A Interpretação Ambiental a partir de Olhos Proativos

  • Edione Teixeira de Carvalho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso IFMT
  • Manuel Gozález Herrera Universidad Autónoma de Ciudad Juarez

Abstract

A interpretação ambiental é uma via de informação, reflexão e sensibilização no sentido promover a compreensão das mais diversas e complexas questões inerentes ao ambiente natural, cultural e social, através de um olhar crítico e reflexivo, viabilizando ações que promovam experiências de uso sustentável dos recursos naturais e culturais. Nesta perspectiva, a interpretação ambiental, enquanto via pedagógica e recurso metodológico, constitui-se em uma valiosa estratégia de otimização das interações entre o ser humano e seu contexto. A Proatividade é um conceito incipiente no mundo das corporações e trabalho. Pessoas proativas têm maiores possibilidades de conseguirem resultados exitosos e  superarem os enfrentamentos do cotidiano. Nesta perspectiva, os olhos dos educadores devem ser educados para verem um mundo de possibilidades e, assim, serem protagonistas e disseminadores de uma mensagem motivadora e que proporcione ações sustentáveis e significativas aos seus alunos. Esta investigação é resultado de uma pesquisa bibliográfica e tem como objetivo proporcionar uma reflexão que contribua para uma nova postura e uma releitura proativa dos enfrentamentos cotidianos do aluno, a partir de uma educação norteada pela cultura ambiental, que busca alcançar resultados que efetivamente promovam a construção de uma sociedade cultural, social e economicamente sustentável.

References

ALVES, Rubem. (1994). A alegria de ensinar. 3 ed. São Paulo: ARS Poética Editora.

ALVES, Rubem. (2008). Conversas com quem gosta de ensinar. 10ª ed. Campinas, SP : Papirus.

ANZOLA, R. (1995). Manual curso diseño del producto de ecoturismo. Washington D.C. : Instituto Interamericano de Turismo.

BATEMAN, T. S., & CRANT, J. M. (1993). The proactive component of rganizational behavior: a measure and correlates. Journal of Organizational Behavior.

BATEMAN, T. S., & CRANT, J. M. (1999). Proactive Behavior: Meaning, Impact, Recommendations. Business Horizons.

BOULLÓN, R. (1997). Planificación del espacio turístico. México: Editorial Trillas.

CAMPOS, Ângelo N. (2006). Turismo: a relação do ecoturismo e das trilhas interpretativas. Revista Espaço Acadêmico, ano V no. 57.

CARVALHO, Edione T. (2007). Estrategia de Superación Profesional para contribuir a la formación de la cultura ambiental de los professores de Campo Verde-MT, Brasil. Tese de Doutorado em Ciências Pedagógicas. Universidad Central Marta Abreu de Las Villas – Cuba. Santa Clara.

CEBALLOS-Lascurain, H. (1993). El ecoturismo y las áreas protegidas en América Latina y el Caribe. Flora. En: Fauna y áreas silvestres. Chile, FAO-PNUM.

COVEY, Stephen R. (2009). Os 7 Hábitos das pessoas altamente eficazes. 33ª ed. Rio de Janeiro: Best Seller.

CROSBY, A. y otros (1994). Interpretación ambiental y turismo rural. Madrid : Centro Europeo de Formación Ambiental y Turística.

FREIRE, Paulo. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 30. ed. São Paulo : Paz e Terra, Coleção Leitura.

GADOTTI, M. (2002). A boniteza de um sonho: ensinar e aprender com sentidos. São Paulo: Cortez.

GONZÁLEZ, A. y M. A. CASTAÑEIRA /Coordinadores/(SA). Curso de áreas protegidas de Cuba y conservación del patrimonio natural. Tabloide y apuntes de Universidad Para Todos. CITMA. Grupo de Edición Editorial Academia. La Habana.

MARTÍNEZ, R. y Juarrero de Verona, C. (1999). Manual. Curso Taller de Interpretación Ambiental en Áreas Protegidas. Topes de Collantes. 13 al 18 de septiembre de 1999. Centro Nacional de Áreas protegidas, CITMA. Cuba.

MASON, J. (2007). Imitar é Limitar: seja a pessoa única que Deus projetou. São Paulo: Vida.

MICALDAS, André C. (2004). Iniciação à interpretação ambiental. Módulo I. Rio de Janeiro : [s. n.].

MURTA, Stela Maris; GOODEY, Brian. (2002). Interpretação do patrimônio para visitantes: um quadro conceitual. In: MURTA, Stela Maris; ALBANO, Celina (org). Interpretar o patrimônio: um exercício do olhar. Belo Horizonte : UFMG.

SCHWARZER, R. (1999). Proactive Coping Theory. Paper presented at the 20th International Conference of the Stress and Anxiety Research Society (STAR), Cracow, Poland.

SOLAR Navarro, María del Pilar. (2003). Elaboración de un plan de interpretación ambiental sobre flores nativas en el Valle Las Trancas. Santiago de Chile : Pontificia Universidad Católica de Chile-Facultad de Agronomía e Ingeniería Forestal. Disponible en: http://www.puc.cl/agronomia/2_alumnos/ProyectosTitulos/pdf/CienciasForestales/MaPiedaddelSolar.pdf Acceso en: 15 de octubre de 2005.

SPIX, J. B. von, MARTIUS, C. F. P von. (1976). Viagem pelo Brasil. São Paulo : Melhoramentos; Brasília : INL/MEC.

VASCONCELOS, Jane Maria. (1997). Trilhas interpretativas como instrumento de educação. In: Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, Anais. Vol. I. Curitiba-PR. IAP; Unilivre: Rede Nacional Pró Unidade de Conservação. Curitiba.

Section
Environmental education, interpretation and conservation