecer quais são as técnicas mais utilizadas pelos empregadores dos três setores e identificar fatores que influenciem o processo de seleção de graduados. Para a recolha de dados, foram realizadas 19 entrevistas semiestruturadas a empregadores dos três setores económicos. Quanto à análise dos dados, foram consideradas categorias emergentes, no sentido de descobrir padrões de significado, com recurso a um procedimento indutivo. Os resultados sugerem que as práticas de seleção mais utilizadas são 1. a análise curricular, através da qual é feita uma pré-seleção dos candidatos que apresentam um curriculum vitae (CV) claro e sucinto e que reúnem os requisitos mínimos de formação académica e de experiência profissional tendo em conta a vaga para a qual estão a recrutar; e 2. a entrevista de seleção, na qual tentam avaliar as competências transversais e a correspondência entre os valores do candidato e os da organização. O estudo revela que as competências transversais parecem ser hoje muito importantes para os empregadores e que a ideia de empregabilidade está relacionada com a responsabilidade individual dos graduados; destaca também o aumento das expectativas dos empregadores face à responsabilidade das Instituições de Ensino Superior na promoção da empregabilidade dos seus estudantes.

Detalles del artículo

Referencias

Alves, N. (2009). Inserção profissional e formas identitárias. Educa.

Alves, M.G. & Korhonen, V. (2016). Transitions and trajectories from higher education to work and back - A comparison between Finnish and Portuguese graduates. European Educational Research Journal, 15(6), 676-695. https://doi.org/10.1177/1474904116661200

Araújo, A. M. (2017). Sucesso no ensino superior: uma revisão e conceptualização. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, 4(2), 132-141. https://doi.org/10.17979/reipe.2017.4.2.3207

Artess, J., Mellors-Bourne, R. e Hooley, T. (2017). Employability: a review of the literature 2012-2016. Higher Education Academy.

Banov, M. (2010). Recrutamento, seleção e competências (3ª ed.). Atlas.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Edições 70.

Bennett, D. e Robertson, R. (2015). bennPreparing students for diverse careers: Developing career literacy with final-year writing students. Journal of University Teaching & Learning Practice, 12(3), 1-16. https://ro.uow.edu.au/jutlp/vol12/iss3/5

Bogdan, R. e Biklen, S. (2013). Investigação qualitativa em Educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Editora.

Braun, E e Brachem, J.C. (2017). The labour market’s requirement profiles for higher education graduates. In E. Kyndt, V. Donche, K. Trigwell & S. Lindblom-Ylanne (eds.), Higher Education Transitions: Theory and Research (pp. 219-237). Routledge.

Cabral-Cardoso, C., Estêvão, C. V. e Silva, P. (2006). Competências Transversais dos Diplomados do Ensino superior - Perspectiva dos Empregadores e Diplomados. Tecminho.

Chiavenato, I. (2014). Gestão de pessoas: O novo papel dos recursos humanos nas organizações (4ª ed.). Manole.

Cohen, L., Manion, L. e Morrison, K. (2007). Research methods in education (6ª ed.). Routledge.

European Commission (2009). European Commission. Explaining the European Qualifications Framework for Lifelong Learning. Office for Official Publications of the European Communities. Disponível em: https://ec.europa.eu/ploteus/sites/eac-eqf/files/brochexp_en.pdf

Faissal, R., Passos, A., Mendonça, M. e Almeida, W. (2015). Atração e seleção de pessoas (3ª ed.). FGV Editora.

Fragoso, A., & Paulos, L. (2018). Competências e práticas de recrutamento no mercado de trabalho: perspetivas de estudantes e graduados não-tradicionais, e empregadores. En A. Fragoso & S. T. Valadas (Eds.), Estudantes Não-Tradicionais no Ensino Superior (pp.297-315). Centro de Inovação e Estudo da Pedagogia no Ensino Superior (CINEP).

French, E., Bailey, J., Acker, E. e Wood, L. (2015). From mountaintop to corporate ladder - what new professionals really really want in a capstone experience! Teaching in Higher Education, 20(8), 767-782. https://doi.org/10.1080/13562517.2015.1085852

Gazier, B. (1990). L’employabilité: Brève radiographie d’un concept en mutation. Sociologie du Travail, 4, 575-584. https://www.persee.fr/doc/sotra_0038-0296_1990_num_32_4_2531

Glaser B. e Strauss (1967). The discovery of grounded theory. Strategies for qualitative research. Aldine.

González, J. e Wagenaar, R. (Eds.) (2003). Tuning education structures in Europe. Final Report. University of Deusto.

Guerra, I. (2006). Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Principia.

Hart Research Associates (2015). Falling Short? College Learning and Career Success. https://www.aacu.org/leap/public-opinion-research/2015-survey-results

Hillage, J., &Pollard, E. (1998) Employability: Developing a framework for policy analysis. Department for Education and Employment.

Lacombe, F. (2011). Recursos humanos: Recursos e tendências (2ª ed.). Saraiva.

Lins, M. e Borges-Andrade, J.E. (2014). Expressão de competências de liderança e aprendizagem no trabalho. Estudos de Psicologia (Natal), 19(3), 157-238. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2014000300001

Marinho-Araújo, C. & Almeida, L. (2016). Approach to competences, human development and higher education. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32, 1-9. https://doi.org/10.1590/0102-3772e32ne212

Mason, G, Williams, G. e Cranmer, S. (2006). Employability skills initiatives in higher education: What effects do they have on graduate labour market outcomes? National Institute of Economic and Social Research.

McCowan, T. (2015). Should universities promote employability? Theory and Research in Education, 13(3), 267-285. http://doi.org/10.1177/1477878515598060

OECD (2018), Education at a Glance 2018: OECD Indicators. OECD. Publishing. http://dx.doi.org/10.1787/eag-2018-en

Pantoja, M. J. e Borges-Andrade, J. E. (2009). Estratégias de aprendizagem no trabalho em diferentes ocupações profissionais. RAC-Eletrônica, 3(1), 41- 62. Disponivel em: http://www.anpad.org.br/periodicos/arq_pdf/a_833.pdf

Paulos, L., Valadas, S.T., & Almeida, L.S. (2018). Transição de diplomados do ensino superior para o mercado de trabalho: desafios e oportunidades na educação e no acesso ao emprego. In A. Fragoso & S. T. Valadas (Eds.), Estudantes Não-Tradicionais no Ensino Superior (pp.209-229). Centro de Inovação e Estudo da Pedagogia no Ensino Superior (CINEP).

Rasul, M., Rauf, R., Mansor, A., Yasin, R. e Mahamod, Z. (Eds.) (2012, September 18-19). Importance of employability skills for technical and vocational students. [Conference presentation]? The 3rd International Conference on Learner Diversity, Universiti Kebangsaan Malaysia.

Rizzetti-Coradini, J. e Taschetto-Murini, L. (2009). Recrutamento e seleção de pessoal: Como agregar talentos à empresa. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências Sociais Aplicadas, 5(1), 55-78. https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumSA/article/view/1494

Schultz, T.W. (1961). Investment in Human Capital. The American Economic Review, 51(1), 1-17. http://www.jstor.org/stable/1818907

Sin, C. e Amaral, A. (2017). Academics’ and employers’ perceptions about responsibilities for employability and their initiatives towards its development. Higher Education, 73, 97-111. https://doi.org/10.1007/s10734-016-0007-y

Stiwne, E. & Jungert, T. (2010). Engineering student’s experiences of transition from study to work. Journal of Education and Work, 23, 417-437. https://doi.org/10.1080/13639080.2010.515967

Tomlinson, M. (2017). Forms of graduate capital and their relationship to graduate employability. Education + Training, 59(4), 338-352. https://doi.org/10.1108/ET-05-2016-0090

Valadas, S. T., Paulos, L., & Revers, S. (2018). A transição de estudantes não-tradicionais para o mercado de trabalho: Género, idade, experiência e insegurança. In A. Fragoso & S. Valadas (Eds.), Estudantes Não-Tradicionais no Ensino Superior (pp.275-296). Centro de Inovação e Estudo da Pedagogia no Ensino Superior (CINEP).

Van der Heijde, C. M. e Van der Heijden, B. I. J. M. (2006). A competence-based and multi- dimensional operationalization and measurement of employability. Human Resource Management, 45, 449-476. https://doi.org/10.1002/hrm.20119

Vieira, D. A. (2018). Determinantes e Significados do Ingresso dos Jovens no Ensino Superior: Vozes de Estudantes e de Profissionais do Contexto Educativo. Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Vieira, D. A. e Marques, A.P. (2014). Preparados para trabalhar? Um Estudo com Diplomados do Ensino Superior e Empregadores. Fórum Estudante / Consórcio Maior Empregabilidade. http://hdl.handle.net/1822/49890

Yorke, M. (2004). Employability in higher education: what it is - what it is not. Learning and Employability Series. The Higher Education Academy. Disponivel em: https://www.researchgate.net/publication/225083582_Employability_in_Higher_Education_What_It_Is_What_It_Is_Not

Artículos más leídos del mismo autor/a(s)