Contenido principal del artículo

Gerda Holanda
Brasil
Marcelino Pereira
Universidade de Coimbra
Portugal
https://orcid.org/0000-0002-1468-2124
Vol. 8 Núm. 1 (2021), Artículos, páginas 111-126
DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2021.8.1.7762
Enviado: mar 18, 2021 Aceptado: jun 6, 2021 Publicado: jul 1, 2021
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

A inclusão de jovens e adultos com deficiência no sistema de educação pública do Brasil e a garantia de acesso a uma educação de qualidade e oportunidades para desenvolver suas habilidades é um desafio permanente. O objetivo deste estudo é compreender o processo de inclusão de jovens e adultos com deficiência na escola regular noturna do Ceará, a partir da análise de documentos que tratam da temática. A investigação constitue a primeira etapa ao macroprojeto de pesquisa intitulado Inclusão escolar de jovens e adultos com deficiência: experiências e possibilidades de participação plena na escola pública brasileira. O método de investigação baseia-se na pesquisa documental de fontes primárias, numa abordagem qualitativa, com foco nas políticas públicas que regem o processo de inclusão desses jovens. Os resultados evidenciam que a inclusão educacional envolve muito mais que a garantia de os alunos com deficiência estarem nas salas de aula regulares, pois a inclusão de jovens e adultos com deficiência implica uma ação conjunta que possibilite a construção de novos patamares educacionais. Indicam, também, que as políticas de inclusão do Estado vêm seguindo as diretrizes propostas na política nacional, em que a educação destas pessoas é um importante veículo de consolidação.

Detalles del artículo

Referencias

AINSCOW, Mel; MILES, Susie (2016). Education for all. Ainscow, M. Struggles for Equity in Education London: Routlegde

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5 (tradução: M. I. C. Nascimento.). Porto Alegre, Artmed. [Versão original: 2013, Autor. https://doi.org/10.1176/appi.books.9780890425596]

BARDIN, Laurence (2016). Análise de conteúdo (L. A. Reto e A. Pinheiro, Trads.) (3a reimp. da 1a ed.). Lisboa: Edições 70.

BRASIL (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao compilado.htm

BRASIL (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm

BRASIL (2000). Resolução nº 363, de 11 de outubro de 2000. Dispõe sobre a educação de jovens e adultos. https://www.cee.ce.gov.br/legislacao/resolucoes/resolucoes-do-conselho-estadual/resolucoes-da-camara-de-educacao-basica/

BRASIL (2001). Decreto nº 3.956, de 8 de outubro de 2001. Promulga a Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas Portadoras de Deficiência. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2001/d3956.htm

BRASIL (2001). Resolução nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=13201:resolucao-ceb-2001&catid=323:orgaos-vinculados

BRASIL (2009). Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na educação básica. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=13684:resolucoes-ceb-2009&catid=323:orgaos-vinculados

BRASIL (2012). Resolução nº 436, de 29 de fevereiro de 2012. Fixa normas para a educação especial e para o atendimento educacional especializado. https://www.cee.ce.gov.br/legislacao/resolucoes/resolucoes-do-conselho-estadual/resolucoes-da-camara-de-educacao-basica/

BRASIL (2012). Resolução nº 438, de 25 de abril de 2012. Dispõe sobre a educação de jovens e adultos. https://www.cee.ce.gov.br/legislacao/resolucoes/resolucoes-do-conselho-estadual/resolucoes-da-camara-de-educacao-basica/

BRASIL (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2014/lei-13005-25-junho-2014-778970-publicacaooriginal-144468-pl.html

BRASIL (2016). Resolução nº 456, de 1º de junho de 2016. Fixa normas para a educação especial e para o atendimento educacional especializado. https://www.cee.ce.gov.br/legislacao/resolucoes/resolucoes-do-conselho-estadual/resolucoes-da-camara-de-educacao-basica/

BRASIL (2020a). Censo da Educação Básica 2019: Resumo Técnico. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Disponível em: http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/6874720

BRASIL (2020b). Resumo Técnico: Censo da Educação Básica Estadual 2019 [recurso eletrônico]. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/centrais-de-conteudo/acervo-linha-editorial/publicacoes-institucionais/estatisticas-e-indicadores-educacionais/resumo-tecnico-do-estado-do-ceara-2013-censo-da-educacao-basica-2019

CALADO, Silvia dos Santos; FERREIRA, Silvia Cristina (2004). Análise de documentos: método de recolha e análise de dados. Metodologia da Investigação I – 2004/2005, 1-13.

CELLARD, André (2008). A análise documental. In J. Poupart et al., A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos (A.C. Nasser, Trad.) (pp. 295-316). Petrópolis: Vozes.

DUARTE, Francisca da Conceição; PAIXÃO, Maria Paula; SILVA, José Tomás da (2020). Diferenças na adaptabilidade da carreira em dois momentos do ensino secundário. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, 7(2), 115-126. https://doi.org/10.17979/reipe.2020.7.2.6420

GONÇALVES, Taísa Graziela G. L.; BUENO, José Geraldo S.; MELETTI, Silvia Marcia F (2013). Matrículas de alunos com deficiência na EJA: uma análise dos indicadores educacionais brasileiros. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 29, 407-427. https://doi.org/10.21573/vol29n32013.47212

MANTOAN, Maria Teresa E (2015). Inclusão escolar - O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Summus Editorial.

MANTOAN, Maria Teresa E.; SANTOS, Maria Terezinha C. T. S (2010). O atendimento educacional especializado: políticas e gestão nos municípios. São Paulo: Moderna.

OMOTE, Sadao (2004). Estigma no tempo da inclusão. Revista Brasileira de Educação Especial, 10(3), 287-308. Marília: Fundepe Editora.

ORRÚ, Silvia Ester (2017). O re-inventar da inclusão: os desafios da diferença no processo de ensinar e aprender. Petrópolis: Vozes.

PLETSCH, Marcia Denise (2014). Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual (2a ed.). Rio de Janeiro: Nau Editora.

RINALDI, Renata. P.; REALI, Aline Maria M. R.; COSTA, Maria Piedade R (2007). Educação especial e formação de professores: onde estamos... para onde vamos? Horizontes 25(1), 87-98.

ROHLING, Marcos; VALLE, Ione R (2016). Princípios de justiça e justiça escolar: a educação multicultural e a equidade. Cadernos de Pesquisa, 46(160), 386-409. https://doi.org/10.1590/198053143287

Secretaria de Educação Fundamental – SEF (1997). Introdução aos parâmetros curriculares nacionais - livro 1. Brasília: Autor.

SIEMS, Maria Edith R (2011). Educação de jovens e adultos com deficiência: saberes e caminhos em construção. Educação em Foco, 16, 61-80.

SILVA, Lidiane R. C.; DAMASCENO, Ana Daniella; MARTINS, Maria Conceição R.; SOBRAL, Karine M.; FARIAS, Isabel Maria S (2011). Pesquisa documental: caracterização e interface na produção acadêmica em Educação. In S. M. Nº Therrien; I. M. S. Farias; J. B. C. Nunes (Orgs.), Pesquisa científica para iniciantes: caminhando no labirinto, 3 (pp. 55-66). Fortaleza: EdUECE.

VALENTE, Sabina (2019). Influência da inteligência emocional na gestão de conflito na relação professor-aluno(s). Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, 6(2), 101-113. https://doi.org/10.17979/reipe.2019.6.2.5786