Contenido principal del artículo

Tânia Alexandra Ferreira Carneiro Castelo Baptista
FFCS/ Universidade Católica de Braga
Portugal
http://orcid.org/0000-0002-3496-6423
Biografía
Filomena Ermida da Ponte
FFCS/ Universidade Católica de Braga
Portugal
Biografía
Vol. Extr., núm. 11 (2017) - XIV CIG-PP, XIV Congreso Psicopedagogía. Área 11: NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES, páginas 284-289
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.11.3035
Enviado: sep 15, 2017 Aceptado: dic 13, 2017 Publicado: dic 17, 2017
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

A epilepsia é um distúrbio crónico caracterizado pela presença de crises recorrentes, resultantes de descarga excessiva dos neurónios. Salienta-se a dialética entre epilepsia, família e a escola, partindo do estudo comparativo de cinco casos. Os resultados indicam que as crianças/adolescentes epiléticos denotam predisposição para problemas nas tarefas de aprendizagem e insucesso escolar; autonomia/ajuste satisfatório nas rotinas diárias; limitações nas relações sociais. O envolvimento parental assume total importância. Existe antagonismo: os pais revelam preocupação e procuram assegurar a toma da medicação; mas, desvalorizam a prevenção da ocorrência das crises. A Escola responsabiliza-se por estruturar, implementar e avaliar as respostas educativas.

Detalles del artículo

Referencias

Campfield, C., Breau, L., & Campfield, P. (2001). Impact of pediatric epilepsy on the family. Epilepsia, pp. 104-112.

Carmo, H., & Fernandes, M. M. (2008). Metodologia da Investigação. Guia para a autoaprendizagem. Lisboa: Universidade Aberta.

Chugani, H. T., & al., e. (1990). Infantil spasms: 1. PET identifies focal cortical. Ann Neurol , pp. 406-413.

Correia, L. d., & Serrano, A. M. (2008). Envolvimento Parental na educação do aluno com necessidades educativas especiais. In L. d. Correia, Inclusão e Necessidades Educativas Especiais: Um guia para educadores e professores. Porto: Porto Editora, pp. 155-164.

Coutinho, C. P. (2011). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. Coimbra: Almedina.

Howell, D. C. (2010). Statistical Methods for Psychoology. Belmont: Wadsword.

Kutscher, M. L. (2011). Compreender a Epilepsia - Um guia para Pais, Professores e Outros Profissionais. Porto: Porto Editora.

Long, C. G., & Moore, J. R. (1979). Parental expectations for their epileptic children. J. Child Psychol Psychiatric , pp. 299-312.

McWilliam, R. A. (2003). RBI report form. Nashville, TN: Vanderbilt University Medical Center.

Miziara, C. S., Miziara, I. D., & Muñoz, D. R. (2011). Epilepsy and work: when the epilepsy should be considered incapacitating? Saúde, Ética & Justiça, pp. 103-110.

Scott, S., & McWilliam, R. A. (2000). Scale for assessment of family enjoyment within routines (SAFER). University of North Carolina at Chapel Hill: FPG Child Development Institute.

Sillampaa, M., & Cross, J. H. (2009). The psychosocial impact of epilepsy in childhood. Epilepsy & Behavior , pp. 5–10.

Souza, E., Nista, C., Scotoni, A. E., & Guerreiro, M. M. (1998). Sentimentos e reações de pais de crianças epilépticas. Arq Neuro-Psiquiatr , pp. 39-44.

Tsuchie, S. Y. (2006). What about us? Siblings of children with epilepsy. Seizure, pp. 610–614.

Vala, J. (2009). A Análise de Conteúdo. In A. S. Silva, & J. M. Pinto, Metodologia Das cIências Sociais. Edições Afrontamento, pp. 101-128.

Zanini, R., Cruz, R., & Zavareze, T. (2011). A Perceção dos Professores do Ensino Fundamental sobre a Criança com Epilepsia na Escola em Santa Catarina. Jounal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology , pp. 33-40.

Zanni, K. P., Matsukura, T. S., & Filho, H. d. (2009). Investigando a frequência escolar de crianças com epilepsia. Revista "Educação Especial" , pp. 391-408.

http://epilepsia.lvengine.net/Imgs/crises-e-seguranca.pdf Crises Epilépticas e Segurança Autor: Liga Portuguesa Contra a Epilepsia (publicação sobre normas de segurança na prevenção e ocorrência de crises epiléticas) acedido em outubro de 2013.