Contido principal do artigo

Angelica Cosenza
Universidade federal de Juiz de Fora-UFJF
Brasil
https://orcid.org/0000-0001-5412-5894
Biografía
Celso Sanchez
Universidade Federal do Estado de Rio de Janeiro - UNIRIO.
Brasil
https://orcid.org/0000-0001-5634-023X
Biografía
Fatima Elizabeti Marcomin
UNISUL
Brasil
https://orcid.org/0000-0001-6217-2754
Biografía
Marco Barzano
Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS
Brasil
https://orcid.org/0000-0003-3273-9216
Biografía
Mauro Guimarães
Universidade Federal Rural de Rio de Janeiro - UFRRJ
Brasil
https://orcid.org/0000-0002-4158-313X
Biografía
Michèle Sato
Universidade Federal do Mato Grosso - UFMT
Brasil
https://orcid.org/0000-0001-9834-4642
Biografía
Philippe Layrargues
Universidade de Brasília–UnB
Brasil
https://orcid.org/0000-0002-7684-7334
Biografía
Vol. 27 Núm. 1 (2020), Marco teórico, páxinas 7-19
DOI https://doi.org/10.17979/ams.2020.27.1.6596
Recibido: Jun 15, 2020 Publicado: Jun 30, 2020
Copyright Como citar

Resumo

Este artigo é un ensaio vivido na existencia elocuente nun momento de pandemia. Desde as vagas horas de soidade, o aprazamento da aperta e, á veces, a desesperación de presenciar la ruína planetaria ante o desastre que a propia humanidade creou, crendo que ol capitalismo era a gran solución. Máis alá do mercado, as vidas non teñen prezo, independientemente dqs cores que teñan. E é enorme a contribución da educación ambiental á resignificación dunha nova humanidade.

Descargas

Os datos de descarga non están aínda dispoñibles.

Detalles do artigo

Citas

Arendt, H. (2008). Homens em tempos sombrios. São Paulo: Companhia das Letras.

Bachelard, G. (2008). A poética do espaço. (2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes (Coleção Tópicos).

Bachelard, G. (2013). A terra e os devaneios da vontade: ensaio sobre imaginação de forças. (4ª ed.). São Paulo: WMF Martins Fontes (Coleção biblioteca do pensamento moderno).

Bauman, Z. (2014). Para uma teoria da privacidade e da impenetrabilidade humanas, ou expondo as formas esquivas do mal. En Z. Bauman, & L. Donkis. Cegueira moral: a perda da sensibilidade na modernidade líquida (pp. 20-24). Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Brandão, C. R. (2005). As flores de abril: movimentos sociais e educação ambiental. Campinas, São Paulo: Autores Associados.

Cássio, F. (2019). Apresentação. Desbarbarizar a Educação. En F. Cassio. Educação contra a Barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar (pp. 15-24). (1ª ed.). São Paulo: Boitempo.

Freire, P. (1970). Pedagogia do oprimido. (23ª impressão) (original de 1961). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Jota Quest (2014). Dentro de um abraço [vídeo]. Compositores: PJ/Flausino/Barnes/Martha Medeiros. Intérprete: Rogério Flausino. [Disponível em: https://www.vagalume.com.br/jota-quest/dentro-de-um-abraco.html]

Latour, B. (2020). Imaginar gestos que barrem o retorno da produção pré-crise. Quais as atividades agora suspensas que você gostaria de que não fossem retomadas? En Laboratório de Sensibilidades. [Disponível em: https://laboratoriodesensibilidades.wordpress.com/2020/03/31/bruno-latour-imaginar-gestos-que-barrem-o-retorno-da-produc%cc%a7a%cc%83o-pre-crise-quais-as-atividades-agora-suspensas-que-voce%cc%82-gostaria-de-que-na%cc%83o-fossem-retomadas/]

Layrargues, P. P. (2017). Antiecologismo no Brasil: reflexões ecopolíticas sobre o modelo do desenvolvimentismo-extrativista-predatório e a desregulação ambiental pública. En M. M. D. Oliveira, M. Mendes, C. M. Hansel e S. Damiani (Org.). Cidadania, Meio Ambiente e Sustentabilidade (pp. 325-356). Caxias do Sul: EDUCS.

Lowy, M. (2020, jan./mar.). XIII Teses sobre a catástrofe iminente (ecológica) e as formas (revolucionárias) de evitá-la, Movimento: crítica, teoria e ação / Movimento Esquerda Socialista, ano 5, 1(16), 10-15.

Merleau-Ponty, M. (2012). A prosa do mundo. São Paulo: Cosac Naify.

Merleau-Ponty, M. (2006). A Fenomenologia da Percepção. (3ª ed.). São Paulo: Martins Fontes. (Tópicos).

Merleau-Ponty, M. (2013). O olho e o espírito. São Paulo: Cosac Naify.

Moore, J. (Ed.). (2016). Anthropocene or Capitalocene?. Oakland: PM Press.

Pereira, V. A. (2016). Ecologia Cosmocena: a redefinição do espaço humano no cosmos. Juiz de Fora: Garcia Edizioni.

Rabimov, S. (2020). 20 Fashion brands getting most creative with coronavirus face masks. [Disponível em: https://www.forbes.com/sites/stephanrabimov/2020/04/27/20-fashion-brands-getting-most-creative-with-coronavirus-face-masks/#4295821d7599]

Santos, B. S. (2019). O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do sul. Belo Horizonte: Autêntica.

Sato, M. (2020). Os condenados da pandemia. Cuiabá: GPEA e Ed. Sustentável.

Sato, M., Gauthier, J. e Parigipe, L. (2005). Insurgência do grupo pesquisador na educação ambiental sociopoética. En M. Sato e I. C. Carvalho. Educação Ambiental: pesquisa e desafios (pp. 99-117). Porto Alegre: Artmed.

Seixas, R. e Roberto, C. (1977). O dia em que a Terra parou. [vídeo]. Compositores: Raul Seixas e Cláudio Roberto. Intérprete: Raul Seixas. [Disponível em: https://www.letras.mus.br/blog/o-dia-em-que-a-terra-parou-raul-seixas-analise].

Seixas, R. (1973). Metamorfose Ambulante. [vídeo]. Compositor e intérprete: Raul Seixas. [Disponível em: https://musicasbrasileiras.wordpress.com/2010/06/03/metamorfose-ambulante-raul-seixas/]

Styron, W. (2012). A escolha de Sofia. (3ª ed.). São Paulo: Geração Editorial.

Walsh, C. (2017). Gritos, grietas y siembras de vida: Entretejeres de lo pedagógico y lo decolonial. En C. Walsh. Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir (Tomo II, pp. 17-48). Quit-Equadro: 1era. edición: EdicionesAbya-Yala.