Contido principal do artigo

Rodrigo Machado
Universidade de San Paulo
Brasil
Marcos Sorrentino
Universidade de San Paulo
Brasil
https://orcid.org/0000-0003-4394-1655
Vol. 25 Núm. 2 (2018), Marco teórico, páxinas 7-23
DOI https://doi.org/10.17979/ams.2018.25.2.4973
Recibido: Jan 20, 2019 Publicado: Apr 30, 2020
Copyright Como citar

Resumo

O texto trata de expoñer un esforzo inicial de aproximación das proposicións sobre a Ciencia Post-Normal (CPN) ea súa comunidade estendida de pares con algunhas nocións escollidas de xestión de unidades de conservación (UC) en Brasil, sobre todo observando os seus dous principais instrumentos, o plan de manexo eo Consello xestor. Nunha man, a idea de CPN conduce a un entendemento de que o coñecemento científico ea súa validación por unha comunidade de pares estrictamente vinculados á ciencia, por si, non serían suficientes para responder aos retos cada vez máis comúns dunha realidade - sobre todo Socioambiental - inestable, incerta, complexa e por veces incomprendida, demandando así un achegamento e diálogo entre ciencia e política. Noutra man, os plans de manexo son tidos como construcións apoiadas no coñecemento científico articulado, en menor ou maior medida, consciente ou inconscientemente, con tomas de decisións esencialmente políticas, sexa polas circunstancias en que se producen ou aplicados, sexa en razón de contextos históricos , económicos, culturais e socioambientais en que se realizan. O outro instrumento de xestión de UC enfocado, o Consello xestor, emerxe nesta reflexión como espazo potencializado para albergar a ampliación da comunidade de pares na elaboración de plans que recoñecen a complexidade da realidade que rodea a UC. Utilizándose de revisión de bibliografía sobre CNP e apoiándose en aspectos do debate sobre elaboración de plans de manexo e consellos xestores de UC, o traballo busca sinalar puntos de contacto entre as dúas discusións, de cara responder a unha pregunta: que aproximacións iniciais son posibles entre a proposta de CNP e contextos socioambientais especialmente vinculados á xestión de UC?

Descargas

Os datos de descarga non están aínda dispoñibles.

Detalles do artigo

Citas

Abers, Rebecca N.; Keck, Margareth E. (2008). ”Representando a diversidade: Estado, sociedade e‘relações fecundas’ nos conselhos gestores”, Caderno CRH, Salvador, 21(52), páxs. 99-112.

Beck, Ulrich (1998). La sociedade delriesgo: Hacia uma nueva modernidade. Buenos Aires, Editorial Paidós.

Brasil (2000). Lei 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. [Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm>. Acesso em jun 18].

Brasil. Os Planos de manejo. ICMBio. [Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/planos-de-manejo>. Acesso em jun 18].

Carneiro, Carla Bronzo Ladeira (2006). “Conselhos de políticas públicas: desafios para sua institucionalização” en Saravia, Enrique; Ferrarezi, Elisabete. (orgs.). Políticas Públicas: coletânea. Vol. 2. Brasília: ENAP, 2006.

Carrillo, Andrea C. et. al. (2013a). Lições aprendidas sobre planejamento na elaboração de planos de manejo de unidades de conservação: comunidade de ensino e aprendizagem em planejamento de unidades de conservação. Brasília: WWF-Brasil.

Carrillo, Andrea C. et. al. (2013b). Lições aprendidas sobre participação social na elaboração de planos de manejo de unidades de conservação: comunidade de ensino e aprendizagem em planejamento de unidades de conservação. Brasília: WWF-Brasil.

Dagnino, Evelina (2004). “Confluência perversa, deslocamentos de sentido, crise discursiva” en A. Grimson (Org.). La culturaen las crisis latinoamericana, páxs. 195-216. Buenos Aires: Clacso.

Dagnino, Evelina (2004). “¿Sociedade civil, participação e cidadania: de que estamos falando”” en Daniel Mato (coord.). Políticas de ciudadanía y sociedad civil entiempos de globalización, páxs. 95-110. Caracas: FACES, Universidad Central de Venezuela.

Funtowicz, Silvio O; Ravetz, Jerome R. (1992) “Three types of risk assessment and the emergence of post-normal science” en D. Golding e S. Krimsky (orgs.), Social theories of risk, páxs. 251-73. Nova York, Greenwood Press.

Funtowicz, Silvio O; Ravetz, Jerome R. (1997). “Ciência Pós-Normal e comunidade ampliada de pares face aos desafios ambientais”, História, Ciências, Saúde. Vol. IV (2).

Funtowicz, Silvio O; Ravetz, Jerome R. (2003). “Post-Normal Science”, Internet EncyclopaediaofEcologicalEconomics.

Gohn, Maria da Glória (2000). “O papel dos conselhos gestores na gestão urbana”, en Ana Clara Torres Ribeiro (comp.). Repensando la experiencia urbana de América Latina: cuestiones, conceptos y valores. Buenos Aires:

CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

Gohn, Maria da Glória (2001). Conselhos gestores e participação sociopolítica. São Paulo: Cortez, 2001.

Gohn, Maria da Glória (2002). “Conselhos gestores na política social urbana e participação popular”, Cadernos Metrópole, n. 7, páxs. 9-31.

Gohn, Maria da Glória (2006). “Conselhos gestores e gestão pública”, Ciências Sociais Unisinos, v. 42 (1), páxs. 5-11. [Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa”id=93842101>. Acesso em: fev.2014].

Gomes, Eduardo G. M. (2003). Conselhos Gestores de Políticas Públicas: Democracia, Controle Social e Instituições (Dissertação) São Paulo: Mestrado em Administração Pública e Governo da EAESP/FGV.

Guimarães, Mauro (2000). Educação Ambiental: no consenso um embate” Campinas: Papirus.

IMAP Curitiba. Evelina Dagnino-Tema: Estado Ampliado: Para Além da Democracia Representativa. [Disponível em:<https://www.youtube.com/watch”v=39cEQ3nzBWI>. Acesso em 09 fev. 2018].

Iinformativo CEPAM (2002). Conselhos Municipais das Áreas Sociais. São Paulo: Fundação Prefeito Faria Lima – CEPAM. Unidade de Políticas Públicas, v.1 (3).

Kunh, Thomas (1998). Estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva.

Latour, Bruno (1994). Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Editora 34.

Layrargues, Philippe P. (1999). “A resolução de problemas locais deve ser um tema-gerador ou uma atividade fim da Educação Ambiental I” en Marcos Reigota (org.).Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro: DP&A Editora.

Layrargues, Philippe. P. (org.) (2004). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília: MMA.

Lima, Gustavo Costa Ferreira (2005). Formação e dinâmica do campo da Educação Ambiental no Brasil: emergência, identidades, desafios. Tese (doutorado em Ciências Sociais). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas. Campinas: Unicamp.

Loureiro, Carlos Bernardo F. (2005). “Teoria Crítica” en Luiz Antônio FERRARO Jr. (org.). Encontros e Caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA.

Loureiro, Carlos Frederico Bernardo; Azaziel, Marcus; Franca, Nahyda (2007). Educação ambiental e conselho em unidade de conservação: aspectos teóricos e metodológicos. Rio de Janeiro: IBASE; Instituto Terra Azul, Parque Nacional da Tijuca.

Maretti, Cláudio C.; Raimundo, Sidnei; Sanches, Rosely Alvim; Martuscelli, Paulo; Mendoça, Ana Lucia (1997). “A construção da metodologia dos Planos de Gestão Ambiental para Unidades deConservação em São Paulo” en Anais do Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Vol II. Trabalhos Técnicos. Curitiba: IAP, UNILIVRE, Rede Nacional Pro Unidades de Conservação.

Ministèrio do Meio Ambiente. O plano de manejo. [Disponível em: <http://www.mma.gov.br/areas-protegidas/unidades-de-conservacao/plano-de-manejo>. Acesso em jun 18.]

Morin, Edgar (2007). “El Paradigma de la complexidade” en Francisco Garrido (org.). El paradigma ecológico em las ciências sociales. Barcelona, Icaria Editorial.

Moroni, José Antônio (2012). “Agendas para a participação” en Anna Luiza Salles Souto e Rosangela Dias Oliveira Paz (orgs.), Novas lentes sobre a participação: utopias, agendas e desafios, páxs. 45-76. São Paulo: Instituto Pólis.

Quintas, José S. (2009). “Gestão Ambiental Pública” en Carlos Frederico B. Loureiro, Philippe. P. Layrargues e Ronaldo S. Castro (orgs.), Repensar a educação ambiental: um olhar crítico. Rio de Janeiro: Cortez.

Raynaut, Claude (2011). “Interdisciplinaridade: mundo contemporâneo, complexidade e desafios à produção e à aplicação de conhecimentos” en: Arlindo PHILIPPI e Antonio Silva Neto (Eds.), Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia e Inovação. São Paulo: Manole.

São Paulo (Estado). Planos de Manejo. [Disponível em: <http://fflorestal.sp.gov.br/pagina-inicial/planos-de-manejo/>. Acesso em jun 18].

Sorrentino, Marcos (2002). “De Tbilissi a Thessalonik: a educação ambiental no Brasil” en J.S. Quintas (Org.) Pensando e praticando a educação ambiental no Brasil. Brasília: IBAMA.

Sorrentino Marcos e et. al. (2005). “Educação como Política Pública”, Educação e Pesquisa, v. 31(2), páxs. 285-299.

Sousa Santos, Boaventura (2008). Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez.

Souto, Anna Luiza Salles e Rosangela Dias Oliveira da Paz (orgs.) (2012). Novas lentes sobre a participação: utopias, agendas e desafios. São Paulo: Instituto Pólis.

Szwako, José (2012). “Participar vale a pena, mas...: a democracia participativa brasileira vista pelas lentes da utopia” en Anna Luiza Salles SOUTO e Rosangela Dias Oliveira da PAZ (orgs.), Novas lentes sobre a participação: utopias, agendas e desafios, páxs.13-44. São Paulo: Instituto Pólis.

Vivácqua Melissa e Paulo Freire Vieira (2005). Conflitos Socioambientais em Unidades de Conservação. Política & Sociedade. Florianópolis: UFSC.