A importância de uma organização de proteção ambiental na Região Sul do Brasil

  • Melissa Bergmann Associação São-Borjense de Proteção ao Ambiente Natural Doutoramento em Biociências/ Universidade de Coimbra
  • Darci Bergmann Associação São-Borjense de Proteção ao Ambiente Natural

Abstract

Este relato discute as ações da Associação São Borjense de Proteção ao Ambiente Natural, fundada em 1987 em São Borja/RS/Brasil, que surgiu diante da degradação ambiental  provocada pela “Revolução Verde” nas décadas de 60 e 70. A entidade atuou na elaboração de leis e planos ambientais no município, na implantação da Reserva Biológica Estadual de São Donato, em representações junto ao Ministério Público para estancar ações de impacto ambiental e sistematizou o Projeto Semear, cujas ações foram: Educação ambiental, implantação de um horto florestal e de um viveiro de mudas nativas. As atividades de educação ambiental consistiram em oficinas-palestras no próprio viveiro de mudas com estudantes-multiplicadores, através da produção de mudas nativas, utilização de matéria orgânica para obtenção de húmus e conservação da biodiversidade.  No viveiro de mudas foram produzidas  espécies como pitangueira, canela-guaicá e ipê-roxo. O horto florestal caracteriza-se como corredor ecológico, onde foi feito enriquecimento com espécies florestais nativas. Mais de mil jovens participaram das oficinas-palestras; a distribuição de mudas nativas para arborização ultrapassou cinco mil exemplares; e o horto florestal  conta com uma biodiversidade superior ao período anterior da aquisição da área. A ASPAN tornou-se uma referência na regulamentação pública e na educação ambiental da região.

References

BRASIL (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Presidência da República. Disponível em: www.planalto.gov.br.

CARSON, Rachel (2002). Silent Spring, 378 pp. New York: Mariner Book Edition.

CORREIO DO POVO (1997). Aspan tenta salvar reserva biológica. Correio do Povo, pp. 18. Porto Alegre/RS. Disponível em: WWW.correiodopovo.com.br/jornal.

FEPAM, Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (2002-2015). Disponível em: WWW.fepam.rs.gov.br. Acesso em: Junho/2015.

HANSSON, Lars-Anders, BRONMARK, Christer, NILSSON, P. Anders, ABJÖRNSSON, Kajsa (2005). Confliting demands on wetland ecosystem services: nutrient retention, biodiversity or both?, Freshwater Biology, 50, 705-714.

HORLINGS, L.G., MARSDEN, T.K. (2011). Towards the real green revolution? Exploring the conceptual dimensions of a new ecological modernization of agriculture that could “feed the world”. Global Environmental Change, 21, 441-452.

MACHADO, Aline Maria Batista (2012). O percurso histórico das ONGs no Brasil: Perspectivas e desafios no campo da Educação Popular. IX Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil”. Universidade Federal da Paraíba, pp 3486-3502.

MANN, Charles (1997). Reseeding the Green Revolution. Science, Vol. 277, 1038-1043.

NATURE, (2008). Bellagio 1969: The Green revolution. Nature, Vol. 45, 470-471.

PEREIRA, Elenita Malta (2011). Um protetor da natureza: trajetória e memória de Henrique Luiz Roessler. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011.

PEREIRA, Elenita Malta (2012). Fim do futuro? O tempo no Manifesto Ecológico Brasileiro de José Lutzenberger. XI Encontro Estadual de História, Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande-RS- Brasil.

PEREIRA, Elenita Malta (2013). Roessler e o pioneirismo ambiental no Rio Grande do Sul. Revista do Instituto Humanitas Unisinos. 433, Ano XIII ISSN 1981-8769.

RIO GRANDE SO SUL (1975). Decreto n. 23.798/1975, Cria parques estaduais e reservas biológicas e dá outras providências. Disponível em: www.icmbio.gov.br

Section
Environmental education, interpretation and conservation