Oferta educativa outdoor como complemento da Educação Pré-Escolar: Os benefícios do contacto com a natureza

  • Ana Coelho
  • Vera Vale
  • Emília Bogotte
  • Aida Figueiredo-Ferreira
  • Isabel Duque
  • Luana Pinho

Resumen

O modelo de Forest Kindergarten, baseado no princípio de vida ao ar livre e com influências de Freöbel e de Montessori, teve origem na Escandinávia, nos anos 50, e tem mobilizado cada vez mais seguidores em todo o mundo. De acordo com o modelo escandinavo, são concebidos programas de aprendizagem baseados nos interesses das crianças que, em ambiente natural, exploram o que as rodeia ao seu próprio ritmo. São vários os motivos que têm promovido o aumento de ofertas educativas ao ar livre. De facto, as pesquisas demonstram que o contacto com a natureza, através de experiências positivas, pode promover a criatividade, o desenvolvimento de habilidades motoras, a concentração e a capacidade para resolver problemas, atenuar o défice de atenção das crianças e promover melhores tomadas de decisão ambientais. Em Portugal, analisando a atual oferta educativa e os hábitos familiares, compreendemos que as crianças portuguesas passam a maioria do seu dia em locais fechados. Os escassos estudos realizados ao nível nacional comprovam que as crianças em contexto educativo, de um modo geral, interagem pouco com a natureza, mesmo quando as condições climatéricas são favoráveis à exploração dos espaços outdoor. Da atual situação surge a necessidade de criar estratégias que permitam às crianças aprender com e na natureza, brincando livremente em espaços estimulantes e capazes de promover o seu desenvolvimento integral. Propostas que, em ambientes saudáveis, permitam promover o bem-estar e o desenvolvimento da criatividade e curiosidade da criança. Esta comunicação tem como principal objetivo divulgar um serviço que visa complementar a atual oferta educativa para crianças entre os 3 e os 5 anos. Trata-se de um projeto piloto, inspirado na atual oferta escandinava, cujo público-alvo são crianças que frequentam a Educação Pré-Escolar e que pretende implementar, desenvolver e avaliar um programa educativo, que articula a educação pré-escolar, a educação ambiental e a educação para a saúde, em regime outdoor.

Referencias

Ewert, A., Place, G., & Sibthorp, J. (2005). Early-life outdoor experiences and na individual’s environmental attitudes. Leisure Sciences. 27, 225-239.

Ferreira, A. (2015). Interação criança-espaço exterior em Jardim-de-Infância. Tese de Doutoramento em Psicologia, Universidade de Aveiro. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Fjørtoft, I. (2001). The natural environment as a playground for children: The impact of outdoor play activities in pre-primary school children. Early Childhood Education Journal, 29 (2), 111-117.

Handler, D. & Epstein, A. (2010). Nature education in preschool. HighScope Extensions, 25(2), 1-17.

Muños, S. (2009). Children in the Outdoors. Forres: Sustainable Development Research Centre.

Staempfli, M. B. (2008). Reintroducing adventure into children‘s outdoor play environments. Environment and Behavior, 4 (2), 1-6.

Taylor, A., Kuo, F. & Sullivan, W. (2001). Coping with ADD: The surprising connection to green play settings. Environment and Behavior, 33 (1), 54-77.

Publicados
2015-11-28
Cómo citar
Coelho, A., Vale, V., Bogotte, E., Figueiredo-Ferreira, A., Duque, I., & Pinho, L. (2015). Oferta educativa outdoor como complemento da Educação Pré-Escolar: Os benefícios do contacto com a natureza. Revista De Estudios E Investigación En Psicología Y Educación, (10), 111-117. https://doi.org/10.17979/reipe.2015.0.10.585
Sección
XIII Congreso Internacional G-P de Psicopedagogía. Área 10: MODELOS Y PRÁCTICAS DE EVALUACIÓN