A emerxencia da educación pública nas cidades da América portuguesa durante os séculos XVIII e XIX

Palabras chave reformas pombalinas, ensino rexio, poder local, poder municipal, Brasil

Resumo

As reformas pombalinas da educación tiveron impacto diferenciado nas diversas capitanias de América portuguesa debido ás condicións locais relacionadas, principalmente, coa presenza ou ausencia da Compañía de Jesus e doutras ordes relixiosas. Na Capitania de Minas Xerais a prohibición da instalación desas ordes relixiosas, desde o inicio do século XVIII, permitiu á poboación local, conforme a súa calidade e condición, buscar formas particulares para a educación dos seus fillos e dependentes. A creación do ensino rexio, a partir de 1759, asociada en 1772 á imposición do seu medio de financiamento -o subsidio literario-  trouxo novas perspectivas pero tamén conflitos, que interpuxeron o poder local e os seus representantes, os profesores rexios e a Coroa. As clases rexias, primeira experiencia concreta da escola pública estatal na rexión, emerxeron como valor e como aparello, tamén, de poder, e medida das forzas políticas e sociais. Este artigo ten como obxectivo analizar esas relacións a partir da actuación dos principais axentes municipais, dos profesores rexios e do poder central, no proceso de construción do lugar social da escola pública no espazo urbano colonial da rexión das Minas.

Citas

Adão, Áurea. Estado absoluto e ensino das primeiras letras. As escolas régias, 1772-1794 (Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997).

Andrade, Francisco Eduardo de. A invenção das Minas Gerais. Empresas, descobrimentos e entradas nos sertões do ouro na América portuguesa (Belo Horizonte: Autêntica, 2008).

Araújo Silva, José Carlos de. “As aulas régias na Capitania da Bahia (1759-1827): pensamento, vida e trabalho de “nobres” professores” (Tese de Doutoramento, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2006).

Araújo, Ana Cristina. A cultura das luzes em Portugal (Lisboa: Livros Horizonte, 2003).

Araújo, Ana Cristina. O Marquês de Pombal e a Universidade (Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014.

Azevedo, Fernando de. A cultura brasileira (Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1963).

Banha de Andrade, António Alberto. A reforma pombalina dos estudos secundários no Brasil (São Paulo: Saraiva/Edusp, 1978).

Boto, Carlota. Instrução pública e projeto civilizador. O século XVIII como intérprete da ciência, da infância e da escola (São Paulo: Editora Unesp, 2017).

Cardoso, Tereza Maria Rolo Fachada Levy. As luzes da educação: fundamentos, raízes históricas e prática das aulas régias no Rio de Janeiro, 1759-1834 (Bragança Paulista, SP: Editora da Universidade São Francisco, 2002);

Carvalho, Rómulo de. História do Ensino em Portugal (Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.

Dados sobre a instrucção pública, 1814”, Revista do Arquivo Público Mineiro, v.VII, n. II-IV (1902): 989.

Fonseca, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas d´el Rei. Espaço e poder nas Minas setecentistas (Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011).

Fragoso, Myriam Xavier. “O ensino régio na Capitania de São Paulo, 1759-1801” (Tese de Doutoramento), Universidade de São Paulo, 1972.

Lima e Fonseca, Thais Nívia de. “As câmaras e o ensino régio na América portuguesa”, Revista Brasileira da História, v.33, n.66 (2013): 229-246.

Maxwell, Kenneth. Marquês de Pombal, paradoxo do Iluminismo (Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996).

Mello e Souza, Laura de. Desclassificados do ouro. A pobreza mineira no século XVIII (Rio de Janeiro: Graal, 1982).

Mello e Souza, Laura de. O sol e a sombra. Política e administração na América portuguesa do século XVIII (São Paulo: Companhia das Letras, 2006), 15.

Menezes e Oliveira, Pablo. “Entre cartas, panos, tintas e coração: representação e prática política das Casas de Câmara na Capitania de Minas Gerais, século XVIII”, In As Minas e o Império: dinâmicas locais e projetos coloniais portugueses, org. Adriano Toledo Paiva e Pablo Menezes e Oliveira (Belo Horizonte: Fino Traço, 2013), 161.

Paulo da Silva, Adriana Maria. Processos de construção das práticas de escolarização em Pernambuco em fins do século XVIII e primeira metade do século XIX (Recife: Editora da UFPE, 2008).

Ramos de Carvalho, Laerte. As reformas pombalinas da instrução pública (São Paulo: Saraiva/Edusp, 1978).

Silveira, Marco António. O universo do indistinto. Estado e sociedade nas Minas setecentistas, 1735-1808 (São Paulo: Hucitec, 1997).

Souza Dourado, Nileide. “Práticas Educativas Culturais e Escolarização na capitania de Mato Grosso, 1748-1822” (Tese de Doutoramento, Universidade Federal de Mato Grosso, 2014).

Fontes documentais:

Alvará de Regulamento dos Estudos Menores, de 28 de junho de 1759, disponível em http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/

Alvará de 4 de Junho de 1771, disponível em http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/

Arquivo Público Mineiro/Secretaria de Governo da Capitania/Seção Colonial. SC-394, fls. 47-47a.

Carta de Lei de 10 de Novembro de 1772 e Instrucções de 4 de Setembro de 1773. Disponível em http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/

Carta de Lei de 10 de novembro de 1772, disponível em http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/

Carta de Luis Antonio Bernardes de Carvalho, Arquivo Histórico Ultramarino/Projeto Resgate, Capitania de Minas Gerais, Cx.139-Doc.26.

Consulta do Conselho Ultramarino sobre a representação que fizeram os oficiais da Câmara de Vila Nova da Rainha, em 12 de setembro de 1778, Arquivo Histórico Ultramarino/Projeto Resgate, Capitania de Minas Gerais, Cx. 113-Doc.32

Petição que fazem os oficiais da Câmara, solicitando que seja nomeado um mestre, Arquivo Público Mineiro/Secretaria de Governo da Capitania, 22 de maio de 1817, SG-Cx.101-Doc.72.

Petição que fazem os oficiais da Câmara. Arquivo Público Mineiro/Secretaria de Governo da Capitania, Cx.93-Doc.32.

Representação que fazem os oficiais da Vila Nova da Rainha do Caeté, pedindo a criação de uma cadeira de Gramática Latina, Arquivo Público Mineiro/Secretaria de Governo da Capitania, 17 de outubro de 1806, SG-Cx.68-Doc.14.

Representação da Câmara da Vila de São José del Rei ao Governador, Arquivo Público Mineiro/Secretaria de Governo da Capitania, SG-Cx.39-Doc.06.

Requerimento dos moradores do continente e Campanha do Rio Verde. Arquivo Histórico Ultramarino/Projeto Resgate, Capitania de Minas Gerais, Cx.131-Doc.37.

Requerimento dos moradores do continente e Campanha do Rio Verde. Arquivo Histórico Ultramarino/Projeto Resgate, Capitania de Minas Gerais, Cx.131-Doc.38.

Requerimento de Francisco José de Sampaio, Arquivo Histórico Ultramarino/Projeto Resgate, Capitania de Minas Gerais, Cx.134-Doc.1.

Publicado
2019-12-23
Como citar
Fonseca, T. (2019). A emerxencia da educación pública nas cidades da América portuguesa durante os séculos XVIII e XIX. Sarmiento. Revista Galego-Portuguesa De Historia Da Educación, 23, 13-30. https://doi.org/10.17979/srgphe.2019.23.0.5874
Sección
Monografía. Municipios e Educación