Contido principal do artigo

Maria José Carvalho
Universidade de Coimbra
Portugal
Vol. 20 (2019), Artigos, páxinas 35-55
DOI https://doi.org/10.17979/rgf.2019.20.0.5916
Recibido: Dec 31, 2019 Publicado: Dec 31, 2019
Copyright Como citar

Resumo

Preténdese, neste artigo, esbozar unha proposta de periodización do portugués antigo, con base en criterios estritamente lingüísticos. Fixamos como campo de estudo un corpus notarial seriado cronoloxicamente (Carvalho 2017a) e analizamos a evolución e o comportamento de varios fenómenos, distribuídos polos diferentes niveis de análise: fonoloxía (na súa relación coa codificación gráfica), morfoloxía, sintaxe, semántica, léxico e discurso. O obxectivo foi estabelecer balizas de separación máis ou menos comúns a varios deles, no sentido de tornar máis rigorosas as designacións tomadas de empréstimo da historia literaria e cultural. Despois de delimitadas esas franxas de separación, de menor amplitude do que aquelas que teñen sido consideradas polos periodizadores da lingua, presentarase o termo ad quem dos fenómenos máis representativos do portugués antigo, manifestados nos textos dunha zona xeográfica neurálxica no proceso de estandarización e de fixación da norma: a rexión centro-litoral portuguesa.

Detalles do artigo

Citas

Ali, Manuel Said (1966). Gramática Histórica da Língua Portuguêsa. 6.ª edição melhorada e aumentada de Lexeologia e Formação de Palavras e Sintaxe do Português Histórico. Estabelecimento do texto, revisão, notas e índices pelo Prof. Maximiano de Carvalho e Silva. S. Paulo: Edições Melhoramentos.

Bechara, Evanildo (1991). “As fases da língua portuguesa escrita”. Em Actes du XVIIIe Congrès International de Linguistique et de Philologie Romanes, vol. III, 68-76. Tübingen: Max Niemeyer Verlag.

Brocardo, Maria Teresa (2014). Tópicos de história da língua portuguesa. Lisboa: Colibri.

Cardeira, Esperança (2005). Entre o Português Antigo e o Português Clássico. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda.

Cardeira, Esperança (2015). “A fronteira entre o português antigo e clássico: português médio”. Em Mariño Paz, Ramón e Xavier Varela Barreiro (eds.), Lingüística histórica e edición de textos galegos medievais (= Verba, anexo 73, sem indicação de páginas). Universidade de Santiago de Compostela: Servizo de Publicacións e Intercambio Científico. http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/33237/1/Verba-Esperan%c3%a7a%20Cardeira.pdf.

Carvalho (1996). Do Português arcaico ao Português moderno. Contributos para uma nova proposta de periodização. Dissertação de Mestrado em Linguística Portuguesa elaborada no âmbito do Programa “Praxis XXI” e apresentada à Faculdade de Letras de Coimbra. Coimbra: Faculdade de Letras (= Cota 55158 V da Biblioteca Nacional de Lisboa).

Carvalho (1999). “A alomorfia no plural dos nomes e adjetivos de lexema em -l: um estudo de morfologia histórica portuguesa”. Em Lopes, Ana Cristina Macário e Cristina Martins (Orgs.), Actas do XIV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística (Aveiro 1998), vol. I, 265-281. Braga: Associação Portuguesa de Linguística.

Carvalho (1999-2000). “Cronologia(s) da substituição da terminação participial -udo por -ido no português medieval (sécs. XIII-XVI)”, Revista Portuguesa de Filologia, 23, 381-409.

Carvalho (2000). “O morfema -des na história da língua portuguesa: uma abordagem segundo a metodologia da Sociolinguística histórica”. Em Annick Englebert, Michel Pierrard, Laurence Rosier et Dan Van Raemdonck (eds.), Actes du XXIIe Congrès International de Linguistique et de Philologie Romanes (Bruxelles, 23-29 juillet 1998), vol. II, 65-74. Tübingen: Max Niemeyer Verlag.

Carvalho (2002). “Periodização da língua portuguesa num contexto social: uma contribuição para a Sociolinguística histórica”. Revista Galega de Filoloxía 3, 11-27. https://ruc.udc.es/dspace/bitstream/handle/2183/2593/RGF-3-1-def.pdf;jsessionid=F2F97D2B5A13042D042FD01BAD334D9B?sequence=1 (Consultado em 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2005). “On the origin of the final unstressed [i] in Brazilian and other varieties of Portuguese: New evidence in an enduring debate”. Em Michael Fortescue, Eva Skafte Jensen, Jens Erik Mogensen, Lene Schøsler (ed.), Historical Linguistics 2003. Selected Papers from the 16th International Conference on Historical Linguistics, Copenhagen, 11-15 August 2003 (CILT 257), 47-60.

Carvalho (2006). Documentação medieval do mosteiro de Santa Maria de Alcobaça (sécs. XIII-XVI). Edição e estudo linguístico. Dissertação de Doutoramento em Linguística Portuguesa, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra [parcialmente inédita].

Carvalho (2010a). “A variação ser/estar num corpus alcobacense medieval”. Diacrítica. Série Ciências da Linguagem, 24/1, 349-372. https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/23229/1/Diacritica24-1.pdf (Consultado em 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2010b). “Complementadores preposicionais na história da língua portuguesa: variação, gramaticalização e desgramaticalização”, em Revista da Pesquisa & Pós-Graduação da Universidade Federal de Ouro Preto, 10 (1), 101-111.

Carvalho (2010c). “Sintaxe e pragmática dos clíticos no português medieval”. Matraga 26. Estudos Linguísticos e Literários. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ, 17 (26), 113-131. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/matraga/article/view/26327/18798 (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2010-2011). “A gramaticalização e a lexicalização como processos históricos”. Estudos Linguísticos/Linguistic Studies, 6/7, 159-176. https://clunl.fcsh.unl.pt/wpcontent/uploads/sites/12/2018/02/159_176.pdf (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2011a). “Duas inovações consonânticas num corpus medieval: simplificação do sistema de quatro sibilantes e neutralização da oposição fonológica b/v”. Em Armanda Costa, Isabel Falé e Pilar Barbosa (eds.), XXVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Textos selecionados (Porto 2010). Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística, 140-152. https://docplayer.com.br/347379-Duas-inovacoes-consonanticas-num-corpus-medieval-simplificacao-do-sistema-dequatro-sibilantes-1-e-neutralizacao-da-oposicao-fonologica-b-v.html (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2011b). “From etimology to cognitive sociolinguistics. A case-study from European Portuguese”. Em Augusto Soares da Silva, Amadeu Torres e Miguel Gonçalves (orgs.), Línguas Pluricêntricas. Variação Linguística e Dimensões Sociocognitivas/ Pluricentric Languages. Linguistic Variation and Sociocognitive Dimensions, 353-364. Braga: Publicações da Faculdade de Filosofia/Universidade Católica Portuguesa.

Carvalho (2012). “Notas para uma análise semântica e pragmática do texto notarial medieval”. Em Armanda Costa & Inês Duarte (coord.), Nada na linguagem lhe é estranho. Homenagem a Isabel Hub Faria, 593-604. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento.

Carvalho (2013a). “Cognition, Grammaticalization and Syntactic Change. The emergence of Compound Tenses in Portuguese”. Entrepalavras. Revista de Linguística do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal do Ceará 3, 2, 33-57. http://www.entrepalavras.ufc.br/revista/index.php/Revista/article/view/264/213 (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2013b). “Contributo para o estudo da evolução das terminações nasais portuguesas (sécs. XIII-XVI)”. Em Calvo Rigual, Cesáreo & Casanova, Emili

(eds.), Actes del 26é Congrès de Linguistica i Filologia Romàniques (valència, 6-11 de setembre de 2010), vol. 1, 567-577. Berlin/Boston: De Gruyter. https://dialnet.unirioja.es/servlet/libro?codigo=558191#volumen124718 (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2014a). “Aspetos sociocognitivos da variação e da mudança semântica: Haver e Ter em estruturas de posse”, Diacrítica. Série Ciências da Linguagem 28, 1: 347-375. http://cehum.ilch.uminho.pt/cehum/static/publications/diacritica_28-1.pdf (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2014b). “Norma e desvio em estruturas com clíticos no Português do Brasil: evolução de ontem, interferências de hoje”. Soletras. Revista do Departamento de Letras da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro 28, 2: 262-281. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/soletras/article/view/12906/12494 (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2015a). “Linguagem e Justiça: polissemia, «desambiguidade» e produtividade sufixal nos textos jurídicos, ao longo dos tempos”, Biblos. Revista da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (1. O Valor das Humanidades) 1, 1: 367-394. https://digitalis-dsp.uc.pt/bitstream/10316.2/37840/1/Linguagem%20e%20justica.pdf (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2015b). “Para a história do infinitivo flexionado português: uma abordagem semântico-pragmática”. Zeitshrift für romanische Philologie (ZrP) 131, 3: 664-689. DOI: https://doi.org/10.1515/zrp-2015-0047.

Carvalho (2015c). “Sobre as origens de [u] átono no Português europeu contemporâneo: variação, mudança e dimensões sociocognitivas”. Diacrítica. Série Ciências da Linguagem 29, 1: 171-202. http://cehum.ilch.uminho.pt/cehum/static/publications/diacritica_29-1.pdf (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2015d). “Sobre as origens dos valores de /e/ átono em posição medial no Português europeu e brasileiro”. Revista Galega de Filoloxía, 16: 43-73. DOI: https://doi.org/10.17979/rgf.2015.16.0.1378.

Carvalho (2016a). “Dialetologia e história da língua: sobre a génese e condicionamento de alguns traços das atuais variedades do Português”. Revista da Associação Portuguesa de Linguística 1, 1: 79-94. http://ojs.letras.up.pt/index.php/APL/login (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2016b). “Prefixes in the history of Portuguese. A semantic and cognitive approach”. Estudos de Lingüística Galega, 8: 45-67. http://www.usc.es/revistas/index.php/elg/article/view/2608/3643 (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2016c). “Síncope de -N- e -L intervocálicos no (galego)-português medieval: resultados e cronologias”. Verba. Anuario Galego de Filoloxía, 43: 1-46. http://www.usc.es/revistas/index.php/verba/article/view/2074/3822 (Consultado a 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2017a). Documentação medieval do mosteiro de Santa Maria de Alcobaça. Edição, com introdução e notas de aparato crítico (= Verba, Anexo 74). Universidade de Santiago de Compostela: Servicio de Publicacións e Intercambio Científico. DOI: https://doi.org/10.15304/9788416533817.

Carvalho (2017b). “Fatores semânticos e pragmáticos na “desgramaticalização”: a substituição do “Condicional” pelo Imperfeito no português”. Filologia e linguística Portuguesa, 19 (jan-jun 2017), 89-111. https://www.2017revistas.usp.br/flp/article/view/115016/136315 (Consultado em 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2017c). “Novos caminhos na morfologia lexical do Português: perspetiva histórica”. Em Álvarez de la Granja, Maria, Boullón Agrelo, Ana Isabel & González Seoane, Ernesto X. (eds.), Aproximacións á variación lexical en espaço galegoportugués. (= Revista Galega de Filoloxía, Monografía 11), A Coruña: Universidade da Coruña, 89-114. http://illa.udc.es/rgf/pdf/mon_11.pdf (Consultado em 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2018a). “Ditongos orais e seus processos evolutivos na história do português”. Estudos de Lingüística Galega 10, 41-54. http://www.usc.es/revistas/index.php/elg/article/view/4538/5652 (Consultado em 30 de novembro de 2019.

Carvalho (2018b). “Entre consoantes: grafemas e fonemas no scriptorium do mosteiro de Santa Maria de Alcobaça (sécs. XIII-XVI)”. Revista Galega de Filoloxía 19, 41-72. http://revistas.udc.es/index.php/rgf/article/view/rgf.2018.19.0.4946/g4946_pdf (Consultado em 30 de novembro de 2019).

Carvalho (2018c). “Na ausência de «ortografia»: representação grafemática dos sons vocálicos no scriptorium alcobacense”. Em Pinto, Ana Paula, Maria José Lopes, António Melo, João Carlos Onofre Pinto, Álvaro Balsas (eds.), Verba Volant? Oralidade, Escrita e Memória, 159-182. Braga: Axioma – Publicações da Faculdade de Filosofia.

Carvalho, Maria José (2019). “Considerações sobre a cronologia de algumas mudanças na morfologia verbal do (galego)-português”. Estudos de Lingüística Galega 11, 233-264. http://www.usc.es/revistas/index.php/elg/article/view/5392/6776 (Consultado em 30 de novembro de 2019).

Castro, Ivo (com a colaboração de Rita Marquilhas e José Léon Acosta) (1991). Curso de história da língua portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta.

Castro, Ivo (1993). “A elaboração da língua portuguesa, no tempo do Infante D. Pedro”. Em Actas do Congresso Comemorativo do 6º Centenário do Infante D. Pedro (25 a 27 de Novembro de 1992) (= Biblos. Revista da Faculdade de Letras, 69), 97-106.

Castro, Ivo (1999). “O Português médio segundo Cintra”. Em Isabel Hub Faria (org.), Lindley Cintra. Homenagem ao Homem, ao Mestre e ao Cidadão, 367-370. Lisboa: Edições Cosmos/Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Castro, Ivo (2006). Introdução à História do Português. Segunda edição revista e muito ampliada. Lisboa: Edições Colibri.

Charaudeau, Patrick (1992). Grammaire du sens et de l´expression. Paris: Hachette.

Eberenz, Rolf (1991). “Castellano “antiguo” y español “moderno”: reflexiones sobre la periodización en la historia de la lengua”. Revista de Filología Española, vol. LXXI/1-2. http://xn--revistadefilologiaespaola-uoc.revistas.csic.es/index.php/rfe/article/view/652/730 (Consultado em 30 de novembro de 2019).

Godinho, Vitorino Magalhães (1968). Ensaios, II. Sobre História de Portugal. Lisboa: Sá da Costa.

Gouveia, Carmen & Carvalho, Maria José (2019, no prelo). “Processos de mudança na categoría gramatical de género em Português: dados de “corpora” medievais”. Em Seara, Isabel Roboredo, Sebastião, Isabel & Marques, Isabelle Simões (eds.), Homenagem a Fernanda Menéndez. Discurso(s) de cumplicidade(s). Lisboa/V.N. Famalicão: CLUNL-FCSH/Edições Húmus.

Maia, Clarinda de Azevedo (1994). “O Tratado de Tordesilhas. Algumas observações sobre o estado da língua portuguesa em finais do século XV”, Biblos. Revista da Faculdade de Letras, 70, 33-91.

Maia, Clarinda de Azevedo (19972). História do galego-português. Estado linguístico da Galiza e do Noroeste de Portugal desde o século XIII ao século XVI (Com referência à situação do galego moderno). Reimpressão da edição de 1986. Lisboa: FCG e JNICT. (3.ª edição: https://digitalis.uc.pt/pt/livro/hist%C3%B3ria_do_galego_portugu%C3%AAs_estado_lingu%C3%ADstico_da_galiza_e_do_noroeste_de_portugal_desde_o).

Martins, Ana Maria (2002). “Mudança Sintáctica e História da Língua Portuguesa”. Em Brian F. Head, José Teixeira, Aida Sampaio Lemos, Anabela Leal de Barros e António Pereira (Orgs.), História da Língua e História da Gramática. Actas do Encontro, 251-297. Braga: Universidade do Minho / Centro de Estudos Humanísticos.

Mattoso, José (dir.) (1993). História de Portugal, vol. II. Lisboa: Círculo de Leitores.

Messner, Dieter (1983). A peste de 1348, um factor muito pouco considerado nas histórias das línguas românicas. In: Boletim de Filologia, 28, 237-239.

Messner, Dieter (1994). Portugiesisch: Periodisierung. Périodisation. In: Lexikon der Romanistischen Linguistik, vol. VI, 2 (Gallego, Português), 618-623. Tübingen: Max Niemeyer Verlag.

Neto, Serafim da Silva (19864). História da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Presença (Em convénio com o Instituto Nacional do Livro/Fundação Nacional Pró-Memória).

Silva, Rosa Virgínia Mattos e (1994). “Para uma caracterização do período arcaico do português”, Revista de Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada (D.E.L.T.A), 10, número especial, 247-276.

Silva, Rosa Virgínia Mattos e (2008). O Português arcaico. Uma aproximação. Volume I: Léxico e morfologia. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda.

Vasconcelos, Carolina Michaëlis (1956). Lições de Filologia Portuguesa (segundo as prelecções feitas aos Cursos de 1911/12 e de 1912/13), seguidas das «Lições práticas de Português arcaico». Nova edição da Revista de Portugal série A – Língua Portuguesa. Lisboa: Tipografia da Neogravura Lda.

Vasconcellos, José Leite (1926). Lições de Filologia Portuguesa. 2ª edição melhorada. Lisboa: Oficinas Gráficas da Biblioteca Nacional.

Vázquez Cuesta, Pilar e M. A. Mendes da Luz (1971). Gramática Portuguesa. Tercera edición corregida y aumentada. Madrid: Editorial Gredos.