(Con)Viver na terceira idade: contributos para um envelhecimento ativo no meio rural || Living in old age: contributions to active aging in rural areas

  • Maria Conceição Antunes
  • Natália Meneses

Resumen

A intervenção aqui descrita resultou de um trabalho de investigação/intervenção desenvolvido com população idosa a frequentar uma oficina de educação de adultos, cuja finalidade se centrou na promoção do envelhecimento ativo através da animação sociocultural. Abrangeu um grupo de 22 participantes com idades compreendidas entre os 67 e os 92 anos. Recorrendo ao paradigma interpretativo-hermenêutico, desenvolvemos um trabalho de investigação-ação participativa utilizando as técnicas de animação sociocultural, enquanto metodologias que fomentam a motivação e participação da população-alvo do projeto. Partindo dos interesses, necessidades e potencialidades dos participantes foram desenvolvidos sete ateliers: Artes Manuais e Decorativas; Saúde Preventiva; Jardinagem; Culinária; Expressão Musical; Ginástica e Atividades Religiosas onde foram dinamizados diversos tipos de atividades a nível físico, cognitivo, lúdico, social, afetivo e espiritual, que permitiram desenvolver as capacidades funcionais do idoso (mobilidade, memória, criatividade, reflexão crítica); fomentar o convívio e as relações interpessoais; valorizar as tradições e cultivar a espiritualidade. A intervenção teve resultados positivos dado que na avaliação final os participantes destacaram os benefícios do projeto, nomeadamente, aos níveis do bem-estar físico e psicológico, do relacionamento interpessoal e da aquisição de novas aprendizagens. Este projeto reiterou a importância da animação sociocultural como intervenção promotora de aprendizagens, do bem-estar e da qualidade de vida junto da população idosa.

Referencias

Ander-Egg, E. (2000). Metodologia y pratica de la Animación Sociocultural. Madrid: Editorial CCS.

Atchley, R. C., (2000) Social forces and aging: an introduction to social gerontology.Belmont: Wadsworth.

Antunes, M.C. (2015). Educar para um envelhecimento bem sucedido: reflexões e propostas

de ação. Revista Teoría de la Educación, 27, 2, 185-201.

Araújo, D. (2016). Envelhecimento e qualidade de vida. Um desafio para a intervenção junto da população idosa institucionalizada. In M.C. Antunes & E. Leandro (Coord) Envelhecimento. Perspetivas, projetos e práticas inovadoras (pp.119-135). V.N. Famalicão: Humus.

Almeida, J. & Pinto, J. (1995). A Investigação nas Ciências Sociais. Lisboa: Editorial Presença.

Bardin, L. (2014). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bogdan, R. e Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Boutinet, J. P. (1990). Antropologia do Projecto. Lisboa: Instituto Piaget.

Cachioni, M. & Neri, A. (2004). Educação e gerontologia: desafios e oportunidades. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 1(1) 99-115. http://seer.upf.br/index.php/rbceh/article/view/49/56

Cachioni, M. (2003). Quem educa os idosos? Um estudo sobre os professores de universidades da terceira idade. Campinas/SP: Editora Alíena.

Carvalho, P. S. (2012) Etapas e processos de envelhecimento. In C. Moura (Org.) Processos e estratégias do envelhecimento: intervenção para o envelhecimento ativo (pp.65-74) Porto: Euedito.

Erasmie, T. & Lima, L. C. (1989). Investigação e Projectos de Desenvolvimento em Educação. Braga: Universidade do Minho, Unidade de Educação de Adultos.

Fernandes, P. (2000). A depressão do idoso. Coimbra: Quarteto Editora.

Fernandes, A. (2004). Quando a vida é mais longa. Impactos sociais do aumento da longevidade. In L. Quaresma (Coord.). O sentido das idades da vida (pp. 13-36). Lisboa: CESDET Edições.

Fogaça, M.C. (2001). Reflexões sobre o envelhecimento. S. Paulo: Editora Terra e Paz.

Geis, P. (2003). Atividade física e saúde na terceira idade: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed.

Guerra, I. (2002). Investigação-Acção – para pensar o mundo temos de nos distanciar ou de mergulhar nele? In I. Guerra (Coord). Fundamentos e Processos de uma Sociologia de Acção: O planeamento em Ciências Sociais (pp.51-75). Parede: Principia.

Jacob, L., & Fernandes, H. (2011). Ideias para um envelhecimento ativo. Almeirim: RUTIS.

Lessard-Hérbert, Goyette, M. & Boutin, G. (2010). Investigação Qualitativa. Fundamentos e Práticas. Lisboa: Instituto Piaget.

Osório, A. R. (2005). Educação permanente e educação de adultos. Lisboa: Instituto Piaget.

Paúl, C. & Fonseca, M. (2005). Envelhecer em Portugal. Lisboa: Climepsi.

Paúl, C. (2005). Envelhecimento ativo e redes de suporte social. Porto: ICBAS-UP.

Parente, M. A. (2006) Envelhecimento: um processo adaptativo multifatorial. In M.A. Parente (Org.) Cognição e Envelhecimento (pp. 17-18). Porto Alegre: Artmed.

Pérez, M. A. (2000) Guia de cuidados de personas mayores. Madrid: Síntesis.

Pinto, M. (2008). Da aprendizagem ao longo da vida ou do exemplo de uma relação ternária: agora, antes, depois. Porto: Cadernos de Apoio Pedagógico da FLUP.

Portella, M. (2004) Grupos de terceira idade: a construção da utopia do envelhecer saudável. Passo Fundo: UPF.

Santos, M. (2012). Diagnóstico em Processo de Intervenção Social e Desenvolvimento Local http://home.uevora.pt/~mosantos/download/Diagnostico_10Ag12.pdf119 (acedido a 09 -01-2015).

Serrano, G. P. (1998). Metodologia de investigação em animação sociocultural. In J.Trilla (Coord.). Animação Sociocultural. Teorias, programas e âmbitos (pp. 101-122). Lisboa: Editorial Ariel.

Sousa, S. (2016). Academia sénior. Viver bem…envelhecer melhor. In M.C. Antunes & E. Leandro (Coord) Envelhecimento. Perspetivas, projetos e práticas inovadoras (pp.137-154). V.N. Famalicão: Humus.

Sousa, E. & Oliveira C. (2015) Viver a (e para) aprender: uma intervenção-ação para a promoção do envelhecimento ativo. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 18 (2), 405-415. http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14055

Zimerman, G. (2000). Velhice, Aspectos Biopsicossociais. Porto Alegre: Artmed Editora.

Publicados
2016-11-02
Cómo citar
Antunes, M., & Meneses, N. (2016). (Con)Viver na terceira idade: contributos para um envelhecimento ativo no meio rural || Living in old age: contributions to active aging in rural areas. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, 3(2), 87-93. https://doi.org/10.17979/reipe.2016.3.2.1541
Sección
ARTÍCULOS