Contenido principal del artículo

Janair Moreira Linden
Universidade do Minho - Portugal
Alemania
Biografía
Ana Maria Serrano
Instituto de Educação, Universidade do Minho - Portugal
Portugal
Margarita Cañadas
Dep. de Psicologia e Ciências da Educação, Universidad Católica de Valencia - Espanha
Vol. Extr., núm. 11 (2017) - XIV CIG-PP, XIV Congreso Psicopedagogía. Área 11: NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES, páginas 025-029
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.11.2242
Enviado: jul 7, 2017 Aceptado: dic 13, 2017 Publicado: dic 17, 2017
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

Considerando as práticas recomendadas em Intervenção Precoce, as quais defendem modelos centrados na família, Dempsey & Dunst (2004); Dunst (2017); Dunst & Espe-Sherwindt (2016); Espe-Sherwindt & Serrano (2016), durante as etapas do desenvolvimento infantil, a autora busca conhecer as abordagens adotadas por profissionais da IP, que contemplem ações sistemáticas no acolhimento e planejamento individualizado das famílias refugiadas residentes na Alemanha.

Para isso serão realizadas entrevistas com profissionais que tenham uma relação direta com essas famílias, assim como o relato das próprias famílias assistidas, a fim de identificarmos as dificuldades e as alternativas encontradas tantos por profissionais quanto pelas famílias. 

Detalles del artículo

Referencias

Almeida, I. C., Carvalho, L., Ferreira. V., Grande, C., Lopes. S., Pinto, A.I., Portugal, G., Santos, P., Serrano, A.M. (2011). Práticas de intervenção precoce baseadas nas rotinas: Um projeto de formação e investigação. Análise Psicológica. Scielo Portugal, 29, (1), 83-98.

Disponível: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000100006

Almeida, S.C. (2007). Estudos sobre a intervenção precoce em Portugal: ideias dos especialistas, dos profissionais e das famílias. (Tese de doutoramento). Universidade do Porto, Portugal.

Bailey, D., Scarborough, A., Hebbeler. K., Spiker, D., Mallik, S. (2004). Family Outcomes at the end of Early Intervention.

Disponível em: https://www.sri.com/sites/default/files/publications/family_outcomes_report_011405_ls.pdf

Brandão, M.T., Craveirinha, F. P. (2011). Redes de apoio social em famílias refugiadas, acompanhadas no âmbito da intervenção precoce: Um estudo exploratório. Análise Psicológica. Scielo Portugal, v. 29, (1), 27- 45.

Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312011000100003&lng=pt&nrm=iso

Cañadas, M. (2013). La Participacíon de las famílias em los servicios de atención temprana en la comunidade valenciana. (Tese de doutoramento não publicada). Universidade Católica de Valencia San Vicente, Espanha.

Carvalho, L., Almeida.C., Felgueiras. I., Leitão. S., Boavida. J., Santos. C.P., Serrano,A., Brito, T., Lança. C., Pimentel. S.A., Pinto. I.A., Brandão. T., Franco.V., (2016). Práticas Recomendadas em Intervenção Precoce na Infância. Ed. Associação Nacional de Intervenção Precoce-Coimbra.

Coutinho, M.T.B. (2004). Apoio á família e formação parental. Análise Psicológica. 1 (XXII): 55-64.

Disponível em: www.scielo.mec.pt

Coutinho, P. (2015). Metodologia de investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. (2ºed.). Coimbra: Almedina.

Coutinho, P. (2015). Metodologia de investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. (p. 218). Coimbra: Almedina.

Coutinho, P. (2015). Metodologia de investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. (p. 331). Coimbra: Almedina.

Dempsey, I., & Dunst, C.J. (2004). Helpgiving styles and parent empowerment in families with a young child with a disability. Journal of Intellectual and Developmental Disabilities, 29(1), 40-51.

Dunst, C., Johanson. C., Trivette C.M., & Hamby.D. (1991). Family-oriented early intervention policies and practices: Family-centered or not? US National Library of Medicine National Institutes of Health. 58 (2): 115-26.

Dunst, C. (2002). Family-Centered Practices: Birth Through High School

The Journal of Special Education. vol. 36, Nº. 3, pp. 139-147.

Dunst, C. & Trivette C.M. (2009). Capacity-Building Family-Systems Intervention Practices. Journal of Family Social Work. 12 (2): 119-143

Disponível:

http://dx.doi.org/10.1080/10522150802713322

Dunst, C.J., & Espe-Sherwindt, M. (2016). Family-centered practices in early childhood intervention. In S. L. Odom, B. Reichow, E. Barton, & B. Boyd (Eds.), Handbook of early childhood special education (pp. 37-55). New York: Springer.

Dunst, C. J. (2017). Family systems early childhood intervention. In H. Sukkar, C. J. Dunst, & J. Kirkby (Eds.), Early childhood intervention: Working with families of young children with special needs. Abingdon, Oxfordshire: Routledge.

Espe-Sherwindt, M. (2008). Family-centred practice: collaboration, competency and evidence. Journal compilation. Volume 23, Number 3, 137-141.

Espe-Sherwindt, M. & Serrano, A. M. (2016). It takes two: the role of family centered practices in communication intervention. Revista de Logopedia, Foniatría y Audiología, 36, 162-169.

Europen Agency for Development in Special Needs Education. (2005-2010). Intervenção Precoce na Infância - Progressos e Desenvolvimentos.

Disponível: www.european agency.org

Fernandes, A. (2008). Poder no Relacionamento entre Profissionais e Doentes. Pensar Enfermagem. Volume, 12 Nº. 2.

Disponível em: http://www.esec.pt

Harry, B. (2002). Trends and Issues in Serving Culturally Diverse Families of Children with Disabilities. The Journal of special education vol. 36, Nº. 3, pp. 131-138.

Leal, L. (2008). Enfoque centrado em la Familia: Un enfoque de la discapacidade intelectual centrado em la família. Confederacíon Espanhola de Organizaciones em favor de las Personas com Discapacidad Intelectual, Espanha.

Disponível: www.esec.pt/pagina/cdi/ficheiros/docs/APA_6th.pdf

McWilliam. R.A. (2012). Trabalhar com as Famílias de crianças com necessidades especiais. Porto: editora Porto.

McWillian.R.A. (2012). Trabalhar com Famílias de crianças com necessidades especiais. (p.166). Porto: Portugal, editora Porto.

Ministerio de Trabajo y Asuntos Sociales. (2005). Federación Estatal de Asociaciones de Profesionales de Atención Temprana (GAT) (2005). Libro Blanco de La atención Temprana.

Pereira, A.P., Serrano, A. (2010). Intervenção precoce em Portugal: Evidencias e Consequências. Inclusão, Nº.10, 101-120.