A fotografia como recurso sensibilizador em/para a Educação Ambiental

Bianca A. Gomes, Fátima Elizabeti Marcomin

Resumo


Atualmente, vive-se em um contexto de degradação permanente do meio ambiente e de seus ecossistemas, em que o desenvolvimento está cada vez mais ligado à destruição dos ambientes naturais. Assim, faz-se necessário que a Educação Ambiental busque e encontre novas maneiras, meios e dispositivos para tratar/discutir a questão ambiental. A imagem é uma das principais formas de comunicação dos seres humanos (PETERMANN, 2006) e fundamental na leitura e compreensão do mundo (MUSSOI, 2008). Por isso, vem sendo utilizada como nova forma e abordagem para tratar a questão ambiental. O trabalho proposto objetiva compreender que tipo de fotografia, abordado neste estudo, contribui mais efetivamente para processos de sensibilização à questão ambiental. O trabalho será realizado a partir de uma pesquisa do tipo qualitativa de cunho fenomenológico. A execução do estudo dar-se-á desta forma: 1) no primeiro momento serão exibidas fotografias aos sujeitos da pesquisa - alunos do 3º semestre do curso técnico integrado de comunicação visual do Instituto Federal de Santa Catarina, campus Palhoça-bilíngue. Serão utilizados, neste momento, quatro instrumentos de busca de informações: a) filmagem dos sujeitos; b) fichas de observação; c) questionário e d) grupo focal. As informações serão interpretadas à luz da fenomenologia Merleau-Pontyana. 2) No segundo momento será feita a pesquisa-ação, onde os sujeitos serão estimulados a se apropriar do problema de pesquisa e buscar possíveis caminhos para a resolução do mesmo.Astract

Palabras clave


Fotografia; Educação Ambiental; Sensibilização Ambiental.

Texto completo:

PDF

Citas


ANDRADE, E. C. P.; ARBAT BAU, E.; PINTO FILHO, J. B. (Org.) (2011). Olhares cotidianos (re)velam o programa turismo CO2 neutro. Feira de Santana/BA: Editora UEFS.

BARCELOS, V. (2005). Navegando e traçando Mapas – uma contribuição à pesquisa em Educação Ambiental. In: GALIAZZI, Maria do Carmo. FREITAS, José Vicente de. (Org.). Metodologias emergentes de pesquisa em educação ambiental. Ijuí: Ed. Unijuí. p. 63- 84.

BAUER, M. W.; GASKEL, G,; ALLUM, N. (2010). Qualidade, quantidade e interesses do conhecimento – Evitando confusões. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imageme som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes.

BERGER, J. (1999). Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto. (Coleção Ciências da Educação).

BORGES, M. D.; ARANHA, J. M.; SABINO, José (2010). A fotografia de natureza como instrumento para educação ambiental. Ciência & Educação, Bauru, v. 16, n. 1, p. 149-161. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2014.

DANTAS, E. M.; MORAIS, I. R. D. (2007). O ensino de geografia e a imagem: Universo de possibilidades. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GEOCRÍTICA, IX, 2007. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Anais eletrônicos... Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2014.

DEL MAESTRO, M. P. K. (2010). A percepção do sagrado na educação ambiental: entrelaçamentos de uma abordagem complexa e transdisciplinar. In: TRISTÃO, M. JACOBI, P. R. (Org.). Educação ambiental e os movimentos de um campo de pesquisa. São Paulo: Annablume, p. 69-90.

DIAS, A. A. C. (2010). Educação hipertextual: por uma abordagem dialógica e polifônica na leitura de imagens. In: WELLER, Wivian. PFAFF, Nicole (orgs.). Metodologia da Pesquisa qualitativa em educação. Rio de janeiro: Vozes. p. 197-208.

GALIAZZI, M. C.; FREITAS, J. V. (Org.). (2005). Metodologias emergentes de pesquisa em educação ambiental. Ijuí: Ed. Unijuí. 216 p.

GASKELL, G. (2010). Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M. W.; GASKEL, G,; ALLUM, N. Qualidade, quantidade e interesses do conhecimento – Evitando confusões. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes. p. 64-89.

GUIMARÃES, L. B. (2013). A sala de aula em cena: imagem e narrativas. Leitura: Teoria & Prática, Campinas, SP, nov., v.31, n. 61, p.113-123,

JACOBI, P. R. (2011). Educação Ambiental, sociedade de risco e o desafio de inovar para modificar práticas sociais. In: SATO, M. (Org.). Eco-ar-te para o reencantamento do mundo. São Paulo: Rima Editora, FAPEMAT. p. 28-34. 360 p.

HART, P. (2005). Narrativa, conhecimento e metodologias emergentes na pesquisa em Educação Ambiental – Questões de qualidade. In: GALIAZZI, M. C.; FREITAS, J. V. de. (Org.). Metodologias emergentes de pesquisa em educação ambiental. Ijuí: Ed. Unijuí. p. 15- 53.

JOLY, M. (1996). Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus. 152p.

LEFF, E. (2001). Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis, RJ: Vozes.

LEFF, E. (Coord.). (2003). A complexidade Ambiental. Tradução de Eliete Wolff. São Paulo: Cortez.

LEICHT, H. (1992). História Universal da Arte. 2. ed. Tradução de Guttorm Hanssen. São Paulo: Melhoramentos. 539 p.

MACHADO, L. L.; SILVA, J. T. (2005). Objeto de aprendizagem digital para auxiliar o processo de ensino-aprendizagem no Ensino Técnico em Informática. CINTED-UFRGS, Porto Alegre, Nov. v.3, nº 2. Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2014.

MAUAD, A. M. (1996). Através da imagem: fotografia e história interfaces. Tempo, Rio de Janeiro, v. 1, n° 2. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2014.

MUSSOI, A. B. (2008). A fotografia como recurso didático no ensino de geografia. Guarapuava. Disponível em: . Acesso em 12 jun 2014.

PEREIRA, J. C. FAVERO, F. (2014). A experiência na paisagem: a vivência estética, o sublime e o menor. Textura, Canoas, n. 30, p. 107-123, jan./abr.

PETERMANN, J. (2006). Imagens na publicidade: significações e persuasão. UNIrevista, São Paulo, v.1, n°3. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2014.

PORTO-GONÇALVES, C. W. (2006). A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

SALGADO, S. (2006). Genesis: como tudo começou. Teia Ambiental, Espírito Santo, abr., n. 62, Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2014.

TRISTÃO, M.; NOGUEIRA, V. (2011). Educação ambiental e suas relações com o universo da fotografia. In: SATO, M. (Org.). Eco-Ar-TE para o reencantamento do mundo. São Carlos: RiMA/ FAPEMAT. p. 108-115.

VITO, M. (2013). Os Deuses não eram Astronautas. São Paulo: Santarém. 300p.




DOI: https://doi.org/10.17979/ams.2015.2.20.1626

##plugins.generic.referral.referrals##

  • ##plugins.generic.referral.all.empty##