As cores no procesamiento do significado

proverbios e sinestesia

  • José Teixeira Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho

Resumo

Os fenómenos de sinestesia são entendidos e referidos de forma diferente dentro da Psicologia e da Retórica clássica. Ambas as áreas entenderem a sinestesia como uma perceção que cruza estímulos de diferentes áreas sensoriais, verificando-se quando o indivíduo refere determinada perceção através de estímulos de uma área percetiva habitualmente ligados a uma outra área de perceção (associar, por exemplo, letras a cores). Dentro da Psicologia, a sinestesia é habitualmente ligada às patologias, considerando-se as ligações sinestésicas como ligações não normais; dentro da Retórica clássica, é entendida como um artifício da linguagem (uma “figura de estilo”) que permite embelezar a expressividade verbal. Os estudos mais recentes dentro da cognição, no entanto, parecem evidenciar a não aleatoriedade completa das sinestesias, mesmo dentro dos chamados cérebros sinestetas. A ser assim, os fenómenos ditos de sinestesia, como associar uma cor a uma letra, a um som, a uma palavra ou frase não diretamente referente a cor, não serão tão aleatórios como aparentemente pareciam ser. Para tentar perceber a maior ou menor arbitrariedade e aleatoriedade da associação entre cores e estruturas linguísticas de significado relativamente autónomo como os provérbios, realizamos 843 inquéritos que incluíam 9 provérbios não diretamente ligados a cor (como por exemplo “quem tudo quer, tudo perde”). Pedia-se que o inquirido associasse uma cor ao provérbio apresentado. A finalidade será a de, desta forma, verificar até que ponto se pode encontrar alguma sistematicidade no processamento linguístico-cognitivo de associação entre a cor o significado de palavras e frases que não incluem referências diretas a cores.

Citas

Beeli, Gian, & Esslen, Michaela, & Lutz Jäncke (2007). “Frequency Correlates in Grapheme-Color Synaesthesia”, Psychological Science, Vol. 18, N.º 9, 788-792.

Brang, David; Rouw, Romke; Ramachandran, V.S.; Coulson, Seana (2011). “Similarly shaped letters evoke similar colors in grapheme–color synesthesia”, Neuropsychologia, 49, 1355-1358.

Chomsky, Noam (1957). Syntactic Structures. The Hague / Paris: Mouton

Damásio, António (2010). O livro da Consciência - A Construção do Cérebro Consciente, Temas e Debates, Círculo de Leitores.

Teixeira, José (SD1) “Significado e cores de nove provérbios portugueses sem cor” (em fase de publicação).

Teixeira, José (SD2) “Colorful ideas sleep cognitively: from mental images and synesthesia to ‘syntonymy’” (em fase de publicação).

Yokoyama, Takemasa, & Noguchi, Yasuki, & Koga, Hiroki, & Tachibana, Ryosuke, & Saiki, Jun, & Kakigi, Ryusuke, & Kita, Shinichi (2014). “Multiple neural mechanisms for coloring words in synesthesia”, NeuroImage, 94, 360-371.

Publicado
2018-12-30
Como citar
Teixeira, J. (2018). As cores no procesamiento do significado. Revista Galega De Filoloxía, 19, 131-149. https://doi.org/10.17979/rgf.2018.19.0.4950
Sección
Artigos