Contido principal do artigo

Leisle Daniela Mallmann
Universidade Feevale
Brasil
Vanusca Dalosto Jahno
Universidade Feevale
Brasil
Vol. 2 Núm. 20 (2015), Educación ambiental, saberes tradicionais/alternativos, páxinas 1841-1856
DOI https://doi.org/10.17979/ams.2015.02.020.1702
Recibido: Jun 12, 2016
Copyright Como citar

Resumo

Frente à crise ambiental contemporânea a sociedade passa a ver a necessidade de repensar sobre a conservação dos recursos naturais. Através da história vê-se que as populações tradicionais possuem um sistema de relações com o meio natural mais apropriado ecologicamente do que os adotados na atualidade. Precisamos incentivar a comunidade acadêmica a adotar um olhar diferenciado para estes conhecimentos, buscando uma mescla entre os conhecimentos populares e acadêmicos. Este artigo busca apresentar um exemplo teórico de conhecimento tradicional convertido em benefícios à população e ao meio ambiente. Inicialmente buscamos contextualizar os saberes populares, destacando a importância do resgate destes saberes no âmbito da educação formal. Após mostramos o saber popular da utilização de algas e, finalizamos com um estudo teórico sobre as características e possibilidades de aplicações existentes destas no nosso cotidiano. Verifica-se emprego na indústria alimentar, na agricultura, em empresas de cosméticos, em biomateriais, em tratamentos de esgoto e água, entre outros. Devemos incentivar uma educação crítica, dialógica e que promova uma consciência planetária. O resgate às crenças e culturas populares pode e deve nos despertar curiosidade e ser promotor de conhecimentos, pois dessa forma as chances de êxito na sustentabilidade dos recursos são aumentadas.

Descargas

Os datos de descarga non están aínda dispoñibles.

Detalles do artigo

Citas

ALVARENGA DE SOUZA, Neemias (2013). Células vegetais. Disponível em:

ALVES, Ana e TEIXEIRA FERNANDES, André Luis (2015). Composto de algas traz maior produtividade ao café. Revista Campo e Negócios. Ddisponível em: ˂http://www.revistacampoenegocios.com.br/composto-de-algas-traz-maior-produtividade-ao-cafe/˃ Acesso em dois de abril de 2015.

CASTILHOS, Washington (2008). Biodiesel feito de algas. FAPESP. Disponível em: ˂http://agencia.fapesp.br/biodiesel_feito_de_algas/9839/˃ Acesso em 18 de abril de 2015.

CORDELIA, Sealy (2015). Algae breathe new life into tissue engineering. Disponível em: ˂http://www.materialstoday.com/biomaterials/news/algae-breathe-new-life-into-tissue-engineering/˃ Acesso em 02 de junho de 2015.

COSTA, E. S. e SANTOS, J. P. (2012). Botânica no Inverno 2012.Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo.

CUNHA, P. L. (2006) Desenvolvimento de polissacarídeos com ação terapêutica em osteoartrite-Dissertação (Doutorado Engenharia Química) Universidade Federal do Ceará. Disponível em <http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/2279/1/2006_Te_Pab_Cunha.pdf> Acesso em 27 de fevereiro de 2014.

CUNHA, P. L. et al (2009). Polissacarídeos da biodiversidade brasileira: uma oportunidade de transformar conhecimento em valor econômico - Quím. Nova vol.32 nº 3. São Paulo. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-40422009000300009&script=sci_arttext> Acesso em 13 de março de 2014.

CURSINO DOS SANTOS, D. Y. et al (2008). A botânica no cotidiano. Curso de atualização de professores de Educação Básica: a botânica no cotidiano. Instituto de Biociências.

DA COSTA, Matheus Antonio et al. (2013). O uso de macroalgas marinhas na agricultura. Acta Iguaçu ISSN: 2316-4093. Disponível em: ˂file:///C:/Users/Gar%C3%A7a/Downloads/10398-37300-1-PB.pdf˃ Acesso em 01 de fevereiro de 2015.

DANIEL (2007). Abasteça seu carro com algas. Eco tecnologia. Disponível em:https://ecotecnologia.wordpress.com/category/creditos-de-carbono/˃ Acesso em 01 de junho de 2015.

DE OLIVEIRA GONÇALVES, Marcos Vinícius e BELUTTIVOLTOLINI, Giovani (2015). Fertilizantes com algas promovem o efeito fisioativador. Revista Campo e Negócios. Disponível em: ˂http://www.revistacampoenegocios.com.br/fertilizantes-com-algas-promovem-o-efeito-fisioativador/˃ Acesso em 01 de junho de 2015.

DIAS, Gilberto T. M. (2000). Granulados bioclásticos – Algas calcárias. Rev. Bras. Geof. vol.18 no.3 São Paulo.

DOS SANTOS, R. C. (2008). Eletrodo modificado com nanocompósitos eletroativos à base de polissacarídeos naturais e polímeors condutores: caracterização eletroquímica e espectroscópica - Universidade Federal do Piauí.

FACCINI, A. L. (2007). Importância economica e cultivo de algas marinhas. 5º Simpósio de Biologia da Unisanta. Disponível em <http://sites.unisanta.br/simposiobiomar/2007/downloads/material/apostila%20do%20curso%20economica%20e%20cultivo.pdf˃ Acesso em 30 abril de 2014.

FERREIRA, Jorge (2013). As algas - um fertilizante agrícola tradicional a reutilizar. Revista online de Cristina Sales.

FLORÊNCIO, I. M. (2012). Estudo da Extração De Ágar da Macroalga Gracilaria caudata J. Ágardh para Utilização em Fins Alimentícios - Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/viewFile/1299/pdf_438> Acesso em 30 de março de 2014.

FLORIDO, Francisco (2010). O Sargaço - Fertilizante Marinho. Associação movimento terra solta. Disponível em: ˂http://terrasolta.org/2010/08/o-sargaco-fertilizante-marinho˃ Acesso em 30 de fevereiro de 2015.

HAYASHI, L. (2007). Contribuição à maricultira da alga vermelha Kappaphycus alvarezzi (Rhodophyta, Solieriaceae) para produção de carragenana - Dissertação (Doutorado Ciências Botânica) - Universidade de São Paulo. São Paulo.

LIMA DE ARAÚJO, Weliton Eduardo e PASQUALETTO, Antônio (2005). Utilização de algas no tratamento de efluente doméstico. Universidade Católica de Goiás.

LIMA, T. d. (2013). Perfil de textura de géis aquosos elaborados a partir da iota-carragenana da alga marinha vermelha Solieria filiformis. Anais do 3º Simpósio de Bioquímica e Biotecnologia. Londrina. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/bbr/article/viewFile/15835/12986> . Acesso em 20 de março de 2014.

LUDWIG SCHENCK, Thilo. Et al. (2015). Photosynthetic biomaterials: A pathway towards autotrophic tissue engineering. Acta Biomater.

MACHADO SILVEIRA, Elaine. 2014. A educação ambiental dialogando com os saberes populares e escolares. X ANPED SUL, Florianópolis. Disponível em: ˂http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/697-0.pdf˃ Acesso em 02 de março de 2015

MARTINS, J. M. (2010). Uso da babosa (Aloe vera) na reparação de feridas abertas provocadas cirurgicamente em cães. Universidade Federal de Campina Grande. Disponível em: <http://www.cstr.ufcg.edu.br/grad_med_vet/mono2010_1/mono_juliana.pdf> Acesso em 05 de abril de 2014.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich (2011). A ideologia alemã. Martins Fonte, versão traduzida. São Paulo.

NODA, H. (1993). Health benefits and nutritional properties of Nori - Journal of Applied.

ONOFRE, N et al. (2012). A elaboração de filmes baaseados em ágar com incorporação de nanopartículas de prata. Congresso Latino Americano de Orgãos Artificiais e Biomateriais - Natal/RN.

PEREIRA, L. C. (2004). Estudos em macroalgas carragenófitas (Gigartinales, Rhodophyceae) da costa portuguesa - aspectos ecológicos, bioquímicos e citológicos - Dissertação (Doutorado Biologia Celular). Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra.

PEREIRA, L. et al. (2007). Análise comparativa dos ficocolóides produzidos por algas carragenófitas usadas industrialmente e algas carragenófitas portuguesas . Um mar de oportunidades – Viana do Castelo.

PEREIRA, Leonel (sd). As Algas Marinhas e Respectivas Utilidades. Departamento de Botânica Universidade de Coimbra.

PINTO MOREIRA, M. F. (2000). Secagem de gel ágar - Dissertação (Mestrado em Engenharia Química) Universidade de São Carlos.

RAMANI, G. et al. (2013). Seaweeds: a novel biomaterial-Academic Sciences - International Journal of Pharmacy and Pharmaceutical Sciences-Vol 5, Suppl 2. Disponível em: <http://www.ijppsjournal.com/Vol5Suppl2/6880.pdf> Acesso em 20 de abril de 2014.

RESENDE, Natália (2013). Algas, um ótimo isolante térmico para Construção Civil. Blog Engenharia civil Universidade Federal de Juiz de Fora. Disponível em: ˂http://blogdopetcivil.com/2013/07/29/algas-um-otimo-isolante-termico-para-construcao-civil/˃ Acesso em 05 de março de 2015.

RITEL, Marco. (2008). Longe do oriente, comer alga é hábito comum. Agencia Universitária de Notícias USP.

SANTOS, J. P. (2011). Avaliação do teor e análise qualitativa do ágar das espécies Gelidella Aceros (Forsskal) Feldmann and G. Hamel (Gelidiales, Rhodophyta) e Gracilaria Domingenis (Kutzing) Sonder Ex Dickie em costões rochosos dos municipios de Ilhéus e Uruçuca. Dissertação (mestrado em Biotecnologia) Universidade Estadual Feira de Santana. BA. Disponível em: <http://www2.uefs.br/ppgbiotec/portugues/arquivos/corpo%20discente/mestrado/2009/janaina_pires_santos-dissertacao.pdf> Acesso em 20 de março de 2014.

SOARES, M. P. (2012). Análise em vitro da biocompatibilidade de três membranas bioabsorvíveis. Dissertação (Mestrado Odontologia) Universidade Federal Uberlandia. Minas Gerais. Disponível em: <http://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/2615/1/AnaliseInVitroBiocompatibilidade.pdf> Acesso em 16 de março de 2014.

VALENTIN, Y. Y. (2010). Ciências do Mar: herança para o futuro. Anais da 62ª Reunião Anual da SBPC. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, RN.