As vogais medias átonas finais no portugués brasileiro do século XIX

  • Eliane Da Rosa
Palabras chave elevación, vogais medias átonas finais, portugués brasileiro oitocentista

Resumo

Este traballo buscou investigar o fenómeno de elevación das vogais medias átonas finais no portugués brasileiro do século XIX, a partir dos presupostos teórico-metodolóxicos da Sociolinguística Histórica (Romaine 2009 [1982]) e dos preceptos do Princípio do Uniformitarismo (Whitney 1867 / Labov 1994 / Labov 2008 [1972] / Joseph / Janda 2003). Para a execução da análise dos dados, foram utilizados dous tipos de datos empíricos: a evidencia directa (obras metalingüísticas e didácticas) e a evidencia indirecta (correspondencias da Coleção Varela). Os resultados da análise permitiron constatar que a elevación das vogais átonas finais /e/ e /o/ xa actuaba no portugués brasileiro oitocentista.

Citas

Azevedo, M. M. (2005): Portuguese: a linguistic introduction (Cambridge: Cambridge University Press).

Beal, J. C. (2012): “Evidence from sources after 1500”, em Nevalainen, T. / Traugott, El. (eds.), The oxford handbook of the history of english (New York: Oxford Univserity Press).

Berwanger, A. R. / Leal, J. E. Franklin (2012): Noções de paleografia e de diplomática (Santa Maria: Editora UFSM).

Bisol, L. (2003): A neutralização das átonas. Revista Letras, n. 61, 273-283. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/letras/article/view/2891 [consult. 20.12.2014].

Cardeira, E. (2009): “A pronúncia do português” em Actas do Simpósio A pronúncia do português europeu cantado (Lisboa: Universidade Nova de Lisboa). Disponível em: http://www.caravelas.com.pt/actas_cardeira.pdf [consult. 23.10.2014].

Carniato, M. C. (2000): A neutralização das vogais postônicas finais na comunidade de Santa Vitória do Palmar. 110 f. Dissertação (Mestrado em Letras) –Universidade Católica de Pelotas, Pelotas.

Carvalho, M. J. (2005): “On the origin of the final unstressed [i] in Brazilian and other varieties of Portuguese: new evidence in an enduring debate”, em Fortescue, Michael D. (org). Historical linguistics 2003 (Amsterdam/Philadelphia: Johns Benjamins Publishing).

Carvalho, J.G. Herculano de (1984): “Nota sobre o vocalismo antigo português: valor dos grafemas e e o em sílaba átona”, em Carvalho, J. G. Herculano de, Estudos linguísticos. V. 2 (Coimbra: Coimbra Editora Limitada).

Fitzmaurice, S. / Smith, J. (2012): “Evidence for the history of English: introduction”, em Nevalainen, T./ Traugott, E.(eds.). The oxford handbook of the history of english (New York: Oxford Univserity Press).

Fonte, J. Simões (2010). O sistema vocálico do português arcaico visto a partir das Cantigas de Santa Maria. 236 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista.

Hale, M. (2007): Historical linguistics: theory and method (Malden: Blackwell Publishing).

Hart, T. (1955): Notes on sixteenth-century Portuguese pronunciation. Word, 11, 404-415.

Joseph, B. D. / Janda, R. D. (eds.) (2003): The handbook of historical linguistics (Oxford: Blackwell Publishing).

Joseph, B. D. / Janda, R. D. (eds.) (2011): Historical linguistics and sociolinguistics: strange bedfellows or natural friends? Disponível em: http://www.ling.ohio-state.edu//~ddurian/AWAC/Joseph_2011.pdf [consult. 17.06.2014].

Kretzschmar Jr., W.A. / Stenroos, M. (2012): “Evidence from surveys and atlases in the history of English language”, em Nevalainen, T. / Traugott, E. (eds.). The oxford handbook of the history of English (New York: Oxford Univserity Press).

Labov, W. (2008) [1972]: Padrões sociolinguísticos (São Paulo: Parábola Editorial).

Labov, W. (1994): Principles of linguistic change: internal factors. V. 1. (Cambridge: Blackwell).

Lass, R. (2000): Historical linguistics and language change (Cambridge: Cambridge University Press).

Maia, C. de Azevedo (1986): História do galego-português: estado linguístico da Galiza e do noroeste de Portugal desde o século XIII ao século XVI (Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica).

Marquilhas, R., Dúvida sobre o termo vogais “mudas” no século XIX. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por en 24.01.2015.

Marquilhas, R. (2003): “Mudança analógica e elevação das vogais pretônicas” em Castro, I. / Duarte, I. (orgs.), Razões e emoção. Miscelânea de estudos em homenagem a Maria Helena Mira Mateus (Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda).

Mcenery, T. / Wilson, A. (2001) [1996]: Corpus linguistics: an introduction (Edinburgh: Edinburgh University Press).

Mendes, U. D. (1953): Noções de paleografia (São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo).

Mileski, I. (2013): A elevação das vogais médias átonas finais no português falado por descendentes de imigrantes poloneses em Vista Alegre do Prata-RS. 152 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Milroy, L. / Gordon, M. (2003): Sociolinguistics: method and interpretation (Oxford: Blackwell Publishing).

Monaretto, V. Neto de Oliveira (2013): “Valor fonético das vogais médias postônicas em jornais oitocentistas gaúchos”. Diadorim 14, 77-98. Disponível em: http://www.revistadiadorim.letras.ufrj.br [consult. 22.06.2014].

Montgomery, M. (1995): “The Linguistic Value of Ulster Emigrant Letters”. Ulster Folklife 41, 1-16.

Montgomery, M. (2007): “Variation and historical linguistics” em Bayley, R. / Lucas, C. (eds.), Sociolinguistic variation: theories, methods, and applications (Cambridge: Cambridge University Press).

Naro, A. J. (1973): “A História do e e do o em Português: um estudo de deriva linguística”, em Naro, A. J., Estudos diacrônicos (Petrópolis: Vozes).

Nascentes, A. (1955): Dicionário etimológico da língua portuguêsa. Tomo I (Rio de Janeiro: Oficina Gráfica do Jornal do Commercio).

Nevalainen, T. / Raumolin-Brunberg, H. (2012): “Historical sociolinguistics: origins, motivations, and paradigms”, em Hernández, J. M. / Conde-silvestre, J. C., The handbook of historical sociolinguistics (Malden / West Sussex: Wiley-Blackwell).

Penke, M. / Rosenbach, A. (2007): “What counts as evidence in linguistics? Introduction”, em Penke, M. / Rosenbach, A. (eds.) What count as evidence in linguistics: the case of innateness (Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins Publishing).

Pereira, E. C. (1935) [1915]: Grammatica historica (São Paulo: Companhia Editora Nacional).

Romaine, S. (2009) [1982]: Socio-historical linguistics: its status and methodology (Cambridge: Cambridge University Press).

Rosa, E. da (2015): As vogais médias átonas finais no português brasileiro do século XIX: um estudo baseado em fontes de evidência direta e indireta. 136 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Roveda, S. Damiani (1998): Elevação da vogal média átona final em comunidades bilíngues: português e italiano. 87 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Sá, F. Franco de (1915): A lingua portugueza (Maranhão: Imp. Official).

Schalley, A. C. (2002): Practical theories and empirical practice: a linguistic perspective (Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing).

Schendl, H. (2009): Historical linguistics (Oxford: Oxford University Press).

Schmitt, C. J. (1987): Redução vocálica postônica e estrutura prosódica. 139 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Schneider, E. W. “Investigating variation and change in written documents”, em Chambers, J. K. / Trudgill, P. / Schilling-Estes, N. (eds.) (2002), The handbook of language variation and change (Malden: Blackwell Publishing).

Silva, S. Machry da (2009): Elevação das vogais médias átonas finais e não finais no português falado em Rincão Vermelho – RS. 172 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Stephenson, E. A. (1967): “On the interpretation of occasional spellings”, American Dialect Society 48, 33-50.

Torrinha, F. (1939) [1936]: Dicionário português-latino (Porto: Tip. da Editorial Domingos Barreira, 2ª edição).

Vasconcellos, J. Leite de (1911): Lições de philologia portuguesa (Lisboa: Livraria Clássica Editora de E. M. A. TEIXEIRA & C.ta).

Viana, A. dos Reis Gonçalves (1904): Ortografia nacional: simplificação e uniformização sistemática das ortografias portuguesas (Lisboa: Livraria Editora Viuva Tavares Cardoso).

Vieira, M. J. Blaskovski (1994): Neutralização das vogais médias postônicas. 110 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Vieira, M. J. Blaskovski (2002): “As vogais médias postônicas: uma análise variacionista” en Bisol, Leda / Brescancini, Cláudia (eds), Fonologia e Variação: recortes do português brasileiro, 127-160, (Porto Alegre: EDIPUCRS).

Whitney, W. D. (1867): Language and the study of language: twelve lectures on the principles of linguistic science (New York: Charles Scribner & Company).

Publicado
2015-12-10
Como citar
Da Rosa, E. (2015). As vogais medias átonas finais no portugués brasileiro do século XIX. Revista Galega De Filoloxía, 16, 147-167. https://doi.org/10.17979/rgf.2015.16.0.1382
Sección
Artigos