Contenido principal del artículo

Filomeno Afonso Correia Tavares
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas & Artes-Universidade de Cabo Verde
Cabo Verde
http://orcid.org/0000-0002-3347-5913
Ana Paula Loução Martins
Universidade do Minho, Instituto de Educação
Portugal
Vol. Extr., núm. 11 (2017) - XIV CIG-PP, XIV Congreso Psicopedagogía. Área 11: NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES, páginas 020-024
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.11.2221
Enviado: jul 1, 2017 Aceptado: dic 13, 2017 Publicado: dic 17, 2017
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

As determinações da LBSE exigem das escolas respostas adequadas. Assim, pretendemos apresentar os resultados de uma investigação sobre as atitudes em relação à inclusão das crianças com NEE em Cabo Verde. A amostra foi de 105 finalistas da Uni-CV e os dados foram recolhidos por questionário. Concluímos que: a) existe uma atitude positiva dos futuros professores; b) existe uma tendência para turmas numerosas; c) as crianças com NEE são incluídas nas turmas do ensino regular; d) quanto aos materiais específicos/equipamentos especializados as condições não são ainda as melhores; e) a maioria gostou de estagiar numa turma com alunos com NEE.

Detalles del artículo

Referencias

Baar, R. (2016). Atitudes of German student teachers on inclusion. Journal of Research in Special Educational Needs, 16(1), 225–228.

Brandão, M.T. (2007). Inclusão de crianças com necessidades educativas especiais (NEE) na creche e jardim infantil: Elementos de sucesso. In D. Rodrigues & M.B. Magalhães (Orgs.), Aprender juntos para aprender melhor (pp.77-106). Lisboa: FMH.

Correia, L.M. (2008). A escola contemporânea e a inclusão de alunos com NEE: Considerações para uma educação de sucesso. Porto: Porto Editora.

Correia, L.M. (1999). Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares. Porto: Porto Editora.

Decreto-Legislativo n.º 2/2010, de 07 de maio. Boletim Oficial n.º 17, I Série – Revê as Bases do Sistema Educativo, aprovados pela Lei n.º 103/III/90, de 29 de dezembro, na redação dada pela Lei n.º 113/V/99, de 18 de outubro.

Ferreira, A.R. (2012). As atitudes dos professores do 1º ciclo do ensino básico relativamente à inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino regular (Dissertação de Mestrado, Escola Superior de Educação João de Deus, Lisboa, Portugal).

Freitas, S.N. (2006). A formação de professores na educação inclusiva: Construindo a base de todo o processo. In D. Rodrigues (Org.), Inclusão e educação: Doze olhares sobre a educação inclusiva (pp. 161-181). São Paulo: Summus.

Handicap International. (2012). Boas práticas em educação inclusiva de crianças com deficiência em Cabo Verde: Relatório de estudo. Praia: Autor.

Instituto Nacional de Estatística (INE). (2010). IVº Recenseamento geral da população e habitação – Censo 2010. Praia: Autor.

Leite, T.S. (2011). Currículo e necessidades educativas especiais. Recuperado de http://repositorio.ipl.pt/bitstream/10400.21/2724/1/Curr%C3%ADculo%20e%20Necessidades.pdf

Lidio, V.M., & Camargo, M.A.B. (2008). A perceção do docente na inclusão de alunos com necessidades especiais no ensino superior. Rev. Triang.: Ens. Pesq. Ext. Uberaba, 1(1), 4-19.

Mantoan. M.T.E. (2015). Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? (2ª Edição). São Paulo: Summus.

Mantoan, M.T.E. (Org.). (2014). A escola e suas transform(ações), a partir da educação especial, na perspetiva inclusiva. São Paulo: Librum Editora.

Martins, A.P.L. (2012). A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais na escola regular: A filosofia e os elementos para o sucesso. In F.A.T. Costas (Org.), Educação, educação especial e inclusão: Fundamentos, contextos e práticas (pp. 39-51). Curitiba: Appris.

Martins, A.P., & Sirithadakunlaphat, S. (2015). Educação inclusiva na Tailândia: Perspetivas de futuros professores. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, Extr.(11), A11-060-A11-063.

Ministério da Educação e Desporto. (2015). Orientações do ano letivo. Praia: Autor.

Ministério da Educação e Desporto. (2012). Principais resultados do censo escolar ensino básico-Educa Censo 2012. Praia: Autor.

Morgado, J. (2011). Qualidade e educação inclusiva. In D. Rodrigues (Org.), Educação Inclusiva: Dos conceitos às práticas de formação (pp. 109-124). Lisboa: Instituto Piaget.

Morgado, J. (2010). Educação inclusiva – é preciso insistir. Educação Inclusiva, 1(2), 24-25.

Omote, S., Oliveira, A.A.S., Baleotti, L.R., & Martins, S.E.S.O. (2005). Mudanças de atitudes sociais em relação à inclusão. Paidéia, 15(32), 387-396.

Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura. (1994). Necessidades educativas especiais. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Pinto, A.A., & Pereira, P.A. (2012). Inclusão e inovação: As atitudes dos professores do ensino regular no quadro da educação inclusiva. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, 12, 177-218.

Rodrigues, D. (2013). Equidade e educação inclusiva. Porto: Profedições.

Rodrigues, D. (2007b). Desenvolver a educação inclusiva: Dimensões do desenvolvimento profissional. In D. Rodrigues. (Org.), Investigação em educação inclusiva (Volume 2) (pp. 11-22). Lisboa: Faculdade de Motricidade Humana.

Rodrigues, D. (2007a). A “sopa de pedra” e a educação inclusiva. In D. Rodrigues, & M. B. Magalhães (Orgs.), Aprender juntos para aprender melhor (pp. 9-15). Lisboa: FMH.

Rodrigues, D., & Lima-Rodrigues, L. (2011). Formação de professores e inclusão: Como se reformam os reformadores? In D. Rodrigues (Org.), Educação Inclusiva: Dos conceitos às práticas de formação (pp. 89-108). Lisboa: Instituto Piaget.

Sampaio, C., & Morgado, J. (2014). As atitudes dos professores do primeiro ciclo do ensino básico face à inclusão de alunos com necessidades educativas especiais. Interações, 33, 163-188.

Tavares, F.A.C. (2009). Percurso escolar das pessoas cegas da cidade da Praia (Dissertação de Mestrado, Departamento de Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Cabo Verde, Praia, Cabo Verde /Escola Superior de Educação de Lisboa-IPL, Lisboa, Portugal).

Tavares, F.A.C., & Martins, A.P.L. (2016). Atitude de universitários face à inclusão. Journal of Research in Special Educational, 16(1), 207-210.

Tavares, F., & Nunes, C. (2014). The inclusion of blind students in primary schools in Praia: Teachers' opinion. In S.O´Rouke, A.P.L.Martins, T.P.Gumpel, A.Cruz-Santos, A.P.S.Pereira, A.M.Serrano, & H.J.Rodríguez-Hernández (Eds.), Atas Proceedings of Braga 2014 Embracing Inclusive Approaches for Children and Youth with Special Education Needs Conference (pp. 736-740). Braga: Research Center on Education (CIEd)/Institute of Education, University of Minho, Portugal.