Parque Nacional Obô: Conhecimento e perceções acerca da sua importância em alunos de S. Tomé

  • António Almeida Escola Superior de Educação de Lisboa
  • Sandra Ribeiro Escola Superior de Educação de Lisboa
  • Helena Botelho Direção Geral de Planeamento e Inovação Educativa
Palabras chave Áreas protegidas, Parque Nacional Obô, Perceção e conhecimento acerca do Parque, Ensino Básico e Secundário.

Resumo

Em S. Tomé e Príncipe foi criado o Parque Nacional Obô em 2006 com a missão de preservar a importante biodiversidade do território. O presente estudo procurou verificar o conhecimento e perceções acerca do Parque de 112 alunos a frequentar duas escolas no Distrito da Capital, 51 do 7.º ano e 61 do 11.º ano de escolaridade. Para tal foi administrado um questionário que visava saber se os alunos já tinham visitado o Parque; se sabiam as razões da sua criação; o tipo de atividades que nele deviam ser ou não permitidas; as vantagens e desvantagens da sua existência; e se já haviam sido beneficiados ou não pela sua existência. O teor das respostas foi muito semelhante nos alunos de ambos os anos de escolaridade, tendo a maioria afirmado nunca ter visitado o Parque e manifestado dificuldades em o localizar geograficamente. Conseguiram, ainda assim, avançar com razões que estiveram na base da sua criação, destacando mais vantagens do que desvantagens e afirmam nunca ter sido prejudicados pela sua existência em termos pessoais ou familiares. Globalmente, os inquiridos revelam um significativo desconhecimento do Parque Nacional e a escola não parece ter ainda contribuído o suficiente para a sua divulgação e visitação.

Citas

Albuquerque, C.; Carvalho, A. (2015): Plano de Manejo 2015/2020 do Parque Natural Obô de São Tomé. São Tomé e Príncipe, RAPAC, ECOFAC V.

Almeida, A. (2002): Abordar o Ambiente na Infância. Lisboa, Universidade Aberta.

Almeida, A. (2007): Educação Ambiental – a importância da dimensão ética. Lisboa, Livros Horizonte.

Barrow, E.; Fabricus, C. (2002): “Do rural people really benefit from protected áreas – rhetoric or reality?”, Parks - The International Journal of Protected Areas and Conservation, 12 (2), 67-79.

Borrini-Feyerabend, G. (2002): “Indigenous and local communities and protected areas: rethinking the relationship”, Parks - The International Journal of Protected Areas and Conservation, 12 (2), 16-27.

Brito, B. R. (2013): Fragilidades sócio-ambientais e potencialidades insulares face às alterações climáticas. In B. R. Brito (Coord.). Alterações Climáticas e suas repercussões sócio-ambientais. Aveiro, Associação Internacional de Investigadores em Educação Ambiental.

Instituto Nacional de Estatística de S. Tomé e Príncipe (s.d.). Disponível em http://www.ine.st/ (Acedido a 20 de julho de 2017).

Leventis, A.; Olmos, F. (2009): As Aves de São Tomé e Príncipe. Um Guia Fotográfico. São Paulo, Aves & Fotos Editora.

Naess, A. (1989): Ecology, Community and Lifestyle. Cambridge, Cambridge University Press.

Namukonde, N.; Kachali, R. (2015): “Perceptions and attitudes of local communities towards Kafue National Park, Zambia”. Parks - The International Journal of Protected Areas and Conservation, 21 (2), 25-36.

Neumann, R. (1998): Imposing Wilderness. Struggles over Livelihood and Nature Preservation in Africa. Berkeley, University of California Press.

Szell, A.; Hallett IV, L. (2013): “Attitudes and Perceptions of Local Reisdents and Tourists toward the Protected Area of Retezat National Park, Romania”. International Journal of Humanities and Social Science, 3 (4). 18-34.

Publicado
2018-03-16
Como citar
Almeida, A., Ribeiro, S., & Botelho, H. (2018). Parque Nacional Obô: Conhecimento e perceções acerca da sua importância em alunos de S. Tomé. AmbientalMENTEsustentable, 23-24(1), 223-232. https://doi.org/10.17979/ams.2017.01.023-024.3378