Ensino e aprendizagem da educação ambiental: contribuições de disciplinas na Universidade de São Paulo

  • Vivian Battaini Universidade de São Paulo
  • Marcos Sorrentino Universidade de São Paulo
  • Rachel Trovarelli Universidade de São Paulo
Palabras chave educação ambiental, universidade, ensino-aprendizagem.

Resumo

A partir de 1983, na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP), inicia-se um processo de desenvolvimento da área de educação ambiental, que culmina com a criação, já nos anos 2000, de disciplinas para graduações e pós-graduações. As disciplinas têm em comum a perspectiva de estudantes protagonizarem a sua própria formação como profissionais e cidadãos/cidadãs. Ancoradas em perspectivas teóricas relacionadas ao ambientalismo, utopismo e educação emancipatória, desenvolvem duas técnicas destacadas no presente artigo: Mínima/Máxima Intervenção Possível (MIP) e Diário de Bordo. A pesquisa que fundamenta o presente artigo é qualitativa, utilizando a observação participante, avaliações processuais e intervenções educadoras junto aos estudantes das mencionadas disciplinas. Os resultados demonstraram-se positivos sob o ponto de vista do envolvimento e participação, restando questionamentos sobre o real aprofundamento de conteúdos específicos. É perceptível o desenvolvimento do protagonismo, autonomia e capacidade de articulação de conteúdos e ações nos estudantes. O uso das técnicas citadas sugere favorecer o desenvolvimento de sujeitos comprometidos com transformações de seu território e apresenta-se como proposta de aprimoramento de processos de ensino aprendizagem na educação superior.

Citas

ACOSTA, A. Bem Viver: Uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo. Editora Elefante, 2016.

BATZÁN, A. Etnografía. Métodos cualitativos en investigación socio-cultural. Barcelona: Editorial Boixareu Universitaria, 1995.

BIESTA, G. Para além da aprendizagem. Educação Democrática para um futuro humano. Coleção Educação experiência e sentido. Editora Autêntica. 2013.

BOGDAN, R.C. & BIKLEN, S.K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Coimbra/ Lisboa: Porto, 1994.

BRANDÃO, C. R. Aprender a saber, partilhar o saber: algumas ideias como um chão pronto para semear propostas de uma educação ambiental. In: SORRENTINO, M. (Org.). Educação Ambiental e políticas públicas: conceitos, fundamentos e vivências. 1 ed. Curitiba: Appris, 2012. p.89-71-87.

BRASIL, MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE & MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa Nacional de formação de educadoras(es) ambientais: por um Brasil educado e educando ambientalmente para a sustentabilidade. Série Documentos Técnicos – 7. Brasília, 2006.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2006. 255p.

CASTELLS, M. O verdejar do ser: o movimento ambientalista. In: A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999. p. 141 -167.

CHAUÍ, M. Avaliação irracional da pesquisa e eclipse da docência na USP. In: Revista Adusp, n. 60, mai, 2017, p. 54 a 65. Disponível em: https://www.adusp.org.br/files/revistas/60/mat04.pdf .

COSTA PINTO, A. B. Potência de agir e educação ambiental: aproximações a partir de uma análise da experiência do Coletivo Educador de Campinas (Coeduca), SP, Brasil. Tese (doutorado em Ciência Ambiental). Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental (PROCAM), Universidade de São Paulo/SP e Faculdade de Letras/Departamento de Filosofia, Universidade de Lisboa.

FERNANDES, D. Para uma teoria da avaliação formativa. Revista Portuguesa de Educação, 2016, 19 (2), p.21 – 50.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. 256 p.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997. 144 p.

GOLDENBERG, M. Pesquisa qualitativa: problemas teóricos-metodológicos. In: A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 3 ed. Rio de Janeiro: Recard, 1999. P. 53 –60.

HALFFMAN, W.; RADDER, H. Manifesto Acadêmico: de uma Universidade Ocupada a uma Universidade Pública. In: Revista Adusp, n.60, mai, 2017, p. 6-25. Disponível em: https://www. adusp.org.br/files/revistas/60/mat01.pdf .

JACCOUND, M. MAYER, R. A observação direta e a pesquisa qualitativa. In: POUPART, J. DESLAURIERS, J. GROULX, L. JACCOUND, M. MAYER, R. PIRES, A. (Org.). A pesquisa qualitativa. Enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 254–294.

KRISHNAMURTI, J. A educação e o significado da vida. São Paulo: Cultrix, 1994. 129p.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D. A pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 112 p. OU 1994

MELLO, M. B. C. O diário de bordo: criando uma linha de fuga sobre uma linha de montagem. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação – RESAFE. n. 25: nov/2015 – abril/2016, p.192-209.

MOLL, Jaqueline (Org.) Educação integral: texto referência para o debate nacional. - Brasília: Mec, Secad, 2009.52 p. : il. – (Série Mais Educação).

OCA, 2016. O “método Oca” de educação ambiental: fundamentos e estrutura incremental. Ambiente & Educação. V.21, n.1, 2016. Disponível em: https://ocaesalq.files.wordpress.com/2013/07/revista-amb-educ-metodo-oca-vol21-no1-2016.pdf

ROCHA, M. L. da. & AGUIAR, K.F.de. Pesquisa-Intervenção e a produção de novas análises. Psicologia Ciência e Profissão, 23(4), 2003. P. 64 – 73

RODRIGUES, A. Pensamento Utópico. (no prelo)

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice: o social e o político na transição pós-moderna. Porto: Afrontamento,1994.

SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n.78, p. 3-46, out. 2007.

SANTOS, B. S. A Universidade do Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. 2.ed. São Paulo: Cortez Editora, 2005.

SORRENTINO, M. Associação para proteção ambiental de São Carlos: subsídios para a compreensão das relações entre movimento ecológico e educação. São Carlos: UFSCAR, 1988, p.288. Dissertação (Mestrado) Programa de Educação do Centro de Educação e Ciências Humanas.

SORRENTINO, M. Educação Ambiental e Universidade: um estudo de caso. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo. São Paulo, 1995.

SORRENTINO, M. Educador Ambiental Popular. In: FERRARO JUNIOR, L. A. (Org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Vol. 3. Brasília: MMA/DEA, 2013. p.143-153.

SORRENTINO, M; SIM, E. F. C.; SACCONI, L. V.; RAIMO, A. A.; PORTUGAL, S.; NAVARRO, S. M.; MACHADO, J. T. MORIMOTO, I. A.; LUCA, A. Q.; FERREIRA, L. E. C.; GUNTZEL-RISSATO, C.; COSTA PINTO B. A.; COATI, A. P.; BRIANEZI, T.; INDINOTO, V. M.; BIASOLI, S. A.; BARBOSA, C. R.; ANDRADE, D. F.; ALVES, D.M.G. Comunidade, identidade, diálogo, potência de ação, e felicidade: fundamentos para educação ambiental. In: GUNTZEL- RISSATO, C.; ANDRADE, D. F.; ALVES, D.M.G; SORRENTINO, M; CASTELLANO, M. ; PORTUGAL, S.; BATTAINI, V. (Org.) Educação ambiental e políticas públicas: conceitos, fundamentos e vivencias. Curitiba, Appris, 2013, v.1, p. 21-62.

SZACHI, J. As Utopias ou a Felicidade Imaginada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

VIOLA, E.; J. LEIS, H. R. O ambientalismo multissetorial no Brasil para além da Rio-92: o desafio de uma estratégia globalista viável. Trabalho debatido na sessão “Sociedade Civil e Meio Ambiente” do primeiro seminário do projeto “Diretrizes de Ação para o Meio Ambiente no Brasil”, realizado de 24 a 25 de novembro de 1992, em Brasília DF. Disponível em: file:///C:/Users/Sylvia%20Helena/Downloads/docslide.com.br_56990536-o-ambientalismo-multissetorial-no-brasil-rio92.pdf.

ZABALA, A. A prática educativa. Como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998. 224p.

Publicado
2018-03-16
Como citar
Battaini, V., Sorrentino, M., & Trovarelli, R. (2018). Ensino e aprendizagem da educação ambiental: contribuições de disciplinas na Universidade de São Paulo. AmbientalMENTEsustentable, 23-24(1), 199-216. https://doi.org/10.17979/ams.2017.01.023-024.3376