Contido principal do artigo

José Antonio Afonso
Instituto de Educación (IE)/Centro de Investigación en Educación (CIEd) - Universidade do Miño
Portugal
https://orcid.org/0000-0002-7061-306X
Eva Baptista
CITCEM- Centro de investigación Transdisciplinar Cultura, Espazo e Memoria
Portugal
https://orcid.org/0000-0001-6880-9656
Ana Vaz
Concello de Vila Nova de Gaia
Portugal
Vol. 23 (2019), Monografía. Municipios e educación, páxinas 183-210
DOI https://doi.org/10.17979/srgphe.2019.23.0.5889
Recibido: Dec 25, 2019 Publicado: Dec 25, 2019
Copyright Como citar

Resumo

A "escola", en Vila Nova de Gaia, constitúe unha marca fortemente identitária nas comunidades, testificada non só polos memoriais evocativos e estatuas abundantes como, tamén, pola toponimia relacionada coas institucións escolares, profesores, filántropos e outros axentes sociais, esparexida por todo o territorio e, obviamente, materializada en edificios con funcións educativas.
Na tentativa de contribuír ao impulso da creación dunha estrutura que permita a aprendizaxe cognitiva e experimental do diverso pasado histórico educativo gaiense, esta investigación, que cruza a investigación documental de arquivo e hemerográfica, co estudo de campo, levantamento e sistematización tipológica, ten por obxectivo trazar unha panorámica dinámica e descritiva do patrimonio edificado de Vila Nova de Gaia, ata a materialización dos proxectos-tipo de escolas regionalizadas, na década dos anos trinta do século XX.

Detalles do artigo

Citas

Amaral, Anabela. Vivências Educativas da Tuberculose no Sanatório Marítimo do Norte e Clínica Heliântia (1917‑1955) (Dissertação de mestrado, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação – Universidade do Porto, 2007).

Amaral, Anabela e Felgueiras, Margarida L. “Educação no Sanatório” ,Educação, Sociedade & Cultura 30 (2010): 75-93.

Aurell, Jaume. “Memòria, història i identitat: el debat teòric”, IDEES. Revista de temes contemporanis - Dossier: Història, memòria i identitat, 28-29 - gener/juny (2006): 65-79.

Baptista, Eva. “A Educação em Vila Nova de Gaia (1880-1930): Projeto e balanço do estudo doutoral”, A História da Educação em Vila Nova de Gaia, organização de Cláudia Ribeiro e Francisco M. Araújo. Porto: CITCEM/ FLUP, 2017.

Baptista, Eva. “O Clubismo em Vila Nova de Gaia, nas últimas décadas do século XIX e primeiras do século XX: intenção e ação educativas”, COLUBHE – Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação – Investigar, Intervir e Preservar. Caminhos de História da Educação Luso-Brasileira: [atas] Porto: Flup, CITCEM-Centro de Investigação Interdisciplinar Cultura Espaço e Memória, 2016. Disponível em http://web3.letras.up.pt/colubhe/actas/eixo4.pdf.

Baptista, Eva. Associação das Creches de Santa Marinha. Espaço de Modernidade Educativa. Vila Nova de Gaia: Associação das Creches de Santa Marinha/CITCEM, 2018.

Braga da Costa, Virgília. “A urbanização da Quinta do Cabo-Mor e a construção da Escola Industrial e Comercial de Vila Nova de Gaia, no Estado Novo. Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia, 77, vol. 12 (2013): 42-53.

Breves Apontamentos Estatísticos nos Serviços Municipaes nos anos de 1905 e 1906. Gaya: Typ. de Francisco Martins Barboza, 1907.

Campos, Ernesto. História da Educação. Porto: Escola Superior de Educação de Santa Maria, 2001.

Candeias Martins, Ernesto. “A criança abandonada. Estudo histórico-educativo da Monarquia à 1.ª República”, Educação Unisinos, 10, vol.6 (2002): 176-198.

Candeias Martins, Ernesto. “Ideário da Escola Pública Portuguesa entre os Séculos XIX e XX”, Montagem,10 (2008).

Cosme, João. “As preocupações higio-sanitárias em Portugal (2.ª metade do século XIX e princípio do XX”, Revista da Faculdade de Letras. História, III série, vol.7 (2006): 181-195.

“Escola de Cabanões/ Avintes”. Occidente. Revista Illustrada de Portugal e do Estrangeiro, 171 (1883): 211-213.

Fernandes, Rogério. Os Caminhos do ABC. Sociedade Portuguesa e o Ensino das Primeiras Letras. Porto: Porto Editora, 1994.

Filho, Sílvio Pélico. História da Instrução Popular em Portugal. Coimbra: “Lvmen” Empresa Internacional Editora, 1923.

Giampiero, Aloi. Scuole.Schools. Milan: Hoepli Editore, 1960.

Guimarães, Gonçalves; Veludo Coelho, Sérgio e Mota, Deolinda. Roteiro Garretiano de Vila Nova de Gaia. Vila Nova de Gaia: Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, 1999.

Leão, Manuel. Padre Luís uma identidade. Vila Nova de Gaia: Fundação Padre Leão, 2007.

Leite, António; Afonso, José António. “A escola do padre Luís – um subsídio para o seu estudo”, Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia, 54, vol. 9 (2002a): 56-63.

Leite, António e Afonso, José António. “A escola do padre Luís. Um subsídio para o se estudo (1912-1958)”, Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia, 55, vol. 9 (2002b): 60-64;

Lopes Cardoso, Miguel. “Colégio de Gaia – 50 anos ao serviço da comunidade”, Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia, 27, vol. 2 (1984).

Lopes Gondim, Innocencio Osorio. Luz natural e artificial das escolas. Dissertação inaugural. Apresentada à Escola Médico Cirúrgica do Porto. Porto: Typografia Ocidental, (1887), 29-58.

Loyer, François apud Galvão de Carvalho, Carla Andreia. A evolução da arquitectura escolar portuguesa: as escolas primárias desde finais do século XIX até à contemporaneidade (Tese de Doutoramento, 1993) Lisboa: Universidade Lusíada, 35. Disponível em http://hdl.handle.net/11067/488.

Macedo Júnior, Diogo. “Breves considerações Económico-Agrícolas de Vila Nova de Gaia” [1863], Boletim da Associação Cultural Amigos de Gaia, 11 (1981)

Magalhães, Justino. “O Município Pedagógico e a escrita do local. Centenário da Reforma Republicana da Administração Local”, Interacções, 28 (2014): 14-15.

Mogarro, Maria João; Gonçalves, Fernanda; Casimiro, Jorge e Oliveira, Inês. “Inventário e digitalização do Património Museológico da Educação – Um Projeto de Preservação e Valorização do Património Educativo”, História da Educação, 30, v. 14,(2010).

Muitos Anos de Escolas. Ensino Primário-1941. Lisboa: Ministério da Educação – Direção-Geral de Administração Escolar, 1990.

Pintassilgo, Joaquim. “Reformismo republicano e inovação pedagógica: a difusão do Ensino Intuitivo”. Em O Homem vale, sobretudo, pela educação que possui: Revisitando a primeira reforma republicana do ensino infantil, primário e normal, organização de Áurea Adão et al .Lisboa: Instituto da Educação da Universidade de Lisboa, 2012.

Proença, Maria Cândida. Educar. Educação para Todos. Ensino na I República. Centenário da República 1910-2010. Lisboa: Parquescolar, 2011.

Santos, Licínio. Cultura e Lazer Operários em Gaia, entre o final da Monarquia e o início da República (1893-1914). Vila Nova de Gaia: Amigos do Solar Condes de Resende-Confraria Queirosiana/ Edições Afrontamento, 2017.

Santos, V. N. Vila dos Carvalhos. Contributo para uma caracterização. Pedroso: ACICCAJornal dos Carvalhos, s.d., 23.

Silva, António Manuel S. P. e Afonso, José António. «A rede escolar protestante em Vila Nova de Gaia (1868-1923): uma panorâmica geral», A História da Educação em Vila Nova de Gaia, organização de Cláudia Ribeiro e Francisco M. Araújo. Porto: CITCEM/ FLUP, 2017), 25-62.

Silva, António. Torne: Um lugar na História 1868-2018. Vila Nova de Gaia: Igreja Lusitana Católica, Apostólica, Evangélica, 2018.

Teixeira, Fátima. Companhia de Fiação de Crestuma. Do fio ao pavio. Vila Nova de Gaia: Amigos do Solar Condes de Resende-Confraria Queirosiana/ Edições Afrontamento, 2017.

Fontes documentais

Acervo documental Convento Corpus Christi - Estatutos do Instituto Feminino de Educação e Regeneração, 1928.

Acervo Documental da Escola do Palheirinho/Avintes - Nº de escolas oficiaes, segundo a deliberação da Comissão Executiva da Camara, de 11 de Outubro de 1917 (referidoa janeiro de 1917).

Arquivo Distrital do Porto, Fundo do Governo Civil, Maço 604, Concelho de Gaia - Mapa estatístico do número de escolas régias e particulares de Ensino Primário e Secundário existentes neste concelho em 31 de julho de 1848.

Arquivo Municipal Sophia de Mello Breyner/ Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia - Licença para construir uma casa para instalação de centro republicano democrático e escola noturna, 1914.