Contenido principal del artículo

Helena Ribeiro
Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa
Portugal
Cristina Espadinha
Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa
Portugal
Vol. Extr., núm. 11 (2017) - XIV CIG-PP, XIV Congreso Psicopedagogía. Área 11: NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES, páginas 035-040
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.11.2294
Enviado: jul 11, 2017 Aceptado: dic 13, 2017 Publicado: dic 17, 2017
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

O objetivo do presente artigo consiste em analisar o PANC enquanto promotor da inclusão de 17 alunos com NEE nas turmas de ensino regular, com idades compreendidas entre os 7 e os 15 anos de idade (8.82±1.91), de ambos os géneros. Os resultados obtidos através da aplicação de questionários aos professores (n=17) e colegas de turma (n=293), revelam diferenças significativas de respostas no género e no tipo de problemas dos alunos com NEE (sensoriais, motores, cognitivos, sociais e de comunicação), evidenciando-se um impacto positivo na inclusão. São ainda apresentadas algumas recomendações para a investigação e prática futuras. 

Detalles del artículo

Referencias

Biasoli, M. e Machado, C. (2006). Hidroterapia: aplicabilidades clínicas. Revista Brasileira Médica, 63(5), 225-237.

Block, M.E. e Krebs, P.L. (1992). An alternative to least restrictive environments: A continuum of support to regular physical education.

Adapted Physical Activity Quarterly, 9(2), 97-113.

Câmara Municipal de Lisboa. (2015). Programa de Apoio à Natação Curricular nas Escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico. CML | DAFD | DEL.

Candeloro, J. e Caromano, F. (2007). Efeito de um programa e Hidroterapia na flexibilidade e na força muscular de idosas. Revista Brasileira de Fisioterapia, 11(4), 303-309.

Carter, M.J., Dolan, M.A. e LeConey, S.P. (1994). Designing Instructional Swim Programs for Individuals with Disabilities Illinois: American Association for Leisure and Recreation

DePauw, K.P. e Doll-Tepper, G. (2000). Toward progressive inclusion and acceptance: Myth or reality? The inclusion debate and bandwagon discourse. Adapted Physical Activity Quarterly, 17(2), 135-143.

Filho, P. (2003). A psicomotricidade relacional em meio aquático. Brasil: Editora Manole.

Freitas, M. e Silva, J. (2008). Adaptação ao Meio Aquático: Uma Proposta Pedagógico-Terapêutica. Revista Diversidades, 28, 13-15.

Gal, E., Schreur, N. e Engel-Yeger, B. (2010). Inclusion of Children with Disabilities: Teachers' Attitudes and Requirements for Environmental Accommodations. International Journal of Special Education, 25(2), 89-99.

Huettig, C., Auxter, D. e Pyfer, J. (2005). Gross Motor Activities for Young Children with Special Needs: A Supplement To: Auxter/Pfyer/Huettig, Principles and Methods of Adapted Physical Education and Recreation Tenth Edition: McGraw-Hill.

Lepore, M., Gayle, G.W. e Stevens, S. (2007). Adapted Aquatics Programming - A Professional Guide (Second Edition ed.). USA: Human Kinetics.

Lieberman, L.J., James, A.R. e Ludwa, N. (2004). The impact of inclusion in general physical education for all students. Journal of Physical Education, Recreation & Dance, 75(5), 37-41.

Lima, S.R. e Almeida, M.A. (2008). Iniciação à aprendizagem da natação e a coordenação corporal de uma criança deficiente visual. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 29(2), 57-78.

Martins, R. (2001). Questões sobre a identidade da psicomotricidade: As práticas entre o instrumental e o relacional. Progressos em psicomotricidade, 29.

Matias, A.R. (2010). Psicomotricidade no Meio Aquático na Primeira Infância (António Nascimento Ed.). Venda do Pinheiro: Tuttirév Editorial.

Pedersen, S.J., Cooley, P.D. e Rottier, C.R. (2014). Physical Educators’ Efficacy in Utilising Paraprofessionals in an Inclusive Setting. Australian Journal of Teacher Education, 39(10), 1.

Pessoa, P., Yázigi, F. e Gama, R. (2016). Desporto Com Sentido - Natação. Seixal: APCAS - Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal.

Piletic, C., Davis, R. e Aschemeier, A. (2005). Paraeducators in physical education. Journal of Physical Education, Recreation & Dance, 76(5), 47-55.

Potel, C. (2014). Le corps et l'eau - Une méditation en psychomotricité. Toulouse: Éditions érès.

Qi, J. e Ha, A.S. (2012). Inclusion in Physical Education: A review of literature. International Journal of Disability, Development and Education, 59(3), 257-281.

Sarmento, P. (2001). A experiência motora no meio aquático. Algés: Omniserviços, Representações e Serviços, Lda.

Varela, A., Duarte, A., Sereno, A., Dias, A. e Pereira, B. (2000). Intervenção terapêutica em meio aquático para populações especiais. Lisboa: Associação Portuguesa dos Técnicos de Natação.

Vieira, J., Batista, M. e Lapierre, A. (2005). Psicomotricidade relacional: A teoria de uma prática (2.ª edição). Curtiba: Filosofar.