Contido principal do artigo

Nuno Martíns Ferreira
Escola Superior de Educación, Instituto Politécnico de Lisboa
Portugal
https://orcid.org/0000-0001-7385-2376
Vol. 25 (2021), Miscelánea, páxinas 231-253
DOI https://doi.org/10.17979/srgphe.2021.25.0.8613
Enviado: Jul 12, 2021 Publicado: Jul 12, 2021
Dereitos de autoría Como citar

Resumo

O Asilo de San João foi fundado en Lisboa, en 1862, por iniciativa dun grupo de masóns, para garantir asistencia e educación a mozas novas, até entón á garda da congregación relixiosa das Irmás da Caridade. Este estudo, que parte da consulta de fontes documentais, nomeadamente de informacións contidas en informes e contas da Institución, ten por obxectivo dar a coñecer o contexto no que o Asilo foi instalado e cales foron os principais aspetos que caracterizaron o seu funcionamento, con notas que convidan a un ollar sobre o seu cotián, ao longo do século XIX. A súa aparición navegou entre o debate acerca do papel que as congregacións relixiosas tiñan na educación dos máis desfavorecidos e o espírito filantrópico dunha sociedade que vivía coa crenza no progreso material e social. Da investigación realizada, saliéntase a preocupación de dotar ás mozas asiladas de competencias para se integraren na sociedade, e tamén as dificultades sentidas polas direccións para  manter en pé esta obra de carácter social.

Detalles do artigo

Referencias

Amaral, Giana Lange do. “Os maçons e a modernização educativa no Brasil no período deimplantação e consolidação da República”, História da Educação 21(53) (2017): 56-71.

Azevedo, Manuel Roque de. História do Internato de S. João de Lisboa (ex-Asilo de S. João) – 1862-1987. 125 anos de solidariedade social [texto policopiado, 1992].

Barbosa, Maria Hermínia. Crises de Mortalidade em Portugal desde meados do século XVI até ao início do século XX (Guimarães: Núcleo de Estudos de População e Sociedade – Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, 2001).

Carvalho, José. “Anticlericalismo/anticatolicismo e clericalismo/catolicismo em Portugal nas vésperas da I República (1881-1910) – breve panorâmica histórico”, Revista Lusófona de Ciência das Religiões 20 (2017): 283-311.

Catroga, Fernando. “As maçonarias liberais e a política.” Em História de Portugal [vol. 5], dirigido por José Mattoso, 204-211. Lisboa: Círculo de Leitores, 1993.

Catroga, Fernando. “O livre-pensamento contra a Igreja. A evolução do anticlericalismo em Portugal (séculos XIX-XX)”, Revista de História das Ideias 22 (2001): 255-354.

Cordeiro, Ricardo. “Filantropia. As Cozinhas Económicas de Lisboa (1893-1911).” Dissertação de Mestrado, ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, 2012.

Costa, Fernando Marques. As mulheres na Maçonaria. Portugal: 1864-1950 (Lisboa: Âncora Editora; Campo da Comunicação, 2016).

Costa, Fernando Marques. A Maçonaria entre a forca e o cacete, entre o mito e a realidade. 1807-1834 (Lisboa: Campo da Comunicação, 2018).

Fernandes, Rogério. “Orientações pedagógicas das “casas de asilo da infância desvalida””, Cadernos de Pesquisa, 109 (2000): 89-114.

Leal, Joana Cunha. “A sanitarização do imaginário urbano e o crescimento de Lisboa na segunda metade do século XIX.” Em Arte & Poder, editado por Margarida Acciaiuoli, Joana Cunha Leal e M. Helena Maia, 119-135. Lisboa: IHA / Estudos de Arte Contemporânea, 2008.

Lopes, Maria Antónia. Protecção social em Portugal na Idade Moderna. Guia de estudo e de investigação (Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2010).

Marques A. H. de Oliveira. História da Maçonaria em Portugal. Política e Maçonaria, 1820- 1869 (1.ª parte) (Lisboa: Editorial Presença, 1996).

Marques A. H. de Oliveira. A Maçonaria em Portugal (Lisboa: Gradiva, 1998).

Marques A. H. de Oliveira. “A conjuntura.” Em Portugal e a Regeneração (1851-1900), dirigido por Fernando de Sousa e A. H. de Oliveira Marques [Nova História de Portugal, vol. X], 467-518. Lisboa: Editorial Presença, 2004.

Martins, Ernesto Candeias. As infâncias na história social da educação. Fronteiras e interceções sócio-históricas (Lisboa: Editorial Cáritas, 2018).

Mogarro, Maria João. “A Escola Normal de Lisboa e a formação de professores: percursos, identidade e afirmação sob o signo da pedagogia republicana da educação nova.” Em O edifício da Escola Superior de Educação de Lisboa: 100 anos a formar professores (1916-2016). Ciclo de conferências, coordenado por Nuno Martins Ferreira et al., 37-76. Lisboa: Escola Superior de Educação – Instituto Politécnico de Lisboa, 2018.

Neto, Vítor. O Estado, a Igreja e a Sociedade em Portugal (1832-1911) (Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1998).

Pintassilgo, Joaquim. “A “educação doméstica” nos asilos femininos. O exemplo do asilo D. Pedro v de Lisboa na transição do século XIX para o século XX”, História & Perspectiva 38 (2008): 139-162.

Quaresma, Vítor Sérgio. A Regeneração. Economia e sociedade (Lisboa: Dom Quixote, 1998).

Reimão, Ventura. O Asilo de S. João. Monografia a apresentar ao X Congresso Internacional de Protecção à Infância, Lisboa (Caxias: Tipografia do Reformatório Central de Lisboa Padre António de Oliveira, 1931).

Ribeiro, José Silvestre. Historia dos estabelecimentos scientificos, litterarios e artisticos de Portugal nos successivos reinados da Monarchia (Lisboa: Academia Real das Ciências, 18 tomos, 1871-1914).

Santos, Maria José Moutinho. Memórias do Internato de S. João do Porto (1890-1974) (Porto: Associação Protetora do ISJ, 2012).

Santos, Maria José Moutinho. O Asilo de S. João do Porto entre a nova pedagogia e o higienismo (1890-1926), CEM - Cultura, Espaço & Memória, 5 (2014): 89-100.

Tomé, Maria Rosa. “Cidadania Infantil em Portugal (1820-1978). A Tutoria de Coimbra.” Tese de Doutoramento, Universidade de Coimbra, 2012.

Ventura, António. Uma história da Maçonaria em Portugal. 1727-1986 (Lisboa: Temas e Debates; Círculo de Leitores, 2020).

Zuber, Valentine. “A laicidade republicana em França ou os paradoxos de um processo histórico de laicização (séculos XVIII-XXI)”, Ler História 59 (2010): 161-180.

Fontes

Associação Protectora do Asylo de S. João para a infância desvalida. Relatório e contas [anos económicos de 1867/1868 a 1888/1889] (Lisboa: Imprensa Nacional, s.d).

Asylo de S. João. 2.ª parte do relatório da direcção contendo algumas considerações sobre o ensino, e alterações que devem ser introduzidas nos estatutos (s.l., 1878).

Carta da direção do Asilo de São João pedindo apoios para uma quermesse, Fundação Mário Soares / FBM – Fundo Bernardino Machado, 1909.

Castelo-Branco, Camilo. Maria da Fonte (Porto: Livraria Chardron, 1900).

Estêvão, José. Discursos Parlamentares (Aveiro: Câmara Municipal de Aveiro, 1997).

Herculano, Alexandre. Ao Partido Liberal Portuguez, a Associação Popular Promotora da Educação do Sexo Feminino (Lisboa: Imprensa União Typographica, 1858).

Parecer da maioria da comissão especial da Câmara dos Deputados sobre a proposta do Governo acerca das Congregações Religiosas e do ensino, apresentado na sessão de 26 de abril de 1862 (Lisboa: Typographia da Sociedade Typographica Franco-Portugueza, 1862).

“Reforma da Instrução Pública” [decreto de 20 de setembro de 1844]. Em Reformas e bases da educação – legado e renovação (1835-2009), dirigido por David Justino, 73-106. Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 2017.

Regulamento Interno do Asylo De S. João approvado e mandado observar pela Associação Protectora do mesmo Asylo, (Lisboa: Typographia Portugueza, 1865).