Contido principal do artigo

Verônica Maria da Silva Gomes
Universidade de Brasília-DF
Brasil
Vera Margarida Lessa Catalão
Universidade de Brasília -DF
Brasil
Vol. 2 Núm. 20 (2015), Educación ambiental, saberes tradicionais/alternativos, páxinas 1857-1877
DOI https://doi.org/10.17979/ams.2015.02.020.1703
Recibido: Jun 12, 2016
Copyright Como citar

Resumo

A presente etnopesquisa-ação teve lugar no Ilè Àsè Opó Osogunlade (Ilê Axé Opô Oxogum Ladê), terreiro de candomblé de nação Ketu – localizado no estado de Sergipe, região nordeste do Brasil, liderado pelo Babalaxé Reginaldo Daniel Flores (Ogun Tóòrikpe), sacerdote de Ogum. A pesquisa investigou as possíveis relações entre a cosmovisão africana, suas práticas culturais e os fundamentos e práticas de Educação Ambiental, bem como as formas de produzir e compartilhar conhecimentos no supracitado terreiro. Como estratégia de construção coletiva de conhecimentos, a pesquisa visou possibilitar vivências pedagógicas naquele terreiro por meio de 03 oficinas (oficina-diagnóstico /oficina orixás-natureza /oficina de Educação Ambiental) e 02 entrevistas com sacerdotes representativos da nação ketu no Brasil, que articularam os princípios da Educação Ambiental e os princípios/valores do candomblé de nação ketu. O sujeito pesquisador coletivo optou por um método de intervenção coletiva, permeada pela dimensão afetiva, baseado nos princípios da etnopesquisa-ação e inspirado nas técnicas de tomada de decisão, que associou pesquisadores e atores sociais num procedimento conjunto de transformação de uma dada realidade e de compartilhamento de conhecimentos entre uma tradição cultural (terreiro de candomblé ketu) e os saberes acadêmicos, reafirmando, assim, a importância de um diálogo intercultural de conhecimentos.

Descargas

Os datos de descarga non están aínda dispoñibles.

Detalles do artigo

Citas

BÂ, Amadou Hampaté, A tradição viva. Disponível em http://www.casadasafricas.org.br/wp/wp-content/uploads/2011/08/A-tradicao-viva.pdf , acesso em 25 de março de 2014.

BARROS, José Flávio Pessoa de. O Segredo das Folhas – sistema de classificação de Vegetais no Candomblé Jeje-Nagô do Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, UERJ, 1993, 164 p.

BARBIER, René. A Pesquisa-Ação. Brasília: Líber Livro Editora, 2007.

BOTELHO, Denise. Educação e Orixá: processos educativos no Ile Axé Iya Mi Agba. Tese (Doutorado em Educação) São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo -FEUSP, 2005.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Identidade e Etnia:

construção da pessoa e resistência cultural.

São Paulo: Brasiliense, 1986.

CAMPBELL, J. As máscaras de Deus. Trad. De Carmen Fischer. São Paulo: Pallas Athena.

CANDAU, Vera Maria. Educação Intercultural no contexto brasileiro : questões e desafios.PUC- Rio: Nova América, 2003, mimeo.

CATALÃO, Vera Lessa & RODRIGUES, Maria do Socorro (orgs.). Água como matriz ecopedagógica – um projeto a muitas mãos. Brasília: Edição do autor – Departamento de Ecologia Humana e Educação Ambiental, UnB, 2006.

DELORIA JR., Vine. 1994. God is Red: A native view of religion. Golden, CO: Fulcrum Publishing, 1994.

JACOBI, Pedro Roberto. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. In: Educação e Pesquisa – Revista da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, maio-agosto, ano/vol. 31, numero 002, pp. 233-250, 2005.

KORTE, Gustavo. Metodologia e Transdisciplinaridade. Disponível em: www.gustavokorte.com.br/publicacoes/metodologia.transdisciplinar. Acesso em 09/06/2012.

LITTLE, Paul E. 2001. Amazonia: territorial struggles on perennial frontiers.

LUZ, Marco Aurélio. Agadá – dinâmica da civilização africano-brasileira. Bahia: Edufba, 2000.

MACEDO, Roberto Sidnei. Etnopesquisa Crítica, Etnopesquisa-Formação. Rasília, Liber libro Editora.2.ed., 2010.

MORIN, Edgar. Saberes Globais, Saberes Locais – o olhar transdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

MOURÃO, Laís. Atitude transdisciplinar – Pertecimento. Anais do II Congresso Mundial de Transdisciplinaridade, Vitória / ES, julho, 2005. Apoio Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos – FINATEC – BRASÍLIA/DF. Disponível em: http://www.cetrans.com.br/artigos/Lais_Mourao.pdf . Acesso em março de 2012.

NICOLESCU, Basarab. (1999) O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo:TRIOM.

PETROVICH, Carlos R.; MACHADO, Vanda. Irê Ayó: mitos afro-brasileiros. Salvador:EDUFBA. 2004.

PRETTO, N. D. L. & SERPA, L. F. P (orgs.). Expressões de Sabedoria: educação, vida e saberes – Mãe Stella de Oxóssi, Juvany Viana. Salvador: EDUFBA, 2002.

SANTOS, Boaventura Sousa & MENEZES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina / CES, 2009.

SANTOS, Deoscóredes Maximiliano dos. História de um terreiro nagô. São Paulo: Max Limonad Ltda., 1988.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os Nagô e a Morte: Pàdè, Asèsè e o culto Égun na Bahia. Petrópolis: Vozes, 1977.