Autoeficácia Percebida e Afetos no Ensino Básico

Resumen

Este estudo procura contribuir para caraterizar de que forma o afeto positivo, o afeto negativo e o nível de autoeficácia percebida se expressam no adolescente escolarizado, e como essas dimensões contribuem, ou não, para uma experiência de vida equilibrada. A amostra inclui 93 estudantes do ensino básico. O estudo é quantitativo de cariz descritivo-correlacional. Apresentam-se análises de associação e de avaliação da diferença nas médias tomando subgrupos combinados. Os resultados são discutidos, concretizando a sinalização de implicações para a intervenção e a investigação psicológicas.

Palavras-chave: autoeficácia percebida, afetos, aprendizagem cooperativa, rendimento académico.

Referencias

Almeida, L. S., & Lemos, G. C. (2005). Aptidões cognitivas e rendimento académico: a validade preditiva dos testes de inteligência. Psicologia, Educação e Cultura, 9(2), 277-289.

Andrade, C. N. R. (2011). Aprendizagem cooperativa: estudo com alunos do 3.º CEB (Dissertação de mestrado). Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Bragança, Portugal.

Bandura, A. (1977). Self-efficacy toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, 84(2), 191-215.

Bardagi, M. P., & Baff, R. M. (2010). Autoconceito, auto-eficácia profissional e comportamento exploratório em universitários concluintes. Revista da Avaliação da Educação Superior, 15(1), 41-56.

Bessa, N., & Fontaine, A. (2002). Cooperar para aprender: uma introdução à aprendizagem cooperativa. Porto: Edições ASA.

Bzuneck, J. A. (2001). As crenças da auto-eficácia e o seu papel na motivação do aluno. In E. Boruchovitch, & J. A. Bzuneck (Orgs.), A motivação do aluno: Contribuições da Psicologia Contemporânea (pp. 116-133). Brasil: Vozes.

Carvalho, M., Baptista, A., & Gouveia, J. (2004). Análise da estrutura factorial de uma medida de auto-avaliação da afectividade negativa e positiva para crianças e adolescentes. In C. Machado, L. S. Almeida, M. Gonçalves, & V. Ramalho (Orgs.). Avaliação Psicológica: Formas e Contextos. Braga: Psiquilíbrios Edições.

Costa-Lobo, C. (2011). Abordagem sócio-cognitiva do ajustamento à carreira no ensino superior: o papel das actividades em grupo, da auto-eficácia e dos interesses (Tese de Doutoramento). Escola de Psicologia, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Cunha, F., & Uva, M. (2016). A aprendizagem cooperativa: perspetiva de docentes e crianças. Interacções, 41, 133-159.

Cutrona, C. E., Cole, V., Colangelo, M., Assouline, S. G., & Russel, D. W. (1994). Perceived parental social suport and academic achivment: an attachment theory perspective. Journal of Personality and Social Psychology, 66, 369-378.

Fischer, F., Schult, J., & Hell, B. (2013). Sex differences in secondary school success: why female students perform better. European Journal of Psychology of Education, 28(2), 529–543.

Freitas, L., & Freitas, C. (2002). Aprendizagem cooperativa. Lisboa: Edições ASA.

Galinha, I. C., & Pais-Ribeiro, J. L. (2005a). Contribuição para o estudo da versão portuguesa da Positive and Negative Affect Schedule (PANAS): I – abordagem teórica ao conceito de afecto. Análise Psicológica, 2(23), 209-218.

Johnson, D. W., & Johnson, R. T. (1999). Learning together and alone: cooperative, competitive and individualistic learning (5ª ed.). Boston: Allyin and Bacon.

Laochite, R. T., Filho, R. A. C., Matos, M. M., & Sachimbombo, K. M. C. (2016). Autoeficácia no campo educacional: revisão de publicações em periódicos brasileiros. Psicologia Escolar e Educacional, 20(1), 45-54.

Leite, S. A. S. (2012). Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em Psicologia, 20(2), 355-368.

Loureiro, S. R., & Medeiros, P. C. O. (2004). Senso de auto-eficácia de crianças com dificuldades de aprendizagem. In Maturano, E. M., Linhares, M. B. M., & Loureiro, S. R. (Orgs.), Vulnerabilidade e proteção: Indicadores na trajetória de desenvolvimento do escolar (Cap.7, pp.179-196). Brasil: Casa do Psicólogo.

Lourenço, A. A. & Paiva, M. O. A. (2010). A motivação escolar e o processo de aprendizagem. Ciências & Cognição, 15(2), 132-141.

Ludovino, P. N. B. (2012). A aprendizagem cooperativa: uma metodologia a aplicar nas disciplinas de história e geografia (Dissertação de mestrado). Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Portugal.

Matos, R. F. P. (2011). Aprender a cooperar, cooperar para aprender: o método jigsaw em trabalhos de pares e/ou grupos nas aulas de língua inglesa (Dissertação de mestrado). Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Portugal.

Mills, N., Pahares., & Herran, C. (2007). Self-efficacy of college intermediate students: relation to achievement and motivation. Language Learning, 57(3), 417-442.

Moreira, A. C. C. (2013). Aprender a cooperar, cooperar para aprender: contributos da expressão dramática na introdução à aprendizagem cooperativa (Dissertação de mestrado). Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Noronha, A. P. P., Freitas, P. C. S., Piovezan, N. M., & Joly, C. R. A. (2013). Afetos positivos e negativos e autoeficácia em jovens do ensino médio. Revista de Psicologia Trujillo, 15(1), 9-21.

Pacheco, C. C. (2015). O papel das competências emocionais no processo de autoeficácia académica em crianças do 1º ciclo do ensino básico (Dissertação de mestrado). Departamento de Ciências da Educação, Universidade dos Açores, Portugal.

Paiva, M. L. M. F., & Boruchovitch, E. (2010). Orientações motivacionais, crenças educacionais e desempenho escolar de estudantes do ensino fundamental. Psicologia em Estudo, 15(2), 381-389.

Pajares, F. (1996). Self-efficacy beliefs in academic settings. Review of Educational Research, 66, 543-578.

Pereira, H., Rego, A., & Reis, A. (2003, novembro). Qualidade no ensino: o cerne a seu dono. In Actas do Colóquio Nacional da Qualidade, Associação Portuguesa para a Qualidade, Lisboa, 28.

Rodrigues, L. C., & Barrera, S. D. (2007). Auto-eficácia e desempenho escolar em alunos do Ensino Fundamental. Psicologia em Pesquisa, 1(2), 41-53.

Santos, A. O., Junqueira, A. M. R., & Silva, G. N. (2016). A afetividade no processo de ensino e aprendizagem: diálogos de Wallon e Vygotsky. Perspectivas em Psicologia, 20(1), 86-101.

Serra, A. P. L. B. (2007). Uma oficina de formação de aprendizagem cooperativa: aspetos da lecionação da matemática (Dissertação de mestrado). Universidade Aberta, Lisboa, Portugal.

Siqueira, L. G. G. & Wechsler, S. M. (2006). Motivação para a aprendizagem escolar: possibilidade de medida. Avaliação Psicológica, 5(1), 21-31.

Spinath, B., Eckert, C., & Steinmayr, R. (2014). Gender differences in school success: what are the roles of students intelligence, personality and motivation? Educational Research, 56(2), 230-243.

Teixeira, M. O., & Carmo, A. M. (2004). Estudos com a versão portuguesa da escala multidimensional da auto-eficácia percebida de Bandura (MSPSE). In C. Machado, L., Almeida, M., Gonçalves, & V. Ramalho (Orgs). Avaliação Psicológica: Formas e contextos (pp.198-203). Braga: Psiquilíbrios.

Publicados
2017-12-15
Cómo citar
Mendes, R., Nascimento, D., & Costa-Lobo, C. (2017). Autoeficácia Percebida e Afetos no Ensino Básico. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, (02), 057-062. https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.02.2658
Sección
XIV Congreso Psicopedagogía. Área 2: CONFLICTOS Y MEDIACIÓN ESCOLAR