Contenido principal del artículo

  • Givanildo da Silva Nery
  • Rosely Cabral de Carvalho
  • Sinara de Lima Souza
  • Luzimara Gomes Melo
  • José Eduardo Ferreira Santos
Givanildo da Silva Nery
https://orcid.org/0000-0001-9004-8689
Rosely Cabral de Carvalho
Bulgaria
https://orcid.org/0000-0002-1060-2780
Sinara de Lima Souza
Brasil
https://orcid.org/0000-0001-8003-2093
Luzimara Gomes Melo
Brasil
José Eduardo Ferreira Santos
Brasil
https://orcid.org/0000-0003-2949-6022
Vol. 9 Núm. 2 (2019), Artículos, Páginas 59-76
DOI: https://doi.org/10.17979/relaso.2019.9.2.6827
Recibido: jul 13, 2020 Aceptado: jul 13, 2020 Publicado: feb 14, 2021
Derechos de autoría Cómo citar

Resumen

Informe sobre la experiencia del uso de la metodología de Muestreo conducido por encuestados (RDS), en una encuesta a 86 adolescentes de la calle en una ciudad de Bahía. Objetivo: describir las principales etapas de implementación del método, sus límites y posibilidades. Para la recopilación de datos, se realizó un mapeo geográfico (mercados abiertos, semáforos, carreteras), utilizando ondas de reclutamiento e identificación de las semillas de los sujetos dentro de la población objetivo. Se encontró que el reconocimiento de la pluralidad de formas de vida, las características de los territorios investigados y las experiencias itinerantes de los adolescentes en la calle influyen en la determinación de los límites y las posibilidades de utilizar la técnica. La dinámica social y la movilidad activa de los adolescentes son características que representan desafíos para replicar el estudio con la misma población y territorio

Detalles del artículo

Referencias

Adorno, R. C. F (2011). Crianças, Adolescentes e Jovens: exclusão, Vulnerabilidade, Cidadania e Modos de Vida: uma aproximação aos circuitos de trânsito pelas ruas. In: Silva, E. A., & Micheli, D. (Org.). Adolescência uso e abuso de drogas: uma visão integrativa (pp. 303-314). São Paulo: Editora FAP-UNIFESP.

Baptista, J.C. (2016). Prevalência de HIV e de sífilis e seus fatores de risco em pessoas que usam substâncias psicoativas em cidades brasileiras. (Tese de Doutorado). Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Bittencourt, A. L. P.; França, L.G.; & Goldim, J.R. (2015). Adolescência vulnerável: fatores biopsicossociais relacionados ao uso de drogas. Revista Bioética, 23(2), 311-319. https://dx.doi.org/10.1590/1983-80422015232070

Brasil. (2009). Rua: aprendendo a contar: Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Brasil. (2019). População em Situação de Rua no Brasil: o que os dados revelam? Brasília: Ministério da Cidadania.

Brignol, S., Kerr, L., Amorim, L. D., & Dourado, I. (2016). Fatores associados a infecção por HIV numa amostra respondent-driven sampling de homens que fazem sexo com homens, Salvador. Revista Brasileira de Epidemiologia, 19(2), 256-271.

Carvalho, R.C; Nery, G. S.; Souza, S. L.; Melo, L. G.; Silva, L. C. L.; Santos, J. E. F. (2019). Adolescentes em situação de rua e uso do respondent driven sampling (rds): limites e possibilidades. Anais: Atas CIAIQ 2019 Investigação Qualitativa em Ciências Sociais, v. 3. p. 387-395.

Damacena, G. N., Szwarcwald, C. L., & Barbosa- Junior, A. (2011). Implementation of respondent-driven sampling among female sex workers in Brazil, 2009. Cadernos de Saúde Pública (ENSP. Impresso), v. 27, p. S45-55.

Escorel, S. (2009). A saúde das pessoas em situação de rua. In BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. (Org.). Rua - aprendendo a contar: Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua.

Distrito Federal: Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação, Secretaria Nacional de Assistência Social.

Heckathorn, D. (1997). Respondent-driven sampling: a new approach to the study of hidden populations. Social Problem, 44(2), 174-199.

Kendall, C. (2006). Respondent Respondent-Driven Sampling (Amostragem Conduzida pelo Entrevistado) (Apresentação de Power Point). New Orleans, LA, EUA: FIOCRUZ.

Koller, S. H., & Hutz, C. S. (1997). Questões sobre o desenvolvimento de crianças em situação de rua. Estud. psicol, 2(1), 175-197.

Kunz, G.S., Heckert, A.L., & Carvalho, S.V. (2014). Modos de vida da população em situação de rua: inventando táticas nas ruas de Vitória/ES. Fractal: Revista de Psicologia, 26(3), 919-942.

Macerata, I.; Soares, J. G. N.; Ramos, J.F.C. (2014). Apoio como cuidado de territórios existenciais: Atenção Básica e a rua. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 18, supl. 1, p. 919-930.

Martins, R. A. A. (1996). Criança e o Adolescente em Situação de Rua: Definições, Evolução e Políticas de Atendimento. Coletâneas da Anpepp, 1(12), 35-44.

Matias, H.J.D. (2011). Jovens em situação de rua: espaço, tempo, negociações de sentido. Psicologia & Sociedade, 23(2), 237-247.

Mello, S.L. (2001). A violência Urbana e a Exclusão dos Jovens. In: SAWAIA, Bader. As artimanhas da exclusão: analise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Editora Vozes, 2ed.

Moura, Y. G., Silva, E. A., & Noto, A. R. (2009). Redes sociais no contexto de uso de drogas entre crianças e adolescentes em situação de rua. Psicol. pesq., 3(1), 31-46.

Morell, M.G.G, Silva, N.G., Lacerda, G.M. & Araújo, N. (2010). A efetividade do uso da metodologia respondent driven sampling para vigilância comportamental do HIV em trabalhadoras do sexo na cidade de Santos. In: XVII Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Anais eletrônicos: MG- Brasil, de 20 a 24 de setembro.

Nascimento, A. (2009). Uso de solventes por crianças e adolescentes em situação de rua no Distrito Federal. (Dissertação de Mestrado) Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília. Recuperado de http://repositorio.unb.br/handle/10482/3868

NASTAD. National Alliance of State & Territorial AIDS Directors (2014). Respondent-Driven Sampling: A Resource Guide for Steering Committee Members. EUA: NASTAD.

Neiva-Silva, L., & Koller, S. H. (2002). A rua como contexto de desenvolvimento. In Lordelo, E. R., Carvalho, A. M. A., & Koller S. H. (Orgs.). Infância brasileira e contextos de desenvolvimento. (pp. 205-230). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Nery, G. S. (2018). Fatores de risco ao uso e abuso de substâncias psicoativas em adolescentes em situação de rua na cidade de Feira de Santana-Bahia. 82f. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia.

Pinho, A. (2010). Pesquisa RDS em homens que fazem sexo com homens. In. Seminário estudos e pesquisas em DST/HIV/AIDS: determinantes epidemiológicos e sociocomportamentais. Anais: ABIA, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Santos N. T. V. (2013). Vulnerabilidade e prevalência de HIV e sífilis em usuários de drogas no Recife: resultados de um estudo respondent-driven sampling. (Tese de Doutorado), Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Recife, PE, Brasil.

Schenker, M. & Minayo, M.C.S. (2005). Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 707-717.

Schonlau, M., & Liebau, E. (2012). Respondent-driven sampling. Stata Journal, 12(1), 72-93.

Schwonke, C.R.G.B; Fonseca, A.D; Gomes, V.L.O. (2009). Vulnerabilidades de adolescentes com vivências de rua. Rio de Janeiro, Esc. Anna Nery, v. 13, n. 4, p. 849-855, Dez.

Trino, A. T., Machado, M. P. M., & Rodrigues, R.B. (2015). Conceitos norteadores do cuidado junto à população em situação de rua. In Teixeira, M., & Fonseca, Z. (Orgs.). Saberes e Práticas na Atenção Primária à Saúde: cuidado à população em situação de rua e usuários de álcool, crack e outras drogas. (1a ed., pp. 27-44.). São Paulo: Hucitec.

Varanda, W., & Adorno, R. C. F. (2004). Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e Sociedade, 13(1), 56-69.

Veloso Filho, C. L. (2013). Cenas de uso de crack no município do Rio de Janeiro: perfil em 2011/2012. 2013. Tese (Epidemiologia em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro.