As TIC no Jardim de Infância: uma motivação pedagógica ou uma distração

Resumen

As tecnologias da informação e da comunicação no Jardim de Infância podem ser uma mais-valia no desenvolvimento de competências individuais e sociais e podem dinamizar o processo de aprendizagem, mas também podem ser uma distração, sobretudo quando mal aplicadas. Neste artigo, pretendemos analisar e refletir sobre práticas educativas desenvolvidas com recursos tecnológicos, pelo que metodologicamente selecionámos um estudo de caso aplicando questionários a futuros educadores com enfoque na criança e no educador. Este olhar sobre dois cenários – motivação ou distração – permite compreender o impacto da tecnologia no desenvolvimento e aprendizagem da criança e do educador.

 

Referencias

Referências bibliográficas

Azevedo, J. (1994). Avenidas da Liberdade - Reflexões sobre Política Educativa. Porto: Edições Asa.

Azevedo, J. (2011). Liberdade e Política Pública de Educação. Ensaio sobre um novo compromisso social pela educação. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação, Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Bronfenbrenner, U. (1979). The Ecology of Human Developments: Experiments by Nature and Design. Cambridge Massachusetts : Harvard University Press.

Day, C. (2001). Desenvolvimento Profissional. Porto: Editora Lda.

Dotta, L., Marta, M., Ferreira, E. & Diogo, F. (2013). O desenvolvimento da autonomia nos processos de formação de estudantes da Enfermagem e do Ensino. In Amélia Lopes (Org.), Formação Inicial de Professores e de Enfermeiros: identidades e ambientes (pp. 153-168). Porto, Edição: Mais Leituras.

Ferreira, E. (2007). (D)Enunciar a Autonomia, Contributos para a Compreensão da Génese e da Construção da Autonomia na Escola Secundária. Tese de Doutoramento, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Flores, P., Eça, L., Rodrigues, S., & Quintas, C. (2015). A cidadania e as TIC: Projeto no 1ºCEB. In A. Flores, Colóquio Desafios Curriculas e Pedagógicos na Formação de Professores (pp. 170-177). Braga: Universidade do Minho. Obtido em 30 de maio de 2017, de http://coloquiodesafioscurriculares2015.tk/ ISBN: 978-972-8952-33-4

Flores, P., & Ramos, A. (2016). Práticas com TIC potenciadoras de mudança. 1.º Encontro Internacional de Formação na Docência (INCTE) (pp. 195-203). Bragança: Instituto

Gambôa, R. (2011). Pedagogia-em-Participação: Trabalho de Projeto. In Júlia Oliveira-Formosinho, & R. Gambôa, O Trabalho de Projeto na Pedagogia-em-Participação (pp. 47-82). Porto: Porto Editora.

Hohmann, M., & Weikart, D. (2001). Educar a criança (6ªedição ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Lopes da Silva, I., Marques, L., Mata, L., & Rosa, M. (2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Ministério da Educação/Direção-Geral de Educação (DGE).

Lopes, A. (2007). Construção de Identidades e Formação de Professores – Relatório da Disciplina. Provas de Agregação, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Marta, M. (2015). A(s) identidade(s) dos educadores de infância em Portugal: entre o público e o privado na primeira década do novo milénio. Berlim: Novas Edições Académicas. ISBN: 978-3-639-74356-2.

Nóvoa, A. (2002). Formação de Professores e Trabalho Pedagógico. Lisboa: Educa.

OCDE (2008). Starting Strong Network. [On-line],

http://sitio.dgic.min-edu.pt/pescolar/Paginas/projecto_Starting.aspx. 2008/06/15.

Publicados
2017-12-17
Cómo citar
Marta, M. (2017). As TIC no Jardim de Infância: uma motivação pedagógica ou uma distração. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, (13), 043-046. https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.13.2260
Sección
XIV Congreso Psicopedagogía. Área 13: TECNOLOGÍAS Y COMUNICACIÓN EDUCATIVA