Contido principal do artigo

Jeane dos Santos Caldeira
Universidade Federal de Pelotas
Brasil
https://orcid.org/0000-0002-6797-7663
Biografía
Giana Lange do Amaral
Universidade Federal de Pelotas
Brasil
https://orcid.org/0000-0002-1088-9283
Fernando Ripe
Universidade Federal de Pelotas
Brasil
https://orcid.org/0000-0003-0007-0597
Vol. 23 (2019), Monografía. Municipios e educación, páxinas 95-111
DOI https://doi.org/10.17979/srgphe.2019.23.0.5881
Recibido: Dec 23, 2019 Publicado: Dec 23, 2019
Copyright Como citar

Resumo

Este texto tenta analizar políticas e prácticas administrativas destinadas á asistencia de menores desvalidos en Brasil e, especificamente, no municipio de Pelotas/RS-Brasil, no inicio do século XX, período da chamada Primeira República brasileira (1889-1930). Neste contexto, os gobernos republicanos implementaron estratexias políticas para solucionar problemas sociais,  entre elas a educación do neno pobre. As institucións asilares, educativas e filantrópicas foron fundadas para acoller e instruír nenos e nenas desvalidos. Interésanos percibir e analizar as accións da comunidade local, da Igrexa católica e do poder público municipal, ao fundar estas institucións de amparo aos menores. O estudo está baseado na bibliografía sobre a temática, así como na lexislación, actas e xornais locais, que permiten percibir os mecanismos postos en marcha pola administración destas institucións.

Detalles do artigo

Citas

Amaral, Giana Lange do. Gatos Pelados x Galinhas Gordas: desdobramentos da educação laica e da educação católica na cidade de Pelotas (décadas de 1930 a 1960) (Tese de Doutoramento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003).

Amaral, Giana Lange do. O Gymnasio Pelotense e a Maçonaria: uma face da História da Educação em Pelotas. Pelotas: Seiva Publicações, 2005.

Buffa, Ester. “Os estudos sobre instituições escolares: organização do espaço e propostas pedagógicas”. Em Instituições escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica, dir. Isabel Moura Nascimento, 151-173. Sorocaba: Uniso, 2007.

Caldeira, Jeane dos Santos. O Asilo de Órfãs São Benedito em Pelotas – RS (as primeiras décadas do século XX): trajetória educativa-institucional. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pelotas, 2014.

Camara, Sônia. Sob a guarda da República - a Infância Menorizada No Rio de Janeiro da Década de 1920.Tese de Doutoramento. São Paulo: Quartet Editora, 2006; Irene Rizzini, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

Camara, Sônia. Sob a guarda da República: a infância memorizada no Rio de Janeiro da década de 1920. Rio de Janeiro: Quartet, 2010.

Corrêa Werle, Flávia Obino. “História das Instituições Escolares: de que se fala?”. Em Fontes, história e historiografia da educação, dir. José Claudinei Lombardi; Maria Isabel Moura Nascimento, 13-35. Campinas: Autores Associados, 2004.

Cunha, Luiz António. O ensino de ofícios no primórdio da industrialização. São Paulo: UNESP, 2005.

Estatutos do Asylo de Orphãs São Benedicto. Pelotas: Typografhia do Arauto, 1902.

Henriques, Helder; Cardoso Vilhena, Carla. “A preservação da infância: análise de discursos sobre a criança em perigo moral (Portugal, 1910-1916)”Educação em Revista 31, 2. (2015): 61-81.

Loner, Beatriz Ana. Construção de classe: operários de Pelotas e Rio Grande (188-1930) Pelotas: Editora e Gráfica Universitária UFPel, 2001.

Maciel, Patrícia Daniela. “Instituto Asilo de Órfãs Nossa Senhora da Conceição: estudo da educação das meninas abandonadas no século XIX”. História da Educação 8 (2004): 291-303.

Magalhães, Justino Pereira; e Adão, Áurea. “Os municípios na educação e na cultura”. Interacções 11, 35 (2015): 1-2.

Magalhães, Justino Pereira. Contributo para a História das Instituições educativas: entre a Memória e o Arquivo. Portugal: Universidade do Minho, Mimeo, 1996.

Magalhães, Justino Pereira. Tecendo nexos: história das instituições educativas. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2004.

Marcílio, Maria Luiza. História Social da criança abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998.

Martiarena de Oliveira, Maria Augusta. Instituições e práticas escolares como representações de modernidade em Pelotas (1910 -1930): imagens e imprensa. Tese de Doutoramento, Universidade Federal de Pelotas, 2012.

Pesavento, Sandra. O cotidiano da república: elite e povo na virada do século. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1995.

Poersch, Léo. Universidade Católica de Pelotas 30 anos. Pelotas: EDUCAT, 1991.

Ramos, Maria Janir. Importância do entrosamento instituição-familiar. Trabalho de Conclusão do Curso de Serviço Social: Faculdade de Serviço Social D. Francisco de Campos Barreto, 1969.

Rizzini, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

Rizzini, Irma. Assistência à Infância no Brasil: uma análise de sua construção. Rio de Janeiro: Ed. Universitária Santa Úrsula, 1993.

Torres Londoño, Fernando. “A origem do conceito menor “. Em História da criança no Brasil, dir. Mary del Priore, 129-145, 135. São Paulo: Contexto, 1991.

Vanti, Elisa dos Santos. Lições de infância: reflexões sobre a História da Educação Infantil. Pelotas: Seiva Publicações, 2004.

Victorino Piccinini, Victorino. [Correspondência]. Destinatário: João Francisco Neves da Silva. Pelotas, 13 mai. 1 carta. 2004.

Wallney Hammes, Wallney. Dom Antônio Zattera 3º Bispo de Pelotas: uma cronobiografia. Pelotas: EDUCAT, 2005.

Westin, Ricardo Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2015/07/07/criancas-iam-para-a-cadeia-no-brasil-ate-a-decada-de-1920 (19/08/2018).

FONTES DOCUMENTAIS

Decreto-lei no. 2.848, 07 de dezembro de 1940, Código Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm. (20/10/2018).

Decreto no. 17.943-a de 12 de outubro de 1927. Código dos Menores. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1910-1929/D17943Aimpressao.htm. (20/10/2018).