Criatividade docente como saída para a agressividade na e da escola

  • Maria Vitoria Campos Mamede Maia Prof Associado da Faculdade de Educação, Departamento Fundamentos da Educação
  • Silvia Coimbra Professora de Educação Infantil - Colégio Notre Dame - Ipanema - Rio de Janeiro

Resumen

Esse trabalho parte de uma pesquisa maior, desenvolvida pelo grupo de pesquisa Criar e Brincar: o lúdico no processo de ensino-aprendizagem – LUPEA que estuda o ato criativo como uma saída para os impasses que ocorrem quando o comportamento agressivo, a apatia e o desinteresse pelo aprender tornam-se a forma de lidar com o saber em sala de aula. Tal pesquisa tem como campo atual um curso de extensão, em andamento, com professores do município do Rio de Janeiro. Dados primários apontam para a percepção da violência simbólica no cotidiano e da participação destes docentes nesse processo.

 

Referencias

Benjamin, Walter. (1984). Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Summus.

Bourdieu, P; Passeron, J. C.(1975). A reprodução. Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Bourdieu, P.(1998). A Escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: Nogueira, M. A.; Catan, A. (orgs). Escritos de educação. Petrópolis, Vozes.

Bourdieu, P.(1982). A economia das trocas simbólicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva.

Bourdieu, P.(2004) O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz, 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Charlot, B.(2006) Formação de professores: a pesquisa e a política educacional. In: PIMENTA, S.G e GHEDIN, E. Professor Reflexivo no Brasil: Gênese crítica de um conceito. São Paulo:Cortez.

Coimbra, Silvia (2013).Processos avaliativos e processos lúdicos na aprendizagem escolar: Por que brincar não rima com avaliar? Monografia de Final de Curso. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Educação. Rio de Janeiro.

Coimbra, Silvia. Maia, Maria Vitória Campos Mamede.(2012) A importância do brincar na aprendizagem escolar: dos 04 aos 07 anos de idade. Jornada Giulio Massarani de Iniciação Científica, Artística e Cultural. UFRJ: RJ.

Coimbra, Silvia. Maia, Maria Vitória Campos Mamede (2013). Avaliação e lúdico: por um currículo onde as propostas didáticas não precisem ser construídas em dicotomias. Gramado, III Congresso Internacional de Avaliação.

Cruz, Giseli Barreto.(2011) Curso de Pedagogia no Brasil. História e formação com pedagogos primordiais. Rio de Janeiro: WAK Editora

Denzin, Normam K., Lincoln, Yvonna S. (2003). Handbook of qualitive research. Thousand Oaks: Sage.

Flick, Uwe.(2009) Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed

Flick, Uwe. (2009)Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed

Foucault, M. (1986). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro, Forense.

Lopes, Alice Casimiro e Macedo, Elisabeth. (2011). Teorias do Currículo. São Paulo: Cortez

Maia, M.V.C.M. (2014) O lúdico no ensino superior: uma prática (im) possível? ” In: Criar e Brincar: o Lúdico no processo de Ensino-aprendizagem. Rio de Janeiro: Editora Wak.

Maia, M.V.C.M. (2007) Rios sem discurso: reflexões sobre a agressividade da infância na contemporaneidade. São Paulo: Vetor.

Maia, M.V.C.M. (2010) “Jogando para não dançar” – encontros com jogos na escola em grupos de crianças com conduta antissocial e dificuldades de aprendizagem” (projeto de pesquisa – UFRJ)

Maia, M.V.C.M. (2016) Criatividade e Educação: diversas linguagens habitando a escola (projeto de pesquisa – UFRJ).

Nóvoa, A. (1999). O passado e o presente dos professores. In: NÓVOA, A. Profissão professor. 2ed.Porto: Porto Editora.

Maia, M.V.C.M. (2008). Os professores e o “novo” espaço público da educação. In: TARDIF, M. e LESSARD, C. (Orgs.) O ofício do professor. História, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis: Vozes.

Orlandi, E. (1994). O Lugar das Sistematicidades Lingüísticas na Análise de Discurso. São Paulo: EDUC.

Ostrower,Fayga. (2008). Criatividade e processo de criação. Petrópolis, Vozes.

Piaget, Jean (1971).A Formação do Símbolo na Criança. Imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar.

Schön, D.A. (2000) Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad.Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed.

Winnicott, D.W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago Editora.

Winnicott, D.W. (1982) As origens do pensamento da criança. São Paulo: Malone.

Winnicott, D.W. (1964). A criança e o seu mundo. Rio de Janeiro: Imago Editora.

Winnicott, D.W. (1987). Privação e delinquência. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Zeichner, Ken.(1993) A formação reflexiva de professores ideias e práticas. Lisboa: Educa.

Publicados
2017-12-15
Cómo citar
Maia, M. V., & Coimbra, S. (2017). Criatividade docente como saída para a agressividade na e da escola. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, (02), 001-004. https://doi.org/10.17979/reipe.2017.0.02.2224
Sección
XIV Congreso Psicopedagogía. Área 2: CONFLICTOS Y MEDIACIÓN ESCOLAR