Bullying na escola: causas e posicionamentos de alunos portugueses e brasileiros

  • Maria Teresa Maria Teresa Docente da graduação e do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGEd) da Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC - Campus de Joaçaba - SC http://orcid.org/0000-0001-9289-4627
  • Maria Beatriz Beatriz Instituto de Educação/ Universidade do Minho/ Portugal - PT
  • Patrícia Mattana Patrícia Prefeitura Municipal de Piratuba SC.

Resumen

Esse artigo objetiva analisar as causas do bullying na escola e de como e de que forma alunos portugueses e brasileiros reagem e se posicionam quando evidenciam esse problema. A base empírica desse texto é uma investigação, tendo como amostra 235 alunos, procedentes de duas escolas públicas, uma do Brasil, e outra de Portugal. No que se refere as causas apontadas pelos alunos verificou-se que são de natureza interpessoal e intrapessoal. O trabalho de prevenção e enfrentamento do bullying precisa envolver o coletivo da escola para que todos sintam-se responsáveis por garantir a qualidade das relações de convivência nesse espaço.

Referencias

Abrapia-Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e à Adolescência (2008). O que é Bullying. Construir Notícias, 7 (40).

Borsa, J.C.; Petrucci, G. W. & Koller, S.H. (2015). A participação dos pais nas pesquisas sobre o bullying escolar. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP. v. 19, n. 1, jan./abr., p. 41-48.

Bee, H. (2001). A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artmed.

Bronfenbrenner, U. (2011). Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Revisão técnica: Silvia H. Koller – Porto Alegre: Artmed.

Erikson, E. H. (1976). Identidade: juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar.

Fante, C. & Pedra, J. A. (2008). Bullying escolar: perguntas e respostas. Porto Alegre: Artmed.

La Taille, Y. de (2006). A importância da generosidade no início da gênese da moralidade na criança. Psicologia: reflexão e crítica, v. 19, n. 1, p. 9-17.

Lopes Neto, A. A. (2005). Bullying – Comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria, 81 (5), 164-172.

Lopes Neto, A.A. (2007). Bullying. Revista Adolescência & Saúde. v. 4, n. 3, ago, p. 51-56.

Moura, D. R.; Cruz, A. C. N. & Quevedo, L. Á. (2011). Prevalência e características de escolares vítimas de bullying. Jornal de Pediatria, 87 (1), p.19-23.

Olweus, D. (1993). Bullying in schools: What we know and what we can do. Blackwell: Oxford.

Pereira, B. O. (2008). Para uma escola sem violência. Estudo e prevenção das práticas agressivas entre crianças. (2. ed.). Coimbra, Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Ministério da Ciência e da Tecnologia.

Pereira, B. Prevenção da violência em contexto escolar: diagnóstico e programa de intervenção. In.: Souza Neto, J.C.; Nascimento, M.L.B.P. (2006). Infância: violência, instituições e políticas públicas. São Paulo: Expressão e Arte Editora, p. 43-51.

Pereira, B.; Silva, M. I. & Nunes, B. (2009). Descrever o bullying na escola: estudo de um agrupamento de escolas no interior de Portugal. Curitiba-PR, p. 455-466.

Saraiva, A. B.; Pereira, B. & Zamith-Cruz, J. (2011). School dropout, problem behaviour and poor academic achievement: a longitudinal view of portuguese male offenders. Emotional and Behavioural Difficultie, Special Issue: Longitudinal Research on Emotional and Behavioural Difficulties 16(4), 419-436. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/15420

Senra, L. X.; Lourenço, L. M. & Pereira, B. O. (2011). Características da Relação entre Violência Doméstica e Bullying: Revisão Sistemática da Literatura. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 4 (3), 297-309. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/17136

Silva, E. N. & Rosa, E. C. S. (2013). Professores sabem o que é bullying? Um tema para a formação docente. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, S.P, v. 17, n. 2, jul./dez, pp. 329-338.

Smith, P. K.; Sharp, S. (1994). School bullying: insights and perspectives. London: Routledge.

Steinberg L. (1994) Over-time changes in adjustment and competence among adolescents from authoritative, authoritarian, indulgent and neglectful families. Child – Development, v.65, p. 754 – 770.

Tognetta, L. R. P. (2005). Violência na escola: os sinais de bullying e o olhar necessário aos sentimentos. In: Pontes, A.; De Lima, V. S. Construindo saberes em educação. Porto Alegre: Editora Zouk.

Tognetta, L. R. P. (2009). Violência na escola x violência da escola. In: Congresso Nacional de Educação da PUCPR – EDUCERE, 8; Congresso Ibero–Americano sobre Violências nas Escolas – CIAVE, 3, Curitiba. Anais..., Curitiba: PUC.

Tognetta, L. R. P.; Vinha T. P. [2007?]. Estamos em conflito: eu, comigo e com você! Uma reflexão sobre o bullying e suas causas afetivas. In: Cunha, J. L.; Dani, L. S. C. Escola, conflitos e violências. Santa Maria: Ed. da UFSM.

Tognetta, L. R. P.; Vinha, T. P. (2010). Até quando? Bullying na escola que prega a inclusão social. Educação. Santa Maria: UFSM, v. 35, n. 3, p. 449-464, set./dez.

Tognetta, L. R. P. (2010b). Bullying: de onde vem a Violência que assola a Escola? In: Garcia, A. (Org.). Pesquisas sobre o Relacionamento Interpessoal. Vitória: Editora da ABPRI.

Vieira, I. S.; Torales, A. P. B.; Vargas, M. M. & Oliveira, C. C. da C. (2016). Atitudes de alunos espectadores de práticas de bullying na escola. Revista Ciência, Cuidado e Saúde, Jan/Mar; 15(1):163-170.

Publicado
2017-12-15
Cómo citar
Maria Teresa, M., Beatriz, M., & Patrícia, P. (2017). Bullying na escola: causas e posicionamentos de alunos portugueses e brasileiros. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, (02), 063-068. https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.02.2667
Sección
XIV Congreso Psicopedagogía. Área 2: CONFLICTOS Y MEDIACIÓN ESCOLAR