Contenido principal del artículo

Carla Silva
Psicóloga
Portugal
Alice Inácio
Agrupamento de Escolas Engenheiro Duarte Pacheco
Portugal
Luísa Carreira
Agrupamento de Escolas Engenheiro Duarte Pacheco
Portugal
Sandra Correia
Agrupamento de Escolas Engenheiro Duarte Pacheco
Portugal
Vol. Extr., núm. 11 (2017) - XIV CIG-PP, XIV Congreso Psicopedagogía. Área 11: NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES, páginas 229-234
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.11.2835
Enviado: jul 17, 2017 Aceptado: dic 13, 2017 Publicado: dic 17, 2017
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

La dislexia es una perturbación específica de aprendizaje que se traduce en imprecisiones en la lectura de palabras, ritmo lento y baja fluencia lectora. Los individuos disléxicos revelan, concomitantemente, dificultades en la expresión escrita, en particular en la ortografía, la sintaxis, la acentuación y la puntuación, así como una caligrafía confusa y poco organizada. El presente artículo, basado en un estudio de caso, aborda el portafolio y la escritura creativa como estrategias que apuntan a mejorar las competencias de lectura y escritura de un alumno disléxico del 9.º año de escolaridad, con un bajo autoconcepto académico, cuyo desempeño escolar era inferior a sus reales potencialidades cognitivas.

 

Detalles del artículo

Referencias

Bilimória, H., Almeida, L., & Simões, F. (2007). Auto-conceito, auto-regulação da aprendizagem e rendimento escolar: Análise das suas relações. Psicologia e Educação, 6(2), 45-59.

Correia, L. M. (2008). A Escola contemporânea e a inclusão de alunos com Necessidades Educativas Especiais. Considerações para uma educação de sucesso. Porto: Porto Editora.

Dal, M. (2008). Dyslexia and Foreign Language Learning. The Sage Handbook of Dyslexia. London: Sage Publications.

Duarte, J. (2008). Estudos de caso em educação. Investigação em profundidade com recursos reduzidos e outro modo de generalização. Revista Lusófona de Educação, (11), 113-132.

Graça, M. (2014). A escrita criativa como metodologia para a construção do texto poético (Relatório final de Prática de Ensino Supervisionada). Universidade do Algarve.

Faria, L., & Fontaine, A. (1992). Estudo de adaptação do Self Description Questionnaire III (SDQ III) a estudantes universitários portugueses. Psychologica, (8), 41-49.

Frade, C. M. (2011). Ensino Colaborativo: clima de partilha (Tese de Mestrado). Universidade Católica Portuguesa, Centro Regional de Braga, Faculdade de Ciências Sociais.

Gonçalves, C. L. (2013). O Aluno e a Transição: Relação entre auto-conceito e atitudes face à escola (Dissertação de Mestrado). Universidade da Madeira, Funchal.

Mancelos, J. de (2007). Um Pórtico para a Escrita Criativa. Pontes & Vírgulas: Revista Municipal de Cultura, 2(5), 14-15.

Meirinhos, M., & Osório, A. (2010). O estudo de caso como estratégia de investigação em educação. EDUSER: revista de educação. Inovação, Investigação em Educação, 2(2), 49-65.

Pipa, J., & Peixoto, F. (2011). Adaptação da Escala de Autoconceito Artístico para Estudantes do Ensino Secundário (pp. 668-678). ISPA – Instituto Universitário/U.I.P.C.D.E.

Sabariego, M., Massot, I., & Dorio, I. (2014). Métodos de Investigación Cualitativa. In R. Bisquerra (Coord.), Metodología de La Investigación Educativa (4.ª ed.) (pp. 293-328). Madrid: Editorial La Muralla.

Shaywitz, S. (2008). Vencer a dislexia. Como dar resposta às perturbações da leitura em qualquer fase da vida (Colecção Referência). Porto: Porto Editora.

Stake, R. (2009). A Arte de Investigação com Estudos de Caso. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Teles, P. (2004). Dislexia: Como identificar? Como intervir? Revista Portuguesa de Clínica Geral, 1-23.

Valadares, J, & Graça, M. (1998). Avaliando... para melhorar a aprendizagem. Amadora: Plátano Universitária.

Yin, R. (2015). Estudo de Caso. Planejamento e Métodos (5.ª ed.). Porto Alegre: Bookman Editora.