Breve apresentação da Formação de Formadores em Educação Ambiental e Política Pública brasileira: Potência de Agir ou Força de Existir estimulada pelo Coletivo Educador Ambiental de Campinas (COEDUCA)/Brasil

  • Alessandra Buonavoglia Costa-Pinto Universidade Federal do Sul da Bahia
Palabras chave Educação Ambiental, Política Pública brasileira, Potência de agir, Espinosa, Formação de Formadores.

Resumo

 Esse texto apresenta uma análise da formação de formadores em educação ambiental (EA) desenvolvida pelo Coletivo Educador Ambiental de Campinas (COEDUCA), estimulada por uma política pública no Brasil. O objetivo foi formar educadoras/es ambientais numa perspectiva crítica, libertária e emancipatória, buscando conferir maior poder de regulação da sociedade sobre o Estado, ou seja, formar cidadãs e cidadãos atuantes na defesa e ampliação de seus direitos e que se autodeterminam a agir para, assim, contribuir com a construção de sociedades sustentáveis. O foco analítico é o aumento e/ou diminuição da potência de agir.

 

Citas

BRASIL. (2004): ProFEEA -Programa de formação de educadores/as ambientais. Por um Brasil educado e educando ambientalmente para a sustentabilidade. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/Diretoria de Educação Ambiental.

CHAUÍ, M. (1995): Espinosa, uma filosofia da liberdade. São Paulo, editora Moderna.

ESPINOSA, B. (2007): Ética/Spinoza; [tradução e notas Thomaz Tadeu]. Belo horizonte: Autêntica Editora.

ESPINOSA, B. (1983). Pensamentos metafísicos; Tratado da correção do intelecto; Ética; Tratado político; Correspondência (Seleção de textos: Marilena Chauí). São Paulo, Abril Cultural, 3a edição. (coleção: Os pensadores).

LEITE, S. A. da S. (2006): “Afetividade e práticas pedagógicas.” In: LEITE, S. A. da S. (org.). Afetividade e práticas pedagógicas.São Paulo: Casa do Psicólogo.

Publicado
2018-03-16
Como citar
Buonavoglia Costa-Pinto, A. (2018). Breve apresentação da Formação de Formadores em Educação Ambiental e Política Pública brasileira: Potência de Agir ou Força de Existir estimulada pelo Coletivo Educador Ambiental de Campinas (COEDUCA)/Brasil. AmbientalMENTEsustentable, 23-24(1), 41-46. https://doi.org/10.17979/ams.2017.01.023-024.3363