A educação como empoderamento na ótica do desenvolvimento: uma discussão de modelos

Manuel Gonçalves Barbosa

Resumen


Diante da possibilidade de assistirmos, muito em breve, à definição de uma nova agenda global para o desenvolvimento, certamente, como tudo indica, dando centralidade às pessoas, aos seus problemas e às suas aspirações, e face à iminência de se reafirmar, mais uma vez, o carácter estratégico da educação na realização de agendas desse tipo, conviria averiguar se é chegado o momento de reinvestir a educação com o significado de empoderamento e se essa operação de ressemantização, de amplas consequências teóricas e práticas, pode gerar consensos alargados na comunidade de todos aqueles e aquelas que pensam e fazem educação nos mais variados contextos e ambientes. Como hipótese de trabalho e linha condutora de uma reflexão sobre o fenómeno educativo, a ressignificação da educação como empoderamento na ótica do desenvolvimento pode ser interessante para abrir novos horizontes de investigação educacional e, espera-se, novas formas ou modalidades de operacionalização da educação com pessoas, grupos e coletividades. Ainda assim, importa estar precavido, pois essa articulação da educação com o empoderamento no quadro de orientações programáticas sobre desenvolvimento pode tornar-se equívoca e fonte de debates sem sentido se não se realiza um trabalho de elucidação de tendências e perspetivas, seja no que concerne a relação entre a educação e o desenvolvimento, relação que pode levar, como esperamos mostrar, a abrir a «caixa negra» do empoderamento, seja no que concerne a constituição da educação como ato de empoderamento, quer dizer, como processo que investe no reforço ou aquisição de poder de sujeitos individuais e, eventualmente, de sujeitos coletivos. Só a esta luz cabe discutir os vários modelos que dão corpo à educação como empoderamento e se é realista almejar um consenso alargado em torno desse novo significado de educação no quadro das perspetivas mais abrangentes de desenvolvimento humano. A conclusão deste exercício reflexivo é que tal consenso se revela enganador e a vários títulos problemático, pois estão em presença, digladiando-se, diferentes conceções ideológicas de empoderamento. Seja como for, e numa perspetiva suficientemente ampla de educação para o desenvolvimento, faz todo o sentido ressignificar a educação como processo de empoderamento.

Palabras clave


Educação; Desenvolvimento; Empoderamento; Modelos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.17979/reipe.2015.0.04.144

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia Creative Commons

Esta revista es continuación de: Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía e Educación (1997-2013) - ISSN: 1138-1663.