Educação Ambiental no contexto da CPLP: Um Desa o Urgente

  • Luísa Schmidt ICS-Universidade de Lisboa
  • João Guerra ICS-Universidade de Lisboa
  • Joaquim Ramos Pinto ASPEA
Palabras chave Educação Ambiental, Países lusófonos, Inquérito, Desempenhos nacionais.

Resumo

Os países lusófonos registam diferentes patamares na promoção da Educação Ambiental (EA). Um primeiro levantamento realizado em 2017 mostra que a EA é, em geral, competência dos Ministérios do Ambiente e da Educação, estando reservado um papel especí co para o poder local e para as escolas. O apoio público está generalizado na maioria dos países, sendo, no entanto, mais signi cativo no Brasil e em Portugal. Já o apoio das organizações internacionais veri ca-se, sobretudo, nos países de África e em Timor, enquanto as ONG nacionais, fundações e empresas nacionais a atuar no campo da EA estão presentes, ainda que a diferentes níveis, em todos os países e contextos. Em suma, estes primeiros resultados demonstram que a EA já entrou nas agendas pública e política de todos os países, embora de forma desigual e nalguns países ainda seja embrionária. Torna-se, assim, particularmente importante aprofundar o conhecimento e a análise do campo da EA nos países da CPLP, de modo a reforçar a e cácia da sua implementação e a melhorar as políticas públicas nestes territórios, garantindo maior resiliência para enfrentar os desa os que se aproximam.

Citas

CIEA (1977). Declaração da Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental. Tbilisi, Geórgia: Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental.

Francisco, Santo Padre (2015). ‘Laudato Si’: sobre o cuidado da casa comum - Segunda carta encíclica do Papa Francisco. Lisboa: Paulus

Guerra, João e Schmidt, Luísa (2016). Concretizar o Wishfull Thinking – dos ODS À COP21. Revista Ambiente & Sociedade, 19 (4): 179-196.

Jackson, Tim (2009): Prosperity without growth: economics for a finite planet. London, Earthscan.

Moore, Frances C. 2011. «Toppling the Tripod: Sustainable Development, Constructive Ambiguity, and the Environmental Challenge». The Journal of Sustainable Development, 5 (1): 141-150.

Oliveira Martins, Guilherme (coord.) (2017): Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória – Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho criado nos termos do Despacho n.º 9311/2016, de 21 de julho. Lisboa, Ministério da Educação.

Redclift, Michael. (2005): “Sustainable development (1987-2005): an oxymoron comes of age”, em Sustainable Development, 13 (4), 212-227.

Sato, Michéle (2001). “Debatendo os desafios da Educação Ambiental”, em I Congresso de Educação Ambiental Pró Mar Dentro, Rio Grande: Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande, FURG & Pró Mar de Dentro, 14-, 17-21/maio/2001.

Schmidt, Luísa, Nave, Joaquim Gil, Guerra, João (2010): Educação Ambiental: Balanço e perspetivas para uma agenda mais sustentável. Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais.

Sen, Amartya (2006): “Human Rights and Capabilities”, em Journal of Human Development and Capabilities, 7, 151-166.

The Commission of Inquiry into the Future of Civil Society (2010): Making good society - Final report of the Commission of Inquiry into the Future of Civil Society in the UK and Ireland. Dunfermline, Carnegie UK Trust.

UNESCO (2017): Educação para os Objetivos de Desenvolvimento sustentável – Objetivos de aprendizagem. Paris, UNESCO.

Publicado
2018-03-16
Como citar
Schmidt, L., Guerra, J., & Ramos Pinto, J. (2018). Educação Ambiental no contexto da CPLP: Um Desa o Urgente. AmbientalMENTEsustentable, 23-24(1), 11-23. https://doi.org/10.17979/ams.2017.01.023-024.3361