Bem-estar subjetivo dos professores em pré-reforma || Subjective well-being of teachers in pre-retirement

Sheila Catherine Oliveira Furtado, Teresa Medeiros

Resumen


A partir de uma amostra de 114 professores, duas ciências básicas e secundárias da Região Autónoma dos Açores (Portugal), o objetivo é analisar o status subjetivo do sujeito e verificar essa variabilidade em variáveis sociodemográficas (sexo, idade e estado civil). ), profissionais (nível de linguagem aprendida, posição desenvolvida em fases de desenvolvimento profissional); e se prepara para a reforma. Para a coleta de dados, é utilizado um questionário sociodemográfico e profissional, você dá instrumentos para avaliar ou ser subjetivo (alguns componentes da satisfação com a vida e afeições positivas e negativas) e uma questão de preparação para a reforma. Os resultados obtidos indicam que: (i) os professores têm níveis moderados de bem-estar subjetivo; (ii) ou bem-estar subjetivo varia em função da idade, estado civil e preparação para a reforma; (iii) a maioria dos professores da amostra não prepara sua reforma; (iv) as escolas básicas e secundárias da Região Autónoma dois Açores não investiram em programas de preparação para a reforma. Os resultados são evidências da necessidade de prosseguir a educação para uma reforma desta população, passar a pesquisa sobre políticas públicas de reforma / aposentadoria, investimento das instituições com programas de preparação e pesquisa para dois professores e não para a preparação de processos de adaptação para para reformar / aposentadoria.

Palabras clave


bem-estar subjetivo; professores de ensino básico; professores de ensino secundário; aposentadoriabem-estar subjetivo; professores de ensino básico; professores de ensino secundário; aposentadoria

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias


Afonso, M. M. (2011). O modelo das características do trabalho e o compromisso organizacional à luz da troca social. Dissertação de Mestrado, Escola de Psicologia - Universidade do Minho, Portugal.

Alves, M., Azevedo, N., & Gonçalves, T. (2014). Satisfação e situação profissional: Um estudo com professores nos primeiros anos de carreira. Educação e Pesquisa, 40 (2), 365-382. http://vifww.redalyc.org/articulo.oa?id=29830920005

Andrade, R., Fernandes, S., & Bastos, A. (2013). Bem-estar subjetivo e comprometimento com a carreira: Examinando suas relações entre professores de ensino superior. Revista de Psicologia, 4 (2), 47-60. http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/805

Barbosa, V. J. (2014). A satisfação no trabalho e a perceção da qualidade de vida nos colaboradores do Instituto Politécnico do Porto. Dissertação de Mestrado, Instituto Politécnico do Porto, Portugal.

Benavente, A., Queiroz, S., & Aníbal, G. (2015). Crise, austeridade e educação em Portugal (2011-2014). Investigar em Educação, 11 (3), 49-62. http://pages.ie.uminho.pt/inved/index.php/ie/article/view/87

Cardoso, T. F. (2015). História da profissão docente no Brasil e em Portugal. Rio de Janeiro: MAUAD Editora.

Chaves, S., & Fonsêca, P. (2006). Trabalho docente: Que aspectos sociodemográficos e ocupacionais predizem o bem-estar subjetivo? PSICO, 37 (1), 75-81. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/viewFile/1414/

Diener, E. (1984). Subjective well-being. Psychological Bulletin, 95 (3), 542-575.

Fernandes, L. A. (2011). Análise dos significados associados à reforma na perspectiva da teoria do nível de abstracção. Dissertação de Mestrado, Departamento de Psicologia Social e das Organizações - Instituto Universitário de Lisboa, Portugal.

Ferreira, M. C. (2013). Stress na transição para a reforma. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação - Universidade de Coimbra, Portugal.

Fonseca, A. M. (2004). Uma abordagem psicológica da "passagem à reforma": Desenvolvimento, envelhecimento, transição e adaptação. Dissertação de Doutoramento, Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar - Universidade do Porto, Portugal.

Fonseca, A. M. (2012). Do trabalhao à reforma: Quando os dias parecem mais longos [Em linha]. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 75-95.

Fossatti, P. (2013). Perfil docente e produção de sentido. Brasil: UnilaSalle Editora.

Frota, G., & Teodósio, A. (2012). Profissão docente, profissão decente?: Estratégias de professores frente ao sofrimento no trabalho em um ambiente de inovação pedagógica. XXXVI Encontro da ANPAD (pp. 1-16). Rio de Janeiro.

Furtado, S. C. O. (2015). Satisfação profissional e bem-estar subjetivo dos professores em pré-reforma. Dissertação de Mestrado, Departamento de Ciências da Educação – Universidade dos Açores, Portugal.

Galinha, I., & Pais-Ribeiro, J. (2005). Contribuição para o estudo da versão portuguesa da Positive and Negative Affect Schedule (PANAS): II – Estudo psicométrico. Análise Psicológica, 2 (23), 219-227. http://publicacoes.ispa.pt/index.php/ap/article/view/84

Gomes, A., & Quintão, S. (2011). Burnout, satisfação com a vida, depressão e carga horária em professores [Em linha]. Análise Psicológica, 2 (9), 335-344. http://publicacoes.ispa.pt/index.php/ap/article/view/56

Gonçalves, A. d. A. P. (2008). Bem-estar pessoal e satisfação profissional em profissionais de saúde oral. Dissertação de Mestrado, Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Portugal.

Huberman, M. (1989). The professional life cycle of teachers. Teachers College Record, 91 (1), 31-57. https://www.tcrecord.org/content.asp?contentid=407

Maia, S. C. (2012). Qualidade de vida no trabalho e stresse na profissão docente. Dissertação de Mestrado, Universidade da Beira Interior, Portugal.

McDonnell, J., Christensen,, J., Price, J., Burke, P., & Fessler, R. (1989). Teacher´s career stages and availability and appropriateness of incentives in teaching. EDRS.

Mendonça, H., Ferreira, M., Caetano, A., & Torres, C. (2014). Cultura organizacional, coping e bem-estar subjetivo: Um estudo com professores de universidades brasileiras [Em linha]. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 14 (2), 230-244. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpot/v14n2/v14n2a09.pdf

Morais, F., & Medeiros, T. (2007). Desenvolvimento profissional do professor: A chave do problema? Ponta Delgada: Universidade dos Açores e Direcção Regional da Ciência e a Tecnologia.

Nunes, I. D. (2010). O papel moderador do capital psicológico na relação entre o clima psicológico e o bem-estar subjectivo. Dissertação de Mestrado, Departamento de Psicologia Social e das Organizações - Instituto Universitário de Lisboa, Portugal.

Paúl, C., Fonseca, A. M., Martín, I., & Amado, J. (2005). Satisfação e qualidade de vida em idosos portugueses. Em C. L. Paúl & A. Fonseca (Eds), Envelhecer em Portugal: Psicologia, Saúde e Prestação de Cuidados (pp. 75-95). Lisboa: Climepsi Editores.

Rocha, T. I. (2015). O papel moderador de algumas características sócio-demográficas na relação entre a regulação emocional e o bem-estar: Um estudo com trabalhadores portugueses. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação - Universidade de Coimbra, Portugal.

Rodrigues, M. L. (2014). 40 Anos de políticas de educação em Portugal: A construção do sistema democrático de ensino. Coimbra: Almedina.

Santos, J. V. d., & Gonçalves, G. (2015). A determinação do empenhamento organizacional e do bem-estar no trabalho sobre o bem-estar subjetivo. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 15 (2), 123-132. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpot/v15n2/v15n2a03.pdf

Sikes, P. J. (1985). The life cycle of the teacher. In S. Ball, & I. Goodson (Eds.), Teacher´s lives and careers (pp. 27-62). Philadelphia: The Falmer Press.

Silva, E. N. (2009). Coping e dimensões afetivas do bem-estar subjetivo: Um estudo com trabalhadores da educação. Dissertação de Pós-graduação, Universidade Católica de Goiás, Brasil.

Silva, E., & Murgo, C. (2014). Autoeficácia e bem-estar subjetivo: Análise de uma proposta de intervenção com professores do ensino fundamental. Relatório Científico, Universidade do Oeste Paulista, Brasil.

Simões, A. (1992). Ulterior validação de uma escala de satisfação com a vida (SWLS). Revista Portuguesa de Pedagogia, 26, 503-515.

Sousa, E. M. (2013). Satisfação com a vida, afetos positivos e negativos: Evidências de validade e precisão de escalas propostas por Diener. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Brasil.

Valério, A. J. (2012). Indisciplina, satisfação profissional e bem-estar docente: Um estudo com professores de uma Escola Secundária do Médio Tejo. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação - Universidade de Coimbra, Portugal.




DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2017.4.2.1889

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia Creative Commons

Esta revista es continuación de: Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía e Educación (1997-2013) - ISSN: 1138-1663.