Contido principal do artigo

Jeane dos Santos Caldeira
Universidade Federal de Pelotas
Brasil
https://orcid.org/0000-0002-6797-7663
Biografía
Giana Lange do Amaral
Universidade Federal de Pelotas
Brasil
https://orcid.org/0000-0002-1088-9283
Fernando Ripe
Universidade Federal de Pelotas
Brasil
https://orcid.org/0000-0003-0007-0597
Vol. 23 (2019), Monografía. Municipios e educación, páxinas 95-111
DOI https://doi.org/10.17979/srgphe.2019.23.0.5881
Recibido: Dec 23, 2019 Publicado: Dec 23, 2019
Copyright Como citar

Resumo

Este texto tenta analizar políticas e prácticas administrativas destinadas á asistencia de menores desvalidos en Brasil e, especificamente, no municipio de Pelotas/RS-Brasil, no inicio do século XX, período da chamada Primeira República brasileira (1889-1930). Neste contexto, os gobernos republicanos implementaron estratexias políticas para solucionar problemas sociais,  entre elas a educación do neno pobre. As institucións asilares, educativas e filantrópicas foron fundadas para acoller e instruír nenos e nenas desvalidos. Interésanos percibir e analizar as accións da comunidade local, da Igrexa católica e do poder público municipal, ao fundar estas institucións de amparo aos menores. O estudo está baseado na bibliografía sobre a temática, así como na lexislación, actas e xornais locais, que permiten percibir os mecanismos postos en marcha pola administración destas institucións.

Descargas

Os datos de descarga non están aínda dispoñibles.

Detalles do artigo

Citas

Amaral, Giana Lange do. Gatos Pelados x Galinhas Gordas: desdobramentos da educação laica e da educação católica na cidade de Pelotas (décadas de 1930 a 1960) (Tese de Doutoramento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003).

Amaral, Giana Lange do. O Gymnasio Pelotense e a Maçonaria: uma face da História da Educação em Pelotas. Pelotas: Seiva Publicações, 2005.

Buffa, Ester. “Os estudos sobre instituições escolares: organização do espaço e propostas pedagógicas”. Em Instituições escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica, dir. Isabel Moura Nascimento, 151-173. Sorocaba: Uniso, 2007.

Caldeira, Jeane dos Santos. O Asilo de Órfãs São Benedito em Pelotas – RS (as primeiras décadas do século XX): trajetória educativa-institucional. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pelotas, 2014.

Camara, Sônia. Sob a guarda da República - a Infância Menorizada No Rio de Janeiro da Década de 1920.Tese de Doutoramento. São Paulo: Quartet Editora, 2006; Irene Rizzini, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

Camara, Sônia. Sob a guarda da República: a infância memorizada no Rio de Janeiro da década de 1920. Rio de Janeiro: Quartet, 2010.

Corrêa Werle, Flávia Obino. “História das Instituições Escolares: de que se fala?”. Em Fontes, história e historiografia da educação, dir. José Claudinei Lombardi; Maria Isabel Moura Nascimento, 13-35. Campinas: Autores Associados, 2004.

Cunha, Luiz António. O ensino de ofícios no primórdio da industrialização. São Paulo: UNESP, 2005.

Estatutos do Asylo de Orphãs São Benedicto. Pelotas: Typografhia do Arauto, 1902.

Henriques, Helder; Cardoso Vilhena, Carla. “A preservação da infância: análise de discursos sobre a criança em perigo moral (Portugal, 1910-1916)”Educação em Revista 31, 2. (2015): 61-81.

Loner, Beatriz Ana. Construção de classe: operários de Pelotas e Rio Grande (188-1930) Pelotas: Editora e Gráfica Universitária UFPel, 2001.

Maciel, Patrícia Daniela. “Instituto Asilo de Órfãs Nossa Senhora da Conceição: estudo da educação das meninas abandonadas no século XIX”. História da Educação 8 (2004): 291-303.

Magalhães, Justino Pereira; e Adão, Áurea. “Os municípios na educação e na cultura”. Interacções 11, 35 (2015): 1-2.

Magalhães, Justino Pereira. Contributo para a História das Instituições educativas: entre a Memória e o Arquivo. Portugal: Universidade do Minho, Mimeo, 1996.

Magalhães, Justino Pereira. Tecendo nexos: história das instituições educativas. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2004.

Marcílio, Maria Luiza. História Social da criança abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998.

Martiarena de Oliveira, Maria Augusta. Instituições e práticas escolares como representações de modernidade em Pelotas (1910 -1930): imagens e imprensa. Tese de Doutoramento, Universidade Federal de Pelotas, 2012.

Pesavento, Sandra. O cotidiano da república: elite e povo na virada do século. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1995.

Poersch, Léo. Universidade Católica de Pelotas 30 anos. Pelotas: EDUCAT, 1991.

Ramos, Maria Janir. Importância do entrosamento instituição-familiar. Trabalho de Conclusão do Curso de Serviço Social: Faculdade de Serviço Social D. Francisco de Campos Barreto, 1969.

Rizzini, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

Rizzini, Irma. Assistência à Infância no Brasil: uma análise de sua construção. Rio de Janeiro: Ed. Universitária Santa Úrsula, 1993.

Torres Londoño, Fernando. “A origem do conceito menor “. Em História da criança no Brasil, dir. Mary del Priore, 129-145, 135. São Paulo: Contexto, 1991.

Vanti, Elisa dos Santos. Lições de infância: reflexões sobre a História da Educação Infantil. Pelotas: Seiva Publicações, 2004.

Victorino Piccinini, Victorino. [Correspondência]. Destinatário: João Francisco Neves da Silva. Pelotas, 13 mai. 1 carta. 2004.

Wallney Hammes, Wallney. Dom Antônio Zattera 3º Bispo de Pelotas: uma cronobiografia. Pelotas: EDUCAT, 2005.

Westin, Ricardo Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2015/07/07/criancas-iam-para-a-cadeia-no-brasil-ate-a-decada-de-1920 (19/08/2018).

FONTES DOCUMENTAIS

Decreto-lei no. 2.848, 07 de dezembro de 1940, Código Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm. (20/10/2018).

Decreto no. 17.943-a de 12 de outubro de 1927. Código dos Menores. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1910-1929/D17943Aimpressao.htm. (20/10/2018).